Pré-visualização2 páginas
de realizar a copula: ninguém nasce sabendo, eles aprendem vendo. Não pode julgar o animal, tem que ensinar ou deixar ele assistir.

Espermatogênese: (produção de sptz)
Duração total:
- Garanhão: 57 dias.
- Touro e cão: 61 dias.
- Ovino: 47 dias.
- Suíno: 39 dias.

Leva um tempo pra ficar pronto, é um processo demorado, por isso a importância da termorregulação (ex. febre, picada de inseto) que interrompe a produção espermática leva em torno de 60 dias para retomar a produção normal.

A espermatogênese é dividida em 2 fases:
Espermatocitogenese e espermiogenese

A Espermatocitogenese é uma fase caracterizada por muita multiplicação e pouca diferenciação.
A espermiogenese é uma fase apenas de diferenciação, não tem multiplicação na espermiogenese.

Se agente pegar o animal, a espermatocitogenese dura em torno de 40 dias, e a espermiogenese 20 dias. é mais ou menos essa relação.

Espermatocitogenese
Os sptz vão ser produzidos nos túbulos seminíferos onde tem uma célula que nasce com o macho que é a chamada espermatogônia. Essa espermatogônia (2n) é chamada de espermatogonia mãe, que é uma célula indiferenciada que vai dar origem a todas as outras células, é representada graficamente como A1, que é a primeira.
Essa fase é de muita multiplicação, essa espermatogonia vai se multiplicar, se proliferar, de forma de mitose. Essa A1 vai fazer a primeira mitose e vai dar origem a outras espermatogonias A1, esse é o processo de proliferação dela, essas A1 formadas podem servir para reposição (pq o macho produz todo dia a vida toda), essas espermatogonias periodicamente são repostas, renovadas periodicamente com o tempo. (diferente da fêmea que nasce com os oocitos já prontos)
Essas A1 podem tanto fazer reposição como continuar seu desenvolvimento, isso é aleatório, não sabemos quem comanda isso.

Uma então fez a reposição e a outra vai continuar. A que vai continuar (A1) (2n) vai sofrer uma nova mitose (e não serve mais pra reposição!). Como ela sofre uma leve diferenciação ela passa a se chamar espermatogônia A2. A única que pode fazer reposição é a A1.
Essa A2 sofre uma nova mitose, dando origem a espermatogonia A3, que sofreu uma leve diferenciação.
Essa A3 vai fazer nova mitose, dando origem a espermatogônia B1. É B porque é um pouco mais diferenciada.
A espermatogonia B1 sofre nova mitose dando origem a espermatogônia B2.
Essa espermatogônia B2 sofre uma nova mitose dando origem ao espermatócito primário (ou cito primário ou cito 1 ou espermatócito 1) essa célula continua sendo 2n (pois é uma mitose ainda). É uma diferenciação um pouco maior.

Vão começar as meioses,até agora estava só multiplicando, só proliferando. São necessárias 2 meioses para formar o gameta.
A Cito 1 vai sofrer a meiose I, dando origem ao espermatócito secundário (ou Cito 2) que já é uma célula n. O Cito 2 vai fazer a meiose II, dando origem a espermátide.
Aqui acaba a espermatocitogênese, que é influenciada pelo hormônio FSH. Toda essa fase de multiplicação é estimulada pelo FSH, que é o hormônio que esta envolvida na produção de sptz. Dá origem a 3 células: espermatogônia, espermatócito e espermátide, por isso demora 40 dias, tem que fazer muitas multiplicações.

Espermiogenese
	Na espermiogênese, a espermatide vai se diferenciar em SPTZ, vc não tem divisão, cada espermatide vai se diferenciar em 1 SPTZ. Toda produção acontece da periferia para o centro, quanto mais especializada a célula mais para dentro ela deve ficar, mais longe da corrente circulatória ela tem que ficar, porque o sptz é uma célula se ela tiver sem nenhuma proteção o sistema imune vem e acaba com ela. Isso contribui para a barreira hematotesticular.

Como a espermatide vai se diferenciar em SPTZ:
É uma célula com núcleo e vai se diferenciar em SPTZ:
1- condensação do núcleo: o núcleo se espreme pra caber na cabeça do SPTZ.
2-o complexo de golgi, presente no citoplasma da espermatide, vai migrar para o ápice da cabeça do sptz formando o acrossoma (chapeuzinho na cabeça do SPTZ). O acrossoma está envolvido no processo de fecundação.
3-a cauda vem do citoesqueleto da própria espermátide. Esse citoesqueleto se modifica, se diferencia para formar o citoesqueleto da cauda do SPTZ.
1 par de microtubulos central ligados a 9 microtubulos periféricos. Essa ligação é como um “braço” que é uma proteína chamada dineína, então ele fica ligado por pontes de dineína. Importância disso: os microtubulos precisam deslizar (que são os movimentos vibratórios), e a dineina da a sustentação pro SPTZ deslizar.
Esse citoesqueleto se chama axonema. (esqueleto da cauda do SPTZ): 1 par de microtubulos central ligados a 9 microtubulos periféricos ligados pela dineína.

Em volta do axonema tem uma sustentação, que são chamadas fibras densas, que é como se fosse uma “amarra” ali. As fibras densas sustentam o axonema.
Em volta das fibras densas tem uma cápsula fibrosa, que funciona sustentando esse axonema.
Só quem faz a movimentação são os microtubulos e o axonema.

Mitocôndrias:
As espermatides têm muitas mitocôndrias. Essas mitocôndrias vão se posicionar logo abaixo da cabeça do SPTZ no inicio da cauda, formando uma estrutura chamada de bainha de mitocôndria (ou bainha mitocondrial).
Função da mitocôndria: fornecer energia.

Isso faz com que possamos dividir a cauda em 3 porções:
- Peça intermediária (onde está a bainha de mitocôndria)
- Peça principal (maior parte)
- Peça final (o finalzinho da cauda)

Sobrou o citoplasma, que não tem utilidade para o SPTZ, então o citoplasma vai ser expulso. Essa expulsão ocorre sobre forma de bolinha, a gente chama de “gota” que se posiciona em cima da bainha de mitocôndria (gota citoplasmática) que fica em cima da bainha mitocondrial que serve para não dispersar energia porque ele está no testículo e não tem motilidade porque a gota está em cima, mas na fêmea o SPTZ tem que ter perdido essa gota. Então na fêmea (no sêmen ejaculado não pode ter gota porque é patológico). Se for um sêmen punsado de testículo pode ter gota.

A testosterona que faz esse processo de diferenciação na espermiogênese.

Obs: A membrana plasmática do SPTZ acompanha toda essa modificação. O sptz nao deixa de ter membrana plasmática, a espermatide conforme ela vai mudando a membrana vai acompanhando toda essa mudança.
A cabeça do SPTZ é achatada

A morfologia e o tamanho do SPTZ variam de espécie para espécie.

A cabeça do SPTZ do touro: é “achatada do lado” e cauda longa.
Pequeno ruminante: igual do touro, mas menor.
Cavalo: muito pequeno, parece muito com do cão.
Suíno: cauda um pouco menor que do touro, e a cabeça é redonda.
Rato: faz tipo uma vírgula.

SPTZ saiu do testículo pronto

O sptz não fica no testículo ficou pronto ele sai, sai e vai pro epidídimo onde ele vai ser armazenado na cauda. A passagem desse sptz pelo epidídimo é o que a gente chama de Maturação epididimária, pois o sptz ele esta pronto mais não esta móvel, ai durante a maturação que ele ganha a possibilidade de ser móvel, pq ele perde a gota citoplasmática. Ps: Isso não tem nada haver com Espermiogenese.
Quando o SPTZ passa pelo epidídimo essa gota citoplasmática migra para o fim da cauda, ele vai migrando gradativamente para meio do corpo, meio final do corpo, e no final da cauda.
Por isso que isso só ocorre no ejaculado, pois ele contrai tudo e a gota saí.
Por isso que se vc puncionar o testículo, vc vai ter que pegar o SPTZ, colocar dentro do oócito e ai ele fecunda. Ou então vc vai ter que centrifugar o SPTZ pra ele perder a gota, ganhar motilidade para poder então entrar no oócito.
O transito epididimário demora.

Se eu usar o macho muito (sobre uso do animal) acelerado a primeira coisa que acontece é a presença de gota, porque não teve tempo de maturação (no transito epididimário).
Se for só sobre uso, é só deixar o animal de repouso que volta ao normal.