A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
APARELHO RESPIRATÓRIO EQUINO

Pré-visualização | Página 2 de 2

causa da lesão
- swab nasal, identifica o agente
- lavado transtraqueal - os três coletam
- lavado via endoscópio - fluido do TR, avaliando o
padrão de celularidade
- lavado broncoalveolar - pode também fazer a
avaliação microbiológica
- biópsia pulmonar
- lavado transtraqueal = injeta líquido e puxa líquido,
por conta da concavidade o líquido fica
- lavado via endoscopia
SEMIOLOGIA DO TRATO
GASTRO-ENTÉRICO
possui uma importância significativa na espécie,
vinculado com a quantidade de enfermidades com
foco nesse trato, principalmente pela cólica, abdome
agudo equino que é um dos maiores causadores de
óbito
A origem
causadores dos problemas
- passamos a usar o animal não só para passeio, já
tomou um caráter muito mais profissional do que
recreativo
- modificamos os atos naturais dos equinos:
- viver na cocheira ao invés de viver no pasto.
No pasto auxilia no desgaste do casco e há
uma movimentação muito maior, animais de
baia ficam mais presos e precisam de um
casqueador
- mudança no manejo alimentar como
quando o alimento é fornecido e não quando
quer. Ele foi feito fisiologicamente para comer
de uma maneira constante, com essa pausa
realizada na alimentação feita com manejo do
homem, o pH do trato é alterado
significativamente.
- alteração no tipo de alimento fornecido, na
natureza come capim o dia todo, o homem
complementou a alimentação com o
concentrado, e essa alimentação está ligada
com o trabalho e o aumento da demanda
energética
- a demanda energética em sua vida no
campo ou de passeio era suprida apenas com
capim, já no aumento do trabalho gera uma
maior demanda, que não é suprida apenas
com capim
- falta de convivência em grupo. Vivia em
bandos e agora fica sozinho em baia. Viver em
bando é uma forma de defesa
- essas mudanças geraram predisposições
- é importante ter uma postura preventiva
Anatomia
- ponto fundamental, indispensável e obrigatório
Alimentação
avaliar
- tipo
- concentrada (grãos) e volumosa (capim e
feno)
- a diferença entre eles é a quantidade e o tipo
de nutriente
- cavalo atleta a proteína é importante, porém
o mais importante é o concentrado energético
distribuído por porção
- no volumoso o principal componente é a
fibra, muito importante para a motilidade
- concentrado é mais focado em energia
- qualidade
- em concentrado é fundamental
- no volumoso também, levando em
consideração o tipo de gramínea e o
percentual de água do volumoso. De
preferência in natura, podendo ser substituído
pelo feno
- o teor de água do feno verde é maior
- havendo no amarelo uma maior chance de
ocorrer processos obstrutivos intestinais, por
conta de uma fibra de pior qualidade e um
menor teor de água
- o cavalo tem que comer entre 1,5 a 4% do
seu peso vivo de volumoso por dia,
dependendo da quantidade de água do
produto, quanto mais água, menor é a
matéria seca
- deixar o período em que não está
trabalhando para comer
- Outro volumoso é a alfafa, ela apresenta
uma quantidade proteica muito maior do que
uma gramínea simples. Vantagem de alfafa e
feno é que as fibras são mais longas, no palet
as fibras são mais curtas. A vantagem da
alfafa peletizada é ter a certeza da
quantidade de nutrientes que está sendo
ofertado para os animais
- concentrado, aveia(pode ser substituto ou
complemento)e ração farelada
- a ração farelada tem que ter cuidado, pois
um dos fatores primordiais da digestão é a
mastigação, pois gera estímulos necessários
para a preparação para a chegada do
alimento. Na ração farelada, ela não precisa
ser mastigada, então há uma grande
possibilidade de esse alimento chegar e o
estômago não estar preparado para receber,
e por isso a incidência de processos de
fermentação no estômago é maior quando é
farelado
- aparência não é qualidade
- levar em consideração a quantidade dos
nutrientes
- prestar atenção nos insumos utilizados para
a produção da ração
- quantidade
- frequência
Avaliação

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.