A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
120 pág.
Slides Unidade V - Programação e Acompanhamento da Produção

Pré-visualização | Página 1 de 8

Administração de Estoques 1
Programação da Produção
Plano Mestre
de Produção
Longo Prazo
Médio Prazo
Curto Prazo
Plano de Produção
Programação da Produção
•Administração de estoques
•Sequenciamento
•Emissão de ordens
Ordens
de
Compras
Ordens
de
Fabricação
Ordens
de
Montagem
Administração de Estoques 2
Empurrar X Puxar a Produção
Processo Processo Processo PAMP
Programação da Produção
Empurrar a produção
Processo Processo Processo PAMP
Programação da Produção
Puxar a produção
OC OF OF OM
OM
Administração de Estoques 3
Programação da Produção
Ø Atividades da programação da produção no sistema
de empurrar:
Ø A administração de estoques está encarregada de planejar e
controlar os estoques definindo os tamanhos dos lotes, a
forma de reposição e os estoques de segurança do sistema.
Ø O seqüenciamento busca gerar um programa de produção
que utilize inteligentemente os recursos disponíveis,
promovendo produtos com qualidade e custos baixos.
Ø A emissão e liberação de ordens implementa o programa de
produção, emitindo a documentação necessária para o início
das operações (compra, fabricação e montagem) e
liberando-a quando os recursos estiverem disponíveis.
Administração de Estoques 4
Administração dos Estoques
Ø As empresas trabalham com estoques de diferentes
tipos que necessitam ser administrados. Visam:
Ø Garantir a independência entre etapas produtivas;
Ø Permitir uma produção constante;
Ø Possibilitar o uso de lotes econômicos;
Ø Reduzir os leadtimes produtivos;
Ø Como fator de segurança;
Ø Para obter vantagens de preço.
Ø Como os estoques não agregam valor aos produtos, quanto
menor o nível de estoques com que um sistema produtivo
conseguir trabalhar, mais eficiente este sistema será.
Planejamento das Necessidades de Materiais
Gestão de Estoques
Ø Materiais Diretos;
Ø Peças e produtos de 
terceiros;
Ø Materiais em 
processo; 
Ø Produtos Acabados.
Administração de Estoques 6
Administração dos Estoques
Ø As empresas trabalham com estoques de diferentes
tipos que necessitam ser administrados. Visam:
Ø Garantir a independência entre etapas produtivas;
Ø Permitir uma produção constante;
Ø Possibilitar o uso de lotes econômicos;
Ø Reduzir os leadtimes produtivos;
Ø Como fator de segurança;
Ø Para obter vantagens de preço.
Ø Como os estoques não agregam valor aos produtos, quanto
menor o nível de estoques com que um sistema produtivo
conseguir trabalhar, mais eficiente este sistema será.
O que é Estoque?
Estoque é o armazenamento, em condições 
controladas, de recursos materiais diversos em 
um sistema de transformação.
É importante ficar claro que todas as
operações mantêm materiais em
estoque, com variações de acordo com
sua importância para o processo, seu
valor, o tempo que permanece
armazenado e o número de pontos de
estoque que existem no sistema.
O que é Estoque?
Operação Exemplos de estoque mantidos em operações 
Hotel Itens de alimentação, itens de toalete, materiais de limpeza 
Hospital Gaze, instrumentos, sangue, alimentos, remédios, materiais de limpeza 
Loja de varejo Mercadorias a serem vendidas, materiais de embrulho 
Armazém Mercadorias armazenadas, materiais de embalagem 
Distribuidor de 
Autopeças 
Autopeças em depósito principal, autopeças em pontos de distribuição 
locais 
Manufatura de 
Componentes 
matéria-prima, semi-acabados, televisores acabados, materiais de 
limpeza 
Metais preciosos Materiais (ouro, platina etc.) esperando serem processados, material 
completamente refinado 
 
Os estoques podem ser classificados nas seguintes categorias:
Ø Matérias-primas;
Ø Peças e outros itens comprados de terceiros;
Ø Material em processo;
Ø Produtos acabados.
Impactos dos Estoques
a) Aspectos Operacionais:
Permitem certas economias na produção e regulam a
diferença de ritmo entre diferentes etapas de um processo.
Além disso, facilitam o atendimento a demandas sazonais.
Impactos dos Estoques
b) Aspectos Financeiros:
A manutenção de estoques implica em 
imobilização de capital que poderia ser 
direcionado a investimentos mais atrativos, 
além na geração de uma série de custos para 
seu controle e conservação.
Ø O que vende mais tem que ser comprado mais o que vende 
menos tem que ser comprado menos.
Ø Se você vendeu R$10.000,00 em média por mês você sabe 
quanto foi o custo dessa venda, sem despesas, apenas o 
custo. Se o custo em média foi de R$6.000,00 por mês, por 
exemplo, é isso que você pode comprar por mês.
Razões para Manter Estoques
§ Melhorar o nível de serviço - disponibilidade;
§ Minimizar custos de vendas perdidas - perda de lucro;
§ Eliminar custos por atraso - transporte / processamento;
§ Economia de escala - menor custo de produção e compras;
§ Proteção contra:
Ø aumentos de preço - flutuações do mercado;
Ø incertezas da demanda;
Ø atrasos no ressuprimento;
Ø baixo nível de serviço dos fornecedores;
Ø contingências - greves, incêndios, enchentes, etc.
Razões para Não Manter Estoques
- Reduzir valor do capital imobilizado.
- Reduzir a necessidade de ativos - prédios, equipamentos.
- Reduzir custos de:
§ obsolescência;
§ armazenagem e movimentação;
§ gestão;
§ avarias e perdas;
§ seguro dos produtos;
- Forçar eficácia na determinação da demanda e do processo 
produtivo.
Administração de Estoques 13
Programação da Produção
Ø A emissão das ordens pode ser feita diretamente no
momento em que está se desmembrando, ou
“explodindo”, o PMP, ou ainda, pode-se empregar o
PMP para setar os parâmetros do modelo de controle
de estoques, e deixar a cargo do mesmo a
determinação do momento de se emitir as ordens.
Ø Já no sistema de puxar a produção as atividades de
programação da produção (administração de
estoques, seqüenciamento e emissão de ordens) são
operacionalizadas pelo emprego do sistema kanban.
Administração de Estoques 14
Classificação ABC
Ø É um método de diferenciação dos estoques
segundo sua maior ou menor abrangência em
relação a determinado fator, consistindo em
separar os itens por classes de acordo com sua
importância relativa.
0
20
40
60
80
100
0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100
% itens
%
 v
al
or
A B C
Classe % de itens % do valor
 A 10 a 20 50 a 70
 B 20 a 30 20 a 30
 C 50 a 70 10 a 20
Classificação ABC
CLASSIFICAÇÃO ABC EM ITENS EM ESTOQUE - EXEMPLO PRÁTICO
ITEM DESCRIÇÃO 
CONSUMO 
MÉDIO 
MENSAL
PREÇO 
UNITÁRIO 
($)
VALOR 
MENSAL 
($)
VALOR 
ORDENADO
% ($) ITEM ABC
1 320 2.700,00
2 834 22,40
3 1 2.166,00
4 2 475,00
5 114 162,30
6 125 176,20
7 68 176,50
8 2 1.142,50
9 100 175,00
10 1 970,00
11 60 54,50
12 1 2.120,00
TOTAL 10.340,40
SINTETIZANDO TEMOS :
ITENS (%) $ (%)
MATERIAIS A
MATERIAIS B
MATERIAIS C
100% 100%
CLASSIFICAÇÃO
Administração de Estoques 16
Classificação ABC
Ø Podemos elaborar a classificação ABC por demanda
valorizada empregando a seguinte rotina:
Ø Calcula-se a demanda valorizada de cada item,
multiplicando-se o valor da demanda pelo custo unitário do
item;
Ø Colocam-se os itens em ordem decrescente de valor de
demanda valorizada;
Ø Calcula-se a demanda valorizada total dos itens;
Ø Calculam-se as percentagens da demanda valorizada de
cada item em relação a demanda valorizada total, podendo-
se calcular também as percentagens acumuladas;
Ø Em função dos critérios de decisões, estabelecem-se as
classes A, B e C (ou quantas quisermos).
Administração de Estoques 17
Tamanho do Lote
de Reposição
Ø Custo Direto: É aquele diretamente relacionado com a
compra ou fabricação do item.
CD = Custo direto do período;
D = Demanda do item para o período;
C = Custo unitário de compra ou fabricação do item.
CD D C= ×
Administração de Estoques 18
Tamanho do Lote
de Reposição
Ø Custo de Preparação: São todos os custos referentes
ao processo de reposição do item pela compra ou
fabricação do lote de itens,
CP = Custo de preparação do período;
N = Número de pedidos de compra ou fabricação durante o
período;
Q = Tamanho do lote de reposição;
A = Custo