A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
RESUMO - Introdução a Nefrologia

Pré-visualização | Página 1 de 3

Isabela M dos Anjos – Medicina UFMS TL 
1 
 
Nefrologia 
Introdução à Nefrologia 
A capacidade de depuração é a função renal primordial, mas não é a única. Os rins possuem importante participação 
metabólica, endócrina, e no controle do equilíbrio hidroeletrolítico e acidobásico. 
Aspecto macroscópico do rim: 
 O rim de um adulto tem um diâmetro longitudinal de 11-12 cm e pesa cerca de 150 g. 
 O parênquima renal (tecido renal propriamente dito) é formado por córtex e medula. 
 A membrana de tecido conjuntivo que envolve o contorno externo dos rins é a cápsula renal. 
 Ao redor da cápsula renal tem a gordura perirrenal ou fáscia de Gerota. 
 A região central por onde chegam os vasos e nervos é o hilo renal. 
A urina formada no parênquima renal é despejada numa complexa rede de cavidades, os cálices renais e a pelve renal. 
Os cálices renais maiores são formados pela confluência de 3 ou 4 cálices menores. E a pelve renal é formada pela 
confluência de 2 ou 3 cálices maiores. 
A camada cortical – CÓRTEX RENAL – contém os 
glomérulos, sendo responsável pela depuração do sangue 
dando início à formação do filtrado, precursor da urina. 
A camada medular – MEDULA RENAL – é formada 
macroscopicamente por 10-18 estruturas cônicas, as 
pirâmides de Malpighi. 
 As bases das pirâmides fazem limite com a zona 
cortical e os vértices fazem saliência nos cálices renais. 
 As saliências são as papilas renais, que 
possuem nas suas porções mais distais, 10 a 25 aberturas 
para passagem da urina formada. 
Cada papila se abre para um cálice menor. 
 Nas regiões laterais, as pirâmides fazem contato 
com extensões de tecido cortical – colunas de Bertin. 
O rim pode ser dividido em lobos que são formados por: uma pirâmide de Malpighi e o tecido cortical adjacente. 
Néfron: unidade funcional dos rins. Estrutura microscópica formada pela associação do corpúsculo de Malpighi (tufo 
glomerular) + sistema tubular (túbulo contorcido proximal, alça de Henle, túbulo contorcido distal e túbulo coletor). 
 Produção do filtrado glomerular nos corpúsculos de Malpighi 
 Complexo processamento deste filtrado em seu sistema tubular 
Os rins possuem cerca de 1,6 milhões de néfrons, o que dá aproximadamente 160 mil néfrons por lobo renal. 
Elementos corticais: 
 Corpúsculo de Malpighi 
 Túbulos contorcidos proximal e distal 
 Parte inicial do túbulo coletor 
 
 
 
Elementos medulares: 
 Alça de Henle 
 Maior parte dos túbulos coletores 
 
Isabela M dos Anjos – Medicina UFMS TL 
2 
 
Corpúsculo de Malpighi: tufo glomerular + cápsula de Bowman 
Artéria renal entra no parênquima pelo hilo renal e se ramifica em direção à periferia (região cortical) recebendo o 
nome de arteríola aferente. Esta dá origem a uma série de alças capilares que se enovelam para formar uma estrutura 
arredondada – glomérulo. Essas alças confluem para formar a arteríola eferente que sai do glomérulo. 
No glomérulo circula sangue arterial, cuja pressão 
hidrostática está sob controle da arteríola eferente 
(possui maior quantidade de músculo liso, pode se 
contrair ou relaxar em função das necessidades do 
organismo). Quanto mais contraída a arteríola 
eferente maior a pressão glomerular e 
consequentemente maior o volume do filtrado. 
Os glomérulos são envolvidos pela cápsula de 
Bowman (2 folhetos). Um folheto é aderido às alças 
glomerulares (visceral) e o outro é ‘inflado’ 
delimitando externamente o corpúsculo (parietal). 
Entre os folhetos tem o espaço capsular, que recebe 
o filtrado glomerular. 
O folheto parietal é epitélio simples pavimentoso apoiado em uma membrana basal. O folheto interno (visceral) é 
formado pelos podócitos. Os podócitos são células especiais que emitem prolongamentos que ‘abraçam’ as alças 
capilares. Prolongamentos primários no sentido radial, prolongamentos secundários que se cruzam e delimitam 
importantes espaços alongados – fendas de filtração. 
Membrana Glomérulo-Capilar: plasma é filtrado, originando o fluido tubular (futura urina). Constitui-se do 
endotélio + membrana basal + fendas de filtração dos podócitos (epitélio visceral). 
Nos espaços entre as alças capilares glomerulares tem um tecido conjuntivo de sustentação – mesângio, que possui a 
célula mesangial. Esta também a função de eliminar resíduos aprisionados no processo de filtração. 
*alças glomerulares = emaranhado de arteríolas que vieram da arteríola aferente. 
O sistema tubular: é composto pelo túbulo contorcido proximal, alça de Henle, túbulo 
contorcido distal e túbulo coletor. O filtrado formado nas alças glomerulares, recebido pela 
cápsula de Bowman, percorrerá o trajeto do sistema tubular, será processado e entregue 
aos cálices como urina. 
O aparelho justaglomerular: é composto pela mácula densa e as células 
justaglomerulares. E possui como função principal a comunicação entre o fluido tubular e a 
arteríola aferente – feedback tubuloglomerular, importante para a regulação da filtração 
glomerular. 
 As arteríolas aferentes, antes de se capilarizarem em glomérulos, apresentam uma modificação da camada 
média onde passam a exibir células especiais – células justaglomerulares. 
 O túbulo contorcido distal em determinado ponto do seu trajeto aproxima-se da arteríola aferente ao nível 
das células justaglomerulares, neste local a sua parede se modifica formando a mácula densa. 
 
 
 
 
 
Isabela M dos Anjos – Medicina UFMS TL 
3 
 
Vascularização renal: cada rim recebe uma artéria, que no hilo renal se divide em diversos ramos. Estes ramos 
invadem o tecido renal e logo dão origem às artérias interlobares, que seguem entre as pirâmides de Malpighi, 
percorrendo o espaço entre os lobos renais. Ao atingirem a base das pirâmides, dão origem as arciformes (arqueada), 
que iniciam um trajeto paralelo à cápsula do órgão. Aí então surgem as interlobulares que percorrem um trajeto 
perpendicular à cápsula renal e em direção a ela. Após, surgem as arteríolas eferentes que vão formam as alças 
capilares dos glomérulos e os vasos peritubulares. 
São as arteríolas eferentes que, em última análise, nutrem o parênquima do córtex renal com sangue arterial. Elas 
também originam arteríolas secundárias que se projetam para irrigar a medula renal – os vasos retos, mas esta possui 
uma vascularização escassa, o que torna essa região sensível a pequenas alterações de perfusão. A papila é a estrutura 
mais distante da origem dos vasos, por isso a mais comum de ter necrose. 
 
A gênese da urina: formação do filtrado glomerular nos corpúsculos de Malpighi – filtração glomerular. O filtrado é 
coletado pela cápsula de Bowman e vai para o sistema tubular. 
A função renal é proporcional à formação deste filtrado e pode ser quantificada pela Taxa de Filtração Glomerular (TFG). O valor 
normal é de 80-120 ml/min de filtrado. 
Os rins processam e elaboram a urina, eliminando a quantidade estritamente necessária de água, eletrólitos e demais 
substâncias através da reabsorção tubular. Além do balanço filtração-reabsorção tubular existe a secreção tubular. 
Alguns eletrólitos como o K+, o H+, e algumas substâncias como o ácido úrico, passam diretamente dos capilares 
peritubulares para o lúmen do túbulo, utilizando carreadores específicos. 
Aspectos fisiológicos: 
 Nos corpúsculos de Malpighi 
Um rim sadio dispõe de mecanismos de defesa que mantem a pressão constante nas alças glomerulares – 
autorregulação da TFG. Bem como possui uma autorregulação do fluxo sanguíneo. As variações de pressão dentro das 
alças capilares