A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
1trabalho de bioquimica Grace Ellen 2019

Pré-visualização | Página 1 de 1

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ 
CURSO DE BIOMEDICINA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Biomolécula 
 
 
Tirosinase 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Grace Ellen Marques 
201902695811 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Rio de Janeiro 
Setembro 2019 
 A importância da pigmentação 
A pigmentação de pele, cabelos e olhos é capaz de proteger estruturas 
internas e a pele de fatores agressivos, como radiações solares e ultravioleta. 
Para que isso ocorra é necessário o trabalho em conjunto de diversos fatores, 
célula e estruturas bioquímicas, entre elas a enzima tirosinase. Para que se inicie 
o processo de pigmentação é necessário a produção da melanina que é o 
principal elemento biológico envolvido na pigmentação cutânea. 
O elemento inicial do processo biossintético da melanina é a tirosina, um 
aminoácido essencial. A tirosina sofre ação química da tirosinase, complexo 
enzimático cúprico-proteico, sintetizado nos ribossomos e transferido, através do 
reticulo endoplasmático para o aparelho de golgi, onde é aglomerado em 
unidades chamadas de melanossomas. 
 Enzimas 
Diversas atividades do corpo humano são iniciadas por ação de enzimas, 
enzimas são biomoléculas conhecidas como catalisadores, ou seja, são capazes 
de acelerar uma reação para que a mesma aconteça no seu tempo necessário 
(muito mais rápido), com gasto de energia amplamente reduzido e não em um 
tempo desproporcional à necessidade real do organismo e tão pouco com 
energia altíssima e indisponível. 
Enzimas são antes de tudo, proteínas, um polímero de aminoácidos, que 
contem ligações peptídicas e juntos tem uma função especifica. Cada proteína 
tem uma função determinada pela ordem dos aminoácidos na sua cadeia, na 
sua estrutura química; se tem assim por certo que nem toda proteína é uma 
enzima, porém, toda enzima é uma proteína. 
A ação enzimática se faz necessária para o perfeito funcionamento do 
organismo em sua completude pois sem elas, ações como a simples 
pigmentação de pele, cabelos e olhos estaria comprometida e exposta a fatores 
externos e agressivos constantemente. 
 Tirosinase 
Monofenol monoxigenase, como também é chamada essa enzima, é da 
classe oxirredutase, que catalisa a relação entre L-tirosina, l-dopa e oxigênio, 
para oferecer l- dopa, dopaquinona e agua. 
A tirosinase, como toda enzima, tem um PH e uma temperatura especifica 
para a sua atuação, pois em temperaturas elevadas pode sofrer desnaturação e 
perder sua atuação. O seu ph ideal é entre 6,7 e 8,0. A enzima tirosinase catalisa 
duas primeiras etapas da reação bioquímica de formação da melanina, oxidando 
a tirosina em 3,4- diidroxifenilalanina (DOPA) e esta em DOPA- quinona. Após 
esta reação no interior dos melanossomas, a DOPA- quinona pode se combinar 
com o oxigênio, resultando em eumelanina que contém um pigmento de marrom 
claro a marrom escuro, ou pode se combinar com enxofre, resultando em 
feomelanina que contém um pigmento amarelado ou avermelhado. * 
 
Figura 1 – Biossíntese de melanina. Fonte: Rocha & Melo, 2000 
 
A tirosina também é um aminoácido precursor dos hormônios adrenalina 
e noradrenalina produzido pela glândula tireoide e como a tirosina é o substrato 
onde atua a enzima tirosinase, ela age diretamente também neste fenômeno 
bioquímico. 
 Sua composição 
A enzima tirosinase ou monofenol monoxigenage possui anel aromático e 
um monofenol em sua estrutura química. É uma proteína globular, o que quer 
dizer que as cadeias polipeptídicas se dobram uma sobre as outras, gerando 
uma forma mais compacta. 
A enzima não sofre nenhum tipo de alteração ao atuar como catalizador 
da tirosina. Ela apenas faz o processo enzima+substrato = enzima substrato -> 
Enzima produto = enzima e produto; sendo assim, a enzima não perde sua 
conformação química enquanto atua. 
 Inibição da tirosinase 
 Em alguns casos o processo de produção de melanina, que ocorre nos 
melanócitos, acontece de forma desregulada e pode causar manchas 
escurecidas na pele, muitas vezes ocorrem na face, o melasma. Por questões 
depessoais, muitas pessoas se incomodam com o melasma e utilizam 
mecanismos que clareiam inibindo a ação da enzima tirosinase, pois assim, a 
reação enzima-substrato não ocorre e é possível reduzir as manchas 
escurecidas. Segundo Chang (2009) “Os inibidores específicos da tirosinase são 
compostos que se ligam reversivelmente à enzima e que reduzem a sua 
capacidade catalítica.” Alguns desses inibidores são: Hidroquinona, Ácido kójigo 
e Arbutina. 
Estes são usados como potentes clareadores inibindo a ação da enzima 
tirosinase. Existem ainda diversos estudos a respeito de inibidores eficazes da 
tirosinase que possam clarear sem por fim danificar a celular produtora de 
melanina e tão pouco sensibilizar a pele do portador do melasma. 
 Muitos estudos ainda a respeito desta enzima estão sendo realizados, 
pois se acredita no seu uso para tratamentos de doenças de pele e alterações 
hormonais. 
 
Ausência da tirosinase 
A ausência dessa respectiva enzima está envolvida diretamente em uma 
doença popularmente conhecida como albinismo, a deficiência dela se dá por 
alteração no código genético, não permitindo que ela ative a tirosina responsável 
pela produção de melanina. 
Pessoas com albinismo tem ausência de coloração de cabelos, olhos e 
pele, correndo grande risco de câncer de pele, tem problemas oculares e 
normalmente deficiência óssea por não poder se expor ao sol para ativar a 
vitamina D. 
Já há estudos em animais com drogas que auxiliam na ativação da enzima 
tirosinase para estimular a produção de melaninas em pacientes que 
apresentam tal caso clínico. 
. Obs: Sob suspeita, porém ainda imprecisa sua relação com a morte dos 
melanócitos que deixam de produzir melanina em certos pontos da pele 
causando assim o vitiligo. 
 
 
 
 REFERÊNCIAS 
 
 
RODWELL, Victor w. et al. Bioquimica ilustrada de Harper 30.ed 2017. Seção I. 
estruturas e funções de proteínas e enzimas. 
 
MELASMA, Fisiopatologia do. Anais Brasileiros de dermatologia. Vol84. N 6 .Rio 
de Janeiro nov/dez 2009 Disponível em www.Scielo.br acesso em 05 de 
Setembro de 2019 
 
Brasil, portal da educação. biologia.Formação da melanina/69165.Disponivel 
em: www.portaleducacao.edu.com.br acesso em 13 de Setembro de 2019 
 
Silverio, Mariana. instituto federal de educação, ciência e tecnologia Goiano. 
Inibição da tirosinase, pagina 16. Disponivel em www.sistemas.ifgoiano.edu.br 
acesso em 12 de Setembro de 2019 
 
LOPES, Ana Alexandra. Inibidores de tirosinase e novas técnicas laboratoriais 
de separação de produtos naturais e bioactivos. Lisboa 2015.escola de 
ciências e tecnolocia da saúde. Disponilvel em www.docplayer.com.br acesso 
em 10 de setembro de 2019 
DERMATOLOGIA, sociedade Brasileira de. Pele. doenças-e-
problemas.albinismo. disponível em www.sbd.org.br acesso em 23 de 
setembro de 2019 
 
 
http://www.scielo.br/
http://www.portaleducacao.edu.com.br/
http://www.sistemas.ifgoiano.edu.br/
http://www.docplayer.com.br/
http://www.sbd.org.br/