Instalações Elétricas - NBR 5410(2004) - Instalações Elétricas De Baixa Tensão - Comentada
448 pág.

Instalações Elétricas - NBR 5410(2004) - Instalações Elétricas De Baixa Tensão - Comentada

Disciplina:Instalações Elétricas1.331 materiais13.705 seguidores
Pré-visualização50 páginas
em 5.1.2.5.1.

5.1.2.5.3.6 As versões móveis de fontes SELV ou PELV devem, adicionalmente, ser conforme 5.1.2.3.

5.1.2.5.4 Circuitos SELV e PELV

5.1.2.5.4.1 A separação de proteção a que se refere a prescrição de 5.1.2.5.2, entre as partes vivas dos
circuitos SELV ou PELV e partes vivas de outros circuitos que não sejam SELV ou PELV, deve ser
assegurada por:

a) isolação dupla ou reforçada, dimensionada para a tensão mais elevada presente; ou

b) isolação básica e blindagem de proteção, também dimensionada para a tensão mais elevada presente.

NOTA Deve ser provida, entre as partes vivas de dispositivos como relés, contatores e chaves auxiliares e
quaisquer partes de um circuito de tensão mais elevada, uma separação de proteção pelo menos equivalente àquela
existente entre os enrolamentos primário e secundário de um transformador de separação de segurança.

5.1.2.5.4.2 Consoante 5.1.2.5.2, deve ser provida isolação básica:

a) entre as partes vivas de um circuito SELV ou PELV e entre elas e as partes vivas de outros circuitos
SELV ou PELV;

b) entre as partes vivas de um circuito SELV e a terra.

5.1.2.5.4.3 As formas de separação de proteção relacionadas em 5.1.2.5.4.1 conduzem às seguintes
possibilidades de realização das linhas elétricas SELV ou PELV, sendo admitida qualquer uma delas:

a) condutores dos circuitos SELV e/ou PELV providos de cobertura não-metálica ou envolvidos por um
invólucro isolante, adicionalmente à sua isolação básica;

b) condutores dos circuitos SELV e/ou PELV providos de sua isolação básica, separados dos condutores
dos circuitos em outras tensões por uma cobertura metálica aterrada ou uma blindagem metálica
aterrada;

c) compartilhamento pelo circuito SELV e/ou PELV e outros circuitos em outras tensões, de um mesmo
cabo multipolar, desde que os condutores, em especial os dos circuitos SELV e/ou PELV, sejam isolados
para a tensão mais elevada presente;

d) condutores SELV e/ou PELV e condutores de outros circuitos em outras tensões, todos providos de sua
isolação básica, formando um agrupamento, desde que os condutores, em especial os dos circuitos
SELV e/ou PELV, sejam isolados para a tensão mais elevada presente;

e) condutores de circuitos SELV e/ou PELV fisicamente separados dos condutores de qualquer outro
circuito.

ABNT NBR 5410:2004

48 © ABNT 2004 ? Todos os direitos reservados

5.1.2.5.4.4 Os plugues e as tomadas de corrente de circuitos SELV e PELV devem satisfazer as
seguintes prescrições:

a) não deve ser possível inserir o plugue SELV ou PELV em tomadas de outras tensões;

b) a tomada SELV ou PELV deve impedir a introdução de plugues referentes a outras tensões;

c) as tomadas do sistema SELV não devem possuir contato para condutor de proteção.

5.1.2.5.4.5 Partes vivas dos circuitos SELV não devem ser conectadas à terra ou a partes vivas ou
condutores de proteção de outros circuitos.

5.1.2.5.4.6 As massas dos circuitos SELV não devem ser intencionalmente conectadas

? à terra,

? a condutores de proteção ou massas de outros circuitos e/ou

? a elementos condutivos, exceto, neste caso, se a conexão a elementos condutivos for uma
necessidade inerente à utilização do equipamento alimentado em SELV e desde que se possa
descartar o risco da propagação, para a massa SELV, de diferença de potencial superior à tensão de
contato limite válida para a situação de influências externas pertinente (ver anexo c).

NOTA ? Se as massas dos circuitos SELV forem suscetíveis de entrar em contato, fortuita ou
deliberadamente, com massas de outros circuitos, a proteção contra choques não mais depende somente da
proteção proporcionada pelo sistema SELV, mas também da medida de proteção aplicada a esses outros
circuitos.

5.1.2.5.4.7 Os sistemas PELV e/ou suas massas podem ser aterrados.

5.1.3 Proteção adicional

5.1.3.1 Eqüipotencialização suplementar

5.1.3.1.1 A eqüipotencialização suplementar deve ser realizada sempre que as condições associadas à
medida de proteção por eqüipotencialização e seccionamento automático da alimentação (ver 5.1.2.2) não
puderem ser integralmente satisfeitas e em todos os casos da seção 9 em que for exigida.

NOTAS

1 A eqüipotencialização suplementar não dispensa a necessidade de seccionamento da alimentação por outras
razões ? por exemplo, proteção contra incêndio, sobreaquecimento do equipamento, etc.

2 A eqüipotencialização suplementar pode envolver toda a instalação, uma parte desta, um equipamento ou um local.

3 Requisitos adicionais podem ser necessários para locais específicos (ver seção 9) ou para outras finalidades.

5.1.3.1.2 A eqüipotencialização suplementar deve abranger todos os elementos condutivos
simultaneamente acessíveis, sejam massas de equipamentos fixos, sejam elementos condutivos da
edificação ou de suas utilidades, incluindo as armaduras do concreto armado. A essa eqüipotencialização
devem ser conectados os condutores de proteção de todos os equipamentos, incluindo os condutores de
proteção das tomadas de corrente.

NOTA Nenhuma ligação visando eqüipotencialização ou aterramento, incluindo as conexões às armaduras do
concreto, pode ser usada como alternativa aos condutores de proteção dos circuitos. Como especificado em 5.1.2.2.3.6,
todo circuito deve dispor de condutor de proteção, em toda sua extensão (ver também 6.4.3.1.5).

C

ABNT NBR 5410:2004

© ABNT 2004 ? Todos os direitos reservados 49

5.1.3.1.3 Em caso de dúvida, a efetividade da eqüipotencialização suplementar deve ser verificada
assegurando-se que a resistência R entre qualquer massa e qualquer elemento condutivo simultaneamente
acessível (seja outra massa ou elemento condutivo não pertencente à instalação elétrica) atenda à seguinte
condição:

R £ UL / Ia

onde:

UL é a tensão de contato limite, em volts;

Ia é a corrente de atuação do dispositivo de proteção, em ampères, correspondendo a:

? I?n para dispositivos de proteção a corrente diferencial-residual;

? corrente de atuação em 5 s para dispositivos a sobrecorrente.

NOTA As tensões de contato limite, para diferentes situações, estão indicadas no anexo C.

5.1.3.2 Uso de dispositivo diferencial-residual de alta sensibilidade

5.1.3.2.1 Generalidades

5.1.3.2.1.1 O uso de dispositivos de proteção a corrente diferencial-residual com corrente
diferencial-residual nominal I?n igual ou inferior a 30 mA é reconhecido como proteção adicional contra
choques elétricos.

NOTA A proteção adicional provida pelo uso de dispositivo diferencial-residual de alta sensibilidade visa casos como
os de falha de outros meios de proteção e de descuido ou imprudência do usuário.

5.1.3.2.1.2 A utilização de tais dispositivos não é reconhecida como constituindo em si uma medida de
proteção completa e não dispensa, em absoluto, o emprego de uma das medidas de proteção estabelecidas
em 5.1.2.2 a 5.1.2.5.

5.1.3.2.2 Casos em que o uso de dispositivo diferencial-residual de alta sensibilidade como
proteção adicional é obrigatório

Além dos casos especificados na seção 9, e qualquer que seja o esquema de aterramento, devem ser objeto
de proteção adicional por dispositivos a corrente diferencial-residual com corrente diferencial-residual nominal
I?n igual ou inferior a 30 mA:

a) os circuitos que sirvam a pontos de utilização situados em locais contendo banheira ou chuveiro (ver
9.1);

b) os circuitos que alimentem tomadas de corrente situadas em áreas externas à edificação;

c) os circuitos de tomadas de corrente situadas em áreas internas que possam vir a alimentar
equipamentos no exterior;

d) os circuitos que, em locais de habitação, sirvam a pontos de utilização situados em cozinhas, copas-
cozinhas, lavanderias, áreas de serviço, garagens e demais dependências internas molhadas em uso
normal ou sujeitas a lavagens;

e) os circuitos que, em edificações não-residenciais, sirvam a pontos de tomada situados em cozinhas,
copas-cozinhas, lavanderias, áreas