Instalações Elétricas - NBR 5410(2004) - Instalações Elétricas De Baixa Tensão - Comentada
448 pág.

Instalações Elétricas - NBR 5410(2004) - Instalações Elétricas De Baixa Tensão - Comentada


DisciplinaInstalações Elétricas5.124 materiais44.791 seguidores
Pré-visualização50 páginas
ao eletrodo de aterramento da edificação, via
condutor de aterramento principal.
2 Admite-se que a barra PE do quadro de distribuição principal da edificação acumule a função de BEP. Para tanto,
este quadro deve ser localizado o mais próximo possível do ponto de entrada da linha elétrica na edificação.
ABNT NBR 5410:2004
© ABNT 2004 Todos os direitos reservados 147
3 Ver definição de ponto de entrada (numa edificação) (3.4.4).
6.4.2.1.4 O BEP deve prover uma conexão mecânica e eletricamente confiável. Todos os condutores
conectados ao BEP devem ser desconectáveis individualmente, exclusivamente por meio de ferramenta.
6.4.2.1.5 Nos pontos de conexão dos condutores de eqüipotencialização aos elementos indicados nas
alíneas a) e b) de 6.4.2.1.1 deve ser provida etiqueta ou plaqueta com a seguinte inscrição: Conexão de
segurança Não remova . Quando diretamente acessíveis, o próprio BEP e os pontos de conexão com os
eletrodos indicados nas alíneas f) e g) de 6.4.2.1.1 também devem ser providos da mesma advertência.
A etiqueta ou plaqueta não deve ser facilmente removível.
6.4.2.2 Eqüipotencializações suplementares (eqüipotencializações locais)
A realização de eqüipotencializações suplementares (eqüipotencializações locais) pode ser necessária por
razões de proteção contra choques, conforme previsto em 5.1.2.2, ou por razões funcionais, incluindo
prevenção contra perturbações eletromagnéticas, conforme previsto em 5.4.3.5.
6.4.2.2.1 Eqüipotencialização suplementar visando proteção contra choques elétricos
Os casos em que se exige ou se recomenda a realização de eqüipotencializações locais com vista à proteção
contra choques são tratados em 5.1.3.1 e na seção 9.
NOTA Para eqüipotencialização por razões funcionais, ver 6.4.5.
6.4.2.3 Prescrições para os condutores das eqüipotencializações principal e suplementares
Os condutores de aterramento e os condutores de eqüipotencialização devem atender às prescrições de
6.4.1.2 e de 6.4.4, respectivamente. Os condutores de interligação de eletrodos de aterramento são
considerados condutores de eqüipotencialização.
6.4.3 Condutores de proteção (PE)
NOTAS
1 Para condutores de aterramento, ver 6.4.1.2.
2 Para condutores de eqüipotencialização, ver 6.4.4.
6.4.3.1 Seções mínimas
6.4.3.1.1 A seção de qualquer condutor de proteção deve satisfazer as condições estabelecidas em
5.1.2.2 e ser capaz de suportar a corrente de falta presumida.
A seção dos condutores de proteção deve ser calculada conforme 6.4.3.1.2, ou selecionada de acordo com
6.4.3.1.3. Em ambos os casos devem ser considerados os requisitos de 6.4.3.1.4.
NOTA Os terminais destinados aos condutores de proteção devem ser compatíveis com as seções dimensionadas
pelos critérios aqui estabelecidos.
6.4.3.1.2 A seção dos condutores de proteção não deve ser inferior ao valor determinado pela expressão
seguinte, aplicável apenas para tempos de seccionamento que não excedam 5 s:
k
tI
S
2
=
onde:
S é a seção do condutor, em milímetros quadrados;
C
C
ABNT NBR 5410:2004
148 © ABNT 2004 Todos os direitos reservados
I é o valor eficaz, em ampères, da corrente de falta presumida, considerando falta direta;
t é o tempo de atuação do dispositivo de proteção responsável pelo seccionamento automático, em
segundos;
k é um fator que depende do material do condutor de proteção, de sua isolação e outras partes, e das
temperaturas inicial e final do condutor. As tabelas 53 a 57 indicam valores de k para diferentes tipos
de condutores de proteção.
Caso a aplicação da expressão resulte em seções não padronizadas, devem ser utilizados condutores com a
seção padronizada imediatamente superior.
NOTAS
1 O efeito limitador de corrente das impedâncias do circuito e a capacidade limitadora do dispositivo de proteção
devem ser levados em conta no cálculo da seção.
2 Para limitações de temperatura em atmosferas explosivas, ver IEC 60079-0.
3 Os limites de temperatura para os diversos tipos de isolação são dados na tabela 35 (ver também IEC 60724).
Tabela 53 Fator k para condutor de proteção isolado não incorporado a
cabo multipolar e não enfeixado com outros cabos
Isolação
Material do condutor
PVC(*) EPR ou XLPE
Cobre 143/133 176
Alumínio 95/88 116
Aço 52/49 64
(*) O valor mais baixo aplica-se a condutores com seção maior que 300 mm2 .
NOTAS
1 A temperatura inicial considerada é de 30°C.
2 A temperatura final considerada é:
 PVC até 300 mm2 : 160°C;
 PVC maior que 300 mm2 : 140°C;
 EPR e XLPE: 250°C.
Tabela 54 Fator k para condutor de proteção nu em contato com a
cobertura de cabo, mas não enfeixado com outros cabos
Cobertura do cabo
Material do condutor
PVC Polietileno
Cobre 159 138
Alumínio 105 91
Aço 58 50
NOTAS
1 A temperatura inicial considerada é de 30°C.
2 A temperatura final considerada é de 200°C para o PVC e 150°C para o polietileno.
ABNT NBR 5410:2004
© ABNT 2004 Todos os direitos reservados 149
Tabela 55 Fator k para condutor de proteção constituído por
veia de cabo multipolar ou enfeixado com outros cabos
ou condutores isolados
Isolação
Material do condutor
PVC(*) EPR ou XLPE
Cobre 115/103 143
Alumínio 76/68 94
Aço 42/37 52
(*) O valor mais baixo aplica-se a condutores com seção maior que 300 mm2 .
NOTAS
1 A temperatura inicial considerada é de 70°C para o PVC e 90°C para o EPR e o
XLPE.
2 A temperatura final considerada é:
 PVC até 300 mm2: 160°C;
 PVC maior que 300 mm2: 140°C;
 EPR e XLPE: 250°C.
Tabela 56 Fator k para condutor de proteção constituído
pela armação, capa metálica ou condutor concêntrico de um cabo
Isolação
Material do condutor
PVC EPR ou XLPE
Cobre 141 128
Alumínio 93 85
Chumbo 26 23
Aço 51 46
NOTAS
1 A temperatura inicial considerada é de 60°C para o PVC e 80°C para o EPR e o XLPE.
2 A temperatura final considerada é de 200°C para o PVC, EPR e XLPE.
Tabela 57 Fator k para condutor de proteção nu onde não houver risco de que as temperaturas
indicadas possam danificar qualquer material adjacente
Material do condutor
Cobre Alumínio Aço
Condições
Temperatura
inicial
°C
Fator k
Temperatura
máxima
°C
Fator k
Temperatura
máxima
°C
Fator
k
Temperatur
a máxima
°C
Visível e em áreas
restritas 30 228 500 125 300 82 500
Condições normais 30 159 200 105 200 58 200
Risco de incêndio 30 138 150 91 150 50 150
ABNT NBR 5410:2004
150 © ABNT 2004 Todos os direitos reservados
6.4.3.1.3 Em alternativa ao método de cálculo de 6.4.3.1.2, a seção do condutor de proteção pode ser
determinada através da tabela 58. Quando a aplicação da tabela conduzir a seções não padronizadas,
devem ser escolhidos condutores com a seção padronizada mais próxima. A tabela 58 é valida apenas se o
condutor de proteção for constituído do mesmo metal que os condutores de fase. Quando este não for o caso,
ver IEC 60364-5-54.
Tabela 58 Seção mínima do condutor de proteção
Seção dos condutores de fase S
mm2
Seção mínima do condutor de
proteção correspondente
mm2
S £ 16 S
16 < S £ 35 16
S > 35 S/2
6.4.3.1.4 A seção de qualquer condutor de proteção que não faça parte do mesmo cabo ou não esteja
contido no mesmo conduto fechado que os condutores de fase não deve ser inferior a:
a) 2,5 mm2 em cobre/16 mm2 em alumínio, se for provida proteção contra danos mecânicos;
b) 4 mm2 em cobre/16 mm2 em alumínio, se não for provida proteção contra danos mecânicos.
6.4.3.1.5 Um condutor de proteção pode ser comum a dois ou mais circuitos, desde que esteja instalado
no mesmo conduto que os respectivos condutores de fase e sua seção seja dimensionada conforme as
seguintes opções:
a) calculada de acordo com 6.4.3.1.2, para a mais severa corrente de falta presumida e o mais longo tempo
de atuação do dispositivo de seccionamento automático verificados nesses circuitos; ou
b) selecionada conforme a tabela 58, com base na maior seção de condutor de fase desses circuitos.
6.4.3.2 Tipos de condutores de proteção
6.4.3.2.1 Podem ser usados como condutores de proteção:
a) veias de cabos multipolares;
b) condutores isolados, cabos