A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
4ª a 8ª SEMANAS GESTACIONAIS + AGENTES TERATOGÊNICOS + MUTAÇÕES GÊNICAS E CROMOSSÔMICAS + ANORMALIDADES FETAIS + PRÉ-NATAL

Pré-visualização | Página 1 de 13

Maryanne Ferreira Soares 
M3 – TUTORIA 04 – Os medos de Quitéria e Pedro 
1 
 
Os medos de Quitéria e Pedro 
TERMOS DESCONHECIDOS 
 Talidomida: A talidomida é um derivado do ácido glutâmico e estruturalmente 
contém dois anéis amida e um único centro quiral. Este composto existe na forma de 
mistura equivalente dos isômeros S(-) e R(-) que se interconvertem rapidamente em 
condições fisiológicas. O enantiômero S está relacionado com os efeitos 
teratogênicos da talidomida, enquanto o enantiômero R é responsável pelas 
propriedades sedativas do fármaco. A talidomida ou “α-N-ftalimidoglutarimida” é 
uma substância química (3–ftalimidoglutarimida) que foi sintetizada na Alemanha 
Ocidental, em 1953, nos laboratórios da Ciba, e depois pela empresa alemã Chemie 
Grünenthal, em 1954. 
 Ácido lisérgico: LSD25 (abreviação de dietilamida do ácido lisérgico) é uma substância 
que lembra outras substâncias presentes em um cogumelo a Claviceps purpurea. 
Embora tenha estrutura química semelhante ele não é produzido (sintetizado) pelo 
cogumelo e, sim, é fabricado em laboratórios. Portanto, o LSD25 é uma substância 
sintética (fabricada em laboratório) e não uma substância natural (fabricada ou 
sintetizada por uma planta). Ele produz profundas alterações mentais chamadas de 
alucinações (alucinação é uma percepção sem objeto, por exemplo ouvir uma 
trombeta sem que este som exista é uma alucinação; outro exemplo, ver coisas que 
não existem: bichos, objetos, etc.) 
 Anfetaminas: As anfetaminas são drogas estimulantes da atividade do sistema 
nervoso central, isto é, fazem o cérebro trabalhar mais depressa, deixando as pessoas 
mais “acesas”, “ligadas” com “menos sono”, “elétricas”, etc. É chamada de rebite 
principalmente entre os motoristas que precisam dirigir durante várias horas seguidas 
sem descanso, a fim de cumprir prazos pré-determinados. Também é conhecida como 
bolinha por estudantes que passam noites inteiras estudando, ou por pessoas que 
costumam fazer regimes de emagrecimento sem o acompanhamento médico. As 
anfetaminas são drogas sintéticas, fabricadas em laboratório. Não são, portanto, 
produtos naturais. Existem várias drogas sintéticas que pertencem ao grupo das 
anfetaminas e como cada uma delas pode ser comercializada sob a forma de remédio, 
por vários laboratórios e com diferentes nomes de fantasia, temos um grande número 
destes medicamentos. 
COMPREENDER OS ACONTECIMENTOS DA 4ª A 8ª SEMANAS DE 
GESTAÇÃO E RELACIONAR COM A FISIOLOGIA GESTACIONAL 
FASES DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO 
 Todas as principais estruturas internas e externas se estabelecem da quarta à oitava 
semana. 
 O desenvolvimento humano pode ser dividido em três fases: 
o Crescimento: envolve divisão celular e a elaboração de produtos celulares. 
o Morfogênese: desenvolvimento da forma, do tamanho e de outras características 
e um órgão em particular ou de parte ou de todo o corpo. É um processo molecular 
complexo controlado pela expressão e regulação de genes específicos em uma 
sequência ordenada. Mudanças no tipo celular, na forma da célula e no movimento 
celular possibilitam a elas interagir umas com as outras durante a formação de 
tecidos e órgãos. 
o Diferenciação: seu término resulta na organização de células em um padrão 
preciso de tecidos e órgãos que são capazes de executar funções especializadas. 
DOBRAMENTO DO EMBRIÃO 
 Dobramento do disco embrionário trilaminar plano em um embrião mais ou menos 
cilíndrico se dá nos planos mediano e horizontal e é decorrente do rápido crescimento 
do embrião. A velocidade de crescimento nas laterais do disco embrionário não 
acompanha o ritmo de crescimento do eixo maior enquanto o embrião aumenta 
rapidamente de crescimento. 
 Dobramento do embrião no plano mediano: o dobramento das extremidades cefálica 
e caudal ocorrem simultaneamente. Concomitantemente, a junção do embrião com a 
vesícula umbilical sofre uma constrição relativa. 
 O dobramento ventral das extremidades do embrião produz as pregas cefálicas e 
caudal, que levam as regiões cefálica e caudal a se deslocarem ventralmente, 
enquanto o embrião se alonga cefálica e caudalmente. 
o Prega cefálica: no início da quarta semana, as pregas neurais da região cefálica 
tornam-se mais espessas para formar o primórdio do encéfalo. Inicialmente, o 
encéfalo em desenvolvimento se projeta dorsalmente na cavidade amniótica. 
Posteriormente, o encéfalo anterior em desenvolvimento cresce em direção 
cefálica, para além da membrana orofaríngea, e coloca-se sobre o coração em 
desenvolvimento. O septo transverso, o coração primitivo, o celoma pericárdico e 
a membrana orofaríngea se deslocam na superfície ventral do embrião. Durante o 
dobramento, parte do endoderma da vesícula umbilical é incorporada ao embrião 
como intestino anterior (situa-se entre o encéfalo e o coração, e a membrana 
orofaríngea separa o intestino anterior do estomodeu, a boca primitiva). Após o 
dobramento da cabeça, o septo transverso situa-se caudalmente ao coração, 
onde, subsequentemente, se desenvolve em tendão central do diafragma. 
 A prega cefálica também influencia a formação do celoma embrionário 
(primórdio das cavidades do corpo). Antes do dobramento o celoma é uma 
Maryanne Ferreira Soares 
M3 – TUTORIA 04 – Os medos de Quitéria e Pedro 
2 
 
cavidade achatada, depois do dobramento o celoma pericárdico localiza-se 
ventralmente ao coração e em posição cefálica ao septo transverso. Nesse 
estágio, o celoma intraembrionário comunica-se livremente, por ambos os 
lados, com o celoma extraembrionário. 
o Prega caudal: o dobramento da extremidade caudal do embrião é resultado do 
crescimento da parte distal do tubo neural. À medida que o embrião cresce, a 
eminência caudal se projeta sobre a membrana cloacal. Durante o dobramento, 
parte da camada germinativa endodérmica é incorporada ao embrião, formando o 
intestino posterior. A parte terminal do intestino posterior logo se dilata 
levemente e forma a cloaca. Antes do dobramento, a linha primitiva situa-se 
cranialmente à membrana cloacal, após o dobramento, ela assume uma posição 
caudal. O pedículo de conexão prende-se à superfície ventral do embrião, e o 
alantoide é parcialmente incorporado ao embrião. 
 Dobramento do embrião no plano horizontal: o dobramento lateral do embrião leva à 
formação das pregas laterais direita e esquerda. O dobramento lateral é resultado do 
rápido crescimento da medula espinal e dos somitos. O primórdio da parede 
abdominal ventrolateral dobra-se em direção ao plano mediano, deslocando as 
bordas do disco embrionário ventralmente e formando um embrião grosseiramente 
cilíndrico. Com a formação da parede abdominal, parte da camada germinativa 
endodérmica é incorporada ao embrião como o intestino médio, o primórdio do 
intestino delgado. Inicialmente, existe uma ampla comunicação entre o intestino 
médio e a vesícula umbilical; entretanto, após o dobramento lateral, a comunicação é 
reduzida, formando o ducto onfaloentérico. A região de ligação do âmnio à superfície 
ventral do embrião é também reduzida a uma região umbilical relativamente estreita. 
Com o cordão umbilical formado a partir do pedículo de conexão, a fusão ventral das 
pregas laterais reduz a região de comunicação entre as cavidades celomáticas 
intraembrionária e extraembrionária a uma comunicação estreita. Com a expansão da 
cavidade amniótica e obliteração da maior parte do celoma extraembrionário, o 
âmnio forma o revestimento epitelial do cordão umbilical. 
DERIVADO DAS CAMADAS GERMINATIVAS 
 As células de cada camada germinativa se dividem, migram, se agregam e se 
diferenciam seguindo padrões precisos ao formar os vários sistemas de órgãos. 
 Ectoderma: dá origem ao sistema nervoso central; ao sistema nervoso periférico, ao 
epitélio sensorial dos olhos, das orelhas e do nariz; à epiderme e seus anexos (cabelos 
e unhas); às glândulas mamárias; à hipófise; às glândulas subcutâneas e ao esmalte 
dos dentes. As células da crista neural, derivadas do