Estrutura e função do córtex cerebral
4 pág.

Estrutura e função do córtex cerebral

Disciplina:Anatomia II423 materiais22.008 seguidores
Pré-visualização2 páginas
os tractos córtico-espinhal e córtico-nuclear, responsáveis pela motricidade voluntária.

	Os efeitos de lesões nas áreas de associação são de avaliação mais difícil, já que não reflete na motricidade ou na sensibilidade. São conhecidas três áreas sensitivas secundárias ou sensitivas de associação. A primeira é a área somestésica secundária, que se situa no lóbulo parietal superior, logo, atrás da área somestésica primária. Depois vem a área visual secundária, ocupa o lobo occipital, mas também se estende ao temporal. Por último, a área auditiva secundária, que está no lobo temporal, circundando a área auditiva primária.

	Essas áreas secundárias recebem aferências das áreas primárias correspondentes e repassam principalmente para as áreas supramodais. Lesões nas áreas secundárias geram as agnosias, ou seja, perda da capacidade de reconhecer objetos. Além disso, essas áreas não são simétricas, por isso lesões da mesma área resultam em sintomatologia diferente conforme o lado lesado.

	Adjacentes às áreas motoras primárias estão as áreas motoras secundárias. Lesões causam apraxias, ou seja, incapacidade de executar determinados atos voluntários. Também existem três áreas motoras secundárias.

	A área motora suplementar situa-se na face medial do giro frontal superior e se comunica, principalmente, com o corpo estriado, tálamo e com a área motora primaria. Ela relaciona-se com a concepção ou planejamento de seqüências complexas de movimentos, como com os dedos. Ela também se ativa quando a pessoa repassa a seqüência de movimentos mentalmente.

	A área pré-motora localiza-se no lobo frontal, adiante a área motora primária. Ela está relacionada com grupos musculares maiores, como os do tronco ou da base dos membros. Na lesão esses músculos têm paresia, o que impede o paciente de elevar completamente os braços e pernas. Isso ocorre devido às projeções dessa área para a formação reticular de onde se origina o tracto reticulo-espinhal, principal responsável pela musculatura axial e proximal dos membros. Ela também recebe aferências do cerebelo. Nela se origina o tracto cortiço-resticulo-espinhal, que coloca os membros na posição para realizar movimentos mais delicados.

	A área de Broca situa-se nas partes opercular e triangular do giro frontal inferior. Ela é responsável pela programação da atividade motora relacionada com a expressão da linguagem, por isso lesões nessa área resultam em afasias, que são déficits de linguagem.

	As áreas de associação terciária ou supramodais não se relacionam isoladamente com nenhuma modalidade sensorial. Elas recebem e integram as informações sensoriais já elaboradas pelas áreas secundaria, também são responsáveis pela elaboração das diversas estratégias comportamentais.Também são três.

	A área pré-frontal compreende a área anterior não motora do lobo frontal. Ela recebe fibras de todas as demais áreas de associação do córtex e ainda se liga ao sistema límbico. A sua conexão com o núcleo dorsomedial do tálamo é muito importante. Essa área está envolvida na escolha das opções e estratégias comportamentais adequadas a situações físicas e sociais, manutenção da atenção e o controle do comportamento emocional, juntamente com o hipotálamo e o sistema límbico.

	A área temporoparietal compreende todo o lóbulo parietal inferior, ou seja, os giros supramarginal e angular, estendendo-se às margens dos sulcos temporal superior e parte do lóbulo parietal superior. Ele integra as informações das áreas secundarias auditiva, visual e somestesica, logo, ela é importande para a percepção espacial, também permite que se tenha a imagem das partes componentes do próprio corpo. O quadro clínico mais característico de lesão nessa área é a síndrome de negligencia ou de inatenção, sendo que a negligencia pode ser em relação ao próprio corpo ou ao espaço externo. O paciente perde a noção do seu esquema corporal, desconsiderando, por exemplo, o lado esquerdo do seu corpo, já em relação ao espaço exterior, o paciente deixa de considera tudo o que está a sua esquerda.

	As áreas límbicas compreendem o giro do cíngulo, o giro para-hipocampal e o hipocampo. Essas áreas estão relacionadas com a memória e com o comportamento emocional.

	A linguagem verbal se origina de áreas corticais e subcorticais, mas as primeiras com maior importância. Existem duas áreas corticais responsáveis a anterior e outra posterior. A anterior corresponde à área de Broca e se relaciona com a expressa da linguagem. Já a área posterior situa-se na junção dos lóbulos temporal e parietal, sendo conhecida como área de Wernicke e se relaciona com a percepção da linguagem. Essas áreas são ligadas pelo fascículo longitudinal superior ou arqueado. Lesões na área de Broca causam afasia motora ou de expressão, já na área posterior afasia sensitiva ou de percepção. Na afasia motora, o individuo tem dificuldade de se expressar, mas compreende, já na sensitiva o déficit é na compreensão da linguagem.

	Funcionalmente, os hemisférios cerebrais não são simétricos, então, surgiu o conceito de hemisfério dominante e secundário. Por exemplo, na linguagem e do raciocínio matemático o dominante é o esquerdo, já o direito é dominante nas habilidades artísticas, na percepção de relações espaciais ou no reconhecimento da fisionomia. Essa assimetria é verdade somente nas áreas de associação, além disso a assimetria torna mais importante o papel do corpo caloso de transmitir informações entre os hemisférios.