A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Neoplasias

Pré-visualização | Página 1 de 1

JOHNATAN REIS
Displasias e neoplasias
Displasia
Proliferação celular e redução ou ausência de diferenciação. Formação de um tecido perfeito/regular. Responde a estímulos inibitórios.
É um tipo de lesão pré-cancerosa.
Alteração adquirida que pode evoluir para neoplasia ou pode regredir. 
Não tem capacidade de invadir o tecido conjuntivo ou órgãos à distância. Fica isolado no sítio em que ocorre. 
Tem alteração no DNA.
Hiperplasia, distúrbio de maturação das células (epitélio escamoso), atipias celulares e arquiteturais (morfologia). 
Pode ser uma consequência da metaplasia, alteração de um tecido para outro causado por agressão. 
Aumento do crescimento celular:
· Aumento da celularidade
· Aumento no número de mitoses
Atipias celulares:
· Aumento da relação núcleo-citoplasma (com o aumento do dna o núcleo aumenta de tamanho)
· Hipercromasia nuclear (pelo aumento do dna)
· Pleomorfismo (várias formas de células na mesma área devido as atipias) 
Diferenciação alterada:
· Alteração da maturidade celular
· Perda da polaridade (o núcleo muda sua posição, em glândulas ele costuma ficar na base e com a alteração ele vai para perto do lúmen)
Classificação: importante para decisões clínicas.
· Leve: NIC I, 80% de regressão.
· Moderada
· Acentuada
Metaplasia -> displasia -> neoplasia
Se a agressão for contínua. 
· Epitélio do colo uterino displásico
· Aumento do número de células por área, mais núcleo, mais roxo/ biofílico
· Núcleos na superfície, perda de maturação
· Perda de organização arquitetural
· Hipercromasia dos núcleos e aumento
· Encontra-se muitas figuras de mitose em camadas onde não deveria acontecer. Normal é na membrana basal e na imagem encontra-se em camadas altas. 
Normal
Alterado
Colo uterino com displasia infectado por HPV, NIC I, fenótipo de células basais até as camadas mais altas, os núcleos permanecem redondos nas camadas intermediárias, mas se achatam na camada mais alta. Nota-se células com dois núcleos, núcleos escuros ou núcleos irregulares. Diferenças na cromatina, depósito de glicogênio alterado indicando pleomorfismo. 
O HPV tem tropismo por células do epitélio escamo.
Os subtipos 16, 18, 6 e 11 tem importância clínica. 
O HPV não consegue integrar seu DNA em tecido íntegro, por isso ele precisa de alguma microlesão ou lesões caudas por outra IST. A partir da camada basal ele integrar o DNA e causa mudanças na célula e começa a controlar a fisiologia celular e causa uma mudança onde a célula se prolifera mais e não faz a maturação, por isso as atipias. 
Coilócitos células com halo claro ao redor e atipias típicas de HPV, como binucleação ou não, irregularidade da carioteca, hipercromasia.
Displasia causada por HPV, lesão moderada. Mais da metade do epitélio com fenótipo de camada basal, com muitas figuras mitóticas, coilócitos.
Lesão acentuada, causada por HPV. Fenótipo de célula basal até as camadas superiores. Não tem Coilócitos, não tem processo de maturação e diferenciação.
Displasia acentuada
Evolução:
· Regressão espontânea
· Persistência inalterada (leve)
· progressiva
Lesões pré-cancerosas
Depende do tempo da lesão, da classificação da lesão, das probabilidades estatísticas
inflamação crônica
Hiperplasia: processo proliferativo pode levar a mutação e se não ocorrer apoptose pode gerar cópias com o gene alterado, causar displasia e por fim o câncer. 
Neoplasias benignas, como nevos podem evoluir para câncer com o decorrer do tempo. 
Câncer nome grego derivado da característica que lembra patas de crustáceos. 
Neoplasia, palavra cunhada por Vichow para descrever o aspecto das células diferentes no tecido alterado. 
Célula basal é a única que sofre mitose, uma célula fica na camada basal e a outra sobe para se diferenciar. 
Tumor ou neoplasia surgem em órgãos sólidos. É o aumento do número de células em um sítio. 
Evolução temporal da alteração celular até se tornar câncer. 
Mutação 1 há aumento na mitose e causa hiperplasia. 
Mutação 2 pelo aumento da divisão pode ocorrer atipias celulares, causando displasia. 
Mutação 3 ocorre a perda da diferenciação da arquitetura e de contato entre as células, neoplasia in situ, neoplasia autônoma. Não se parece com o tecido de origem, mas restrita à membrana basal. 
Laranja, célula semelhante às de origem, as outras cores mostrar a pleomorfia. 
Mutação 4 ganha capacidade de ultrapassar a membrana basal e invadir tecidos vizinhos, tecido conjuntivo e vasos sanguíneos e se disseminam à distância. 
Neoplasia
Proliferação celular com crescimento autônomo, acompanhada de alterações da diferenciação. Pode ser decorrente da displasia. 
Existe uma relação inversa entre a multiplicação e a diferenciação celular. O metabolismo é desviado da diferenciação para a proliferação. Por exemplo, uma célula com função de armazenar glicogênio perde sua função armazenativa, uma célula produtora de muco para de produzir o muco e o neurônio para de transmitir impulsos para se proliferar. 
Características de malignidade:
· independência da sinalização para crescimento (ativação de oncogenes) é o crescimento autônomo. 
· Insensibilidade para sinais inibitórios do crescimento. 
· Inativação dos genes da apoptose.
· Imortalidade
· Replicação ilimitada
· Angiogênese para manter o metabolismo alto e evitar a morte celular. Pode haver necrose, eventualmente. 
· Invasão de outros tecidos e metástases é uma característica patognomônica.
· Limites mal definidos
· Recidiva local
· Síndrome consuptiva
Neoplasia benigna
· Crescimento celular anormal (hiperplasia)
· Perda da regulação normal 
· crescimento lento
· Semelhantes às células normais do tecido de origem
· Mantem moléculas de junção intercelulares
· Não invadem
· Não metastatizam
Existe um risco da neoplasia benigna se transformar em maligna, mas a probabilidade é baixa.
Lipoma, bem delimitada com pseudocápsula que se forma devido à lentidão da sua formação. 
Visão microscópica do lipoma, tecido bem diferenciado, adipócitos sem núcleos com atipia. 
· Células bem diferenciadas
· Atipias celulares e arquiteturais discretas
· Baixo índice mitótico
· Crescimento lento
· Necrose e homorragias raras
· Adesão celular
· Não infiltram
· Crescimento expansivo (massa esférica)
· Cápsula fibrosa
Neoplasias – nomenclatura e classificação
Critérios:
· Comportamento clínico (maligno ou benigno)
· Aspecto microscópico (mais utilizado)
OMA – NEOPLASIA 
Nome da célula/ tecido/ órgão + OMA ou SARCOMA
Carcinoma – neoplasia maligna de epitélio de revestimento. 
Sarcoma – maligno de origem mesenquimal
Blastoma – sufixo para neoplasias embrionárias
· Origem da neoplasia
· Epônimos (quem descreveu a lesão)
· Invasividade
- carcinoma in situ
- carcinoma infiltrativo/ invasivo