A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
18 pág.
BENEFÍCIOS DA MUSCULAÇÃO PARA A TERCEIRA IDADE

Pré-visualização | Página 4 de 5

a socialização que é fundamental nesta fase da vida (MATSUDO e MATSUDO, 1992).
Diversos benefícios adquiridos pela terceira idade através da prática de musculação são mencionados por Souza et al. (2015), dentre eles: o aumento da massa muscular, da massa óssea, aumento da mobilidade articular, aumento da taxa metabólica, redução de tecido adiposo, aumento da sensibilidade à insulina, proteção de articulações anatomicamente instáveis, considera-se que também, diminui significativamente os processos degenerativos ou inflamatórios, a pessoa idosa se torna mais independente, passa a ter menos quedas, tornam se mais confiantes, reduz a pressão arterial entre outros benefícios essenciais para uma vida de saudável.
Entretanto, a musculação ou qualquer outra atividade de força envolvendo pessoa idosa precisa ser acompanhada por uma pessoa que tenha um profundo conhecimento de todas as alterações fisiológicas associadas à idade, devem-se considerar os riscos desse tipo de atividade. Exames médicos são necessários para dar mais segurança (COELHO; NATALLI, 2013).
A maior vantagem do treinamento de força a nível morfológico reside na desaceleração do processo de perda de massa muscular ocorrido com envelhecimento. A maioria das pessoas vai se tornando fraca devida à perda da densidade óssea, e por isso, estão sujeitas a quedas e fraturas. A osteoporose afeta geralmente as vértebras lombares, os processos estiloides da articulação do punho e a articulação do quadril. Entretanto, estudos realizados têm evidenciado que a musculação aumenta a densidade mineral óssea (DUNCAN NETO, 2009).
 METODOLOGIA
 O método utilizado neste trabalho foi o método de procedimentos, mais precisamente do tipo estudo de caso ou monográfico; que segundo Lakatos e Marconi (1991), consistem no estudo de determinados indivíduos, profissões, condições grupos ou comunidades, com a finalidade de obter generalizações, podendo também abranger o conjunto das atividades de um grupo social.
Tipo de pesquisa
 O tipo de pesquisa utilizada foi a Pesquisa Bibliográfica, com revisão de literatura, que tem com o objetivo reunir informações e dados que servirão de base para a construção da investigação proposta a partir do tema.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Através deste trabalho, é possível concluir que a atividade física torna-se uma terapia importante para a população de terceira idade, sendo necessário que o professor de Educação Física que visa a saúde do aluno, se interesse mesmo que superficialmente pelas diversas enfermidades e, se for o caso, até mesmo redirecionar a modalidade física após uma conversa com o médico. 
O estilo de vida ativo pode ser considerado fundamental para melhoria da qualidade de vida, além de melhorar a saúde durante o processo de envelhecimento. A atividade física moderada, realizada de maneira regular, como a caminhada e outras atividades recreativas e de lazer, é um fator de grande importância no processo de envelhecimento saudável.
Os programas de atividades físicas que são dirigidos aos idosos colaboram para melhoria da qualidade de vida deles. Pois a melhoria da aptidão física auxilia na conquista da autonomia. Entretanto, a busca desta autonomia necessita da superação das necessidades básicas, para que no futuro não dependam da ação solidária de grupos bem intencionados e sensíveis a esta questão, ou seja, que as condições de vida permitam.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANDREOTTI, R. A, OKUMA, S.S. Validação de uma bateria de testes de Atividades da vida diária para idosos fisicamente independentes. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, 13(1): 46 – 66, 1999.
BRITO, F C. MARCOS NETTO, P. Urgências em geriatria: Epidemiologia, fisiopatologia, quadro clínico, controle terapêutico. São Paulo: Atheneu, 2001.
CAMPOS, M. A. Musculação – diabéticos, osteoporóticos, idosos, crianças, obesos. Rio de Janeiro: SPRINT, 2000.
CHAGAS, M. H.; LIMA, F. V. Musculação: variáveis estruturais. Belo Horizonte: Casa da Educação Física, 2008.
COELHO, H. N.; NATALLI, B. V. A. Benefícios da musculação na terceira idade. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Ano 15, n. 148, set. 2010. Disponível em: <www.efdeportes.com>. Acesso em: abril 2020.
DUCAM NETO, L. G. W. Os benefícios do treinamento de força no processo de envelhecimento: estudo de revisão de artigos científicos. Monografia (Educação Física) Bacharelado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul-UFRGS. Porto Alegre, 2009. Disponível em: <www.lume.ufrgs.br. Acesso em: março de 2017.
FARIA, I. G. R.; RODRIGUES, T. S. Exercício resistido: na saúde, na doença e no envelhecimento. Lins – São Paulo, 2009. Disponível em: <www..unisalesiano.edu.br/ >.  Acesso em: abril de 2020.
FERREIRA, D. S.; et al. Treinamento de força: inflamação e reparo. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício - Volume 12 Número 3 - maio/junho 2013.
FILHO, P. R. P; GONÇALVES, R. A Importância da Musculação na Terceira Idade. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Edição 03. Ano 02, Vol. 01. pp 391-406, Junho de 2017.
GALLAHUE, D.L e OZMUN, J.C compreendendo o desenvolvimento motor: Bebês, crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Phorte editora, 2001.
GODOY, E. S. Musculação fitness. Rio de Janeiro: Sprint, 1994
HAYFLICK, L. H. Como e por que envelhecemos. Rio de Janeiro: Campos, 1996.
LAKATOS, E. M, MARCONI, M, A. Fundamentos de Metodologia Científica, 3. Edição, São Paulo: Atlas, 1991.
MATSUDO, S. M. MATSUDO, V. K. R., Prescrição e Benefícios da Atividade Física na Terceira Idade. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, São Paulo. 5 (4): 19 -30, 1992.
MATSUDO, S. M, et al. (a)– Efeitos Benéficos da Atividade Física na aptidão física e saúde mental durante o processo de envelhecimento, Revista Brasileira Atividade Física e Saúde. São Paulo, 5 (2): 45 – 65 , 2000.
MATSUDO, S. M, et al. (b). Impacto do envelhecimento nas variáveis antropométricas, neuromotoras e metabólicas da aptidão física. Revista Brasileira Atividade Física e Saúde. São Paulo, 8:21-32, 2000.
MIRANDA, L. História e Filosofia da musculação. Revista Digital, ano 19, n195, agos. 2014. Disponível em: <http://www.wfdwportw.com>. Acesso em: março 2020.
NERI, A. L. Qualidade de vida e idade madura. Campinas: Papirus, 1993.
NERI, A. L. (a). Palavra chave em gerontologia. Campinas: Alínea, 2001.
OKUMA, S. S., et al. Implantação do programa de atividade física para autonomia para pessoas idosas. São Paulo, Departamento de Pedagogia do Movimento do corpo Humano/ GEFEU SP, 1995.
OKUMA, S. S, O significado da Atividade Física para o idoso: um estudo fenomenológico. São Paulo. Tese (Doutorado). Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, 1997.
OKUMA, S. S. O Idoso e a Atividade Física, Campinas: Papirus, 1998.
PALOMBO, K. H; MIGUEL, H. Treinamento de Força na Melhoria da Qualidade de Vida de Idosos: Uma Observação das Abordagens Literárias. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 03, Vol. 04, pp. 63-72, Março de 2018.
PESCATELLO, L. S, Di PIETRO, L. Physical activity in older adults: an overview of health benefits. Sports Medicine, v. 15, n. 6, p. 353 – 364, 1993 in: ANDREOTTI, R. A, OKUMA, S. S. Validação de uma bateria de testes de atividades da vida diária para idosos fisicamente independentes. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo. v.13, n. 1, p.46 – 66, 1999.
RASO, V., et al.(a) Exercícios com pesos para mulheres idosas. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 2 (4) : 17 – 26 , 1997.
RASO, V., et al. (b) Efeitos de Três Protocolos de Treinamento na Aptidão Física de Mulheres Idosas. Gerontologia 5(4): 162 – 170, 1997.
 
RASO, V. Exercícios com pesos para mulheres idosas: a experiência do Celafiscs. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Brasília, 8 (2): 41 - 49, 2000.
ROCHA, R. Musculação para a terceira idade. Trabalho de Conclusão de Curso (Educação Física) – Centro Universitário de Formiga-UNIFOR, Formiga, 2013. Disponível em: <http://bibliotecadigital.uniformg.edu.br>. Acesso em:

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.