Aula 04 - Transporte núcleo-citoplasma
5 pág.

Aula 04 - Transporte núcleo-citoplasma

Disciplina:Biologia Geral I171 materiais1.654 seguidores
Pré-visualização5 páginas
4aula
OBJETIVOS \u2022 Conhecer a estrutura do envoltório nuclear.

\u2022 Correlacionar a estrutura do envoltório com sua
dinâmica no ciclo celular.

\u2022 Conhecer a estrutura do complexo do poro.

\u2022 Conhecer as principais características do transporte
entre núcleo e citoplasma.

 Pré-requisitos

Compartimentalização
celular (Aula 15 de Biologia
Celular I).

Filamentos Intermediários
(Aula 22 de Biologia
Celular I).

Controle do ciclo celular
(Aula 1 de Biologia
Celular II).

Divisão celular (Aula 2
de Biologia Celular II).

Transporte núcleo-citoplasma

BIOLOGIA CELULAR II | Transporte núcleo-citoplasma

CEDERJ60

INTRODUÇÃO Você aprendeu na última aula que o envoltório nuclear está encarregado

de estabelecer o limite físico e químico entre os ambientes nuclear e

citoplasmático, além de funcionar como suporte adicional para a própria

organização do genoma durante a intérfase. Seu aparecimento foi um passo

evolutivo importantíssimo porque separou, espacial e temporalmente, a

transcrição da tradução. Se o envoltório é muito útil durante a intérfase, em

contrapartida, pode ser um estorvo durante a mitose, já que é necessário

que os microtúbulos do fuso mitótico possam fazer contato com os

cromossomos. Assim, na maioria dos eucariotos, o envoltório se desarranja

no início da mitose, sendo novamente montado ao redor do genoma nas

células-\ufb01 lhas. Nesta aula, vamos examinar a estrutura do envoltório nuclear,

que permite a segregação entre núcleo e citoplasma, mas também promove

as trocas necessárias entre os dois compartimentos, e que características do

envoltório garantem que ele se rearranje corretamente nas células-\ufb01 lhas.

ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL DO ENVOLTÓRIO NUCLEAR

 O envoltório nuclear (Figura 4.1), também chamado envelope

nuclear ou carioteca, é formado por duas membranas concêntricas

separadas pelo espaço perinuclear e sustentadas no lado nuclear por

estruturas \ufb01 lamentosas. A seguir, descrevemos as principais características

dos componentes do envoltório nuclear.

Figura 4.1: Esquema básico do compartimento nuclear,

mostrando as duas membranas que formam o envelope.

Membrana nuclear

interna

Membrana nuclear

externa

Membrana do

retículo

 Lúmen do retículo

 Lâmina nuclear

 Poros nucleares Espaço perinuclear

Núcleo

Camila
Highlight

Camila
Highlight

Camila
Highlight

Camila
Highlight

Camila
Highlight

Camila
Highlight

Camila
Highlight

Camila
Highlight

CEDERJ 61

A
U

LA

4
M

Ó
D

U
LO

 1

Membrana nuclear externa \u2013 é contínua com o retículo

endoplasmático rugoso, tendo freqüentemente ribossomos aderidos,

capaz, portanto, de sintetizar proteínas.

Espaço perinuclear \u2013 é contínuo com o lúmen do retículo

endoplasmático.

Membrana nuclear interna \u2013 a bicamada lipídica dessa membrana

também é semelhante à do retículo endoplasmático, sendo contínua com

a membrana externa em alguns pontos, porém seus lipídios e proteínas

não se difundem livremente pela membrana externa e pelo retículo.

Por isso, a membrana nuclear interna tem composição especial. Entre

as moléculas mais importantes dessa membrana, destacam-se receptores

que vão ancorar a lâmina nuclear, que está abaixo dela, e moléculas

envolvidas com a homeostase de cálcio (veja boxe).

UM NOVO COMPARTIMENTO: O RETÍCULO NUCLEOPLASMÁTICO

Manter a concentração de cálcio baixa no citoplasma e aumentá-la repentinamente

faz parte dos mecanismos de sinalização celular, como você aprendeu nas Aulas 13 e 14

de Biologia Celular I. O estoque intracelular de cálcio \ufb01 ca no lúmen do retículo, que o

libera quando moléculas de IP3 ligam-se a seus receptores na membrana do retículo.

Muitos eventos intranucleares dependem de sinais de cálcio, mas a regulação desses sinais

ainda não tinha sido descrita. Recentemente, foram observados per\ufb01 s de membrana

contínuos com o envelope nuclear e com o retículo endoplasmático que constituem um

depósito intranuclear de cálcio (Figura 4.2).

Figura 4.2: Célula epitelial marcada com

um traçador \ufb02 uorescente especí\ufb01 co para

retículo endoplasmático, o ER tracker.

A seta aponta um segmento do retículo

nucleoplasmático. (Foto: Echevaria

et al., Nature Cell Biol, 5: 440, 2003.)

Embora seja contínuo com o retículo, a liberação do cálcio desse compartimento não

é regulada pelo retículo, tendo mecanismos independentes. O novo compartimento recebeu

o nome de retículo nucleoplasmático.

Camila
Highlight

Camila
Highlight

Camila
Highlight

Camila
Highlight

Camila
Highlight

Camila
Highlight

Camila
Highlight

BIOLOGIA CELULAR II | Transporte núcleo-citoplasma

CEDERJ62

Lâmina nuclear \u2013 É uma rede de filamentos entrecruzados

(Figura 4.3), classi\ufb01 cados como \ufb01 lamentos intermediários por causa

de sua espessura e características de polimerização e despolimerização

(reveja Aula 22 de Biologia Celular I).

Figura 4.3: Microscopia eletrônica

da lâmina nuclear do ovócito de

Xenopus, preparada por congela-

mento rápido e réplica. (Foto: Ueli

Aebi, J. Cell Biol. 119:1429, 1992.)

Os \ufb01 lamentos da lâmina são formados por proteínas chamadas

laminas (a palavra é assim mesmo, paroxítona quando se refere

às proteínas e proparoxítona quando se refere ao conjunto dos

\ufb01 lamentos). As laminas são expressas nas células de quase todos os

metazoários, com exceção dos fungos e dos vegetais. Nos mamíferos

existem cerca de 60 laminas, que podemos classi\ufb01 car em dois diferentes

grupos: laminas A e B. A lâmina nuclear \ufb01 ca sempre logo abaixo da

membrana nuclear interna, porque um de seus componentes, a lamina

tipo B, está preso a esta membrana por um receptor. Já as laminas do

tipo A têm a\ufb01 nidade pela cromatina interfásica. Reveja o esquema da

Figura 3.5, na aula passada.

As laminas têm um papel importante na manutenção da forma e do

tamanho do núcleo. Isso \ufb01 cou demonstrado com o seguinte experimento:

o gene da lamina B3 de camundongo, que é expresso em espermatócitos,

foi transfectado para células somáticas. Depois da transfecção, as células

somáticas, cujo núcleo era arredondado, passaram a apresentar núcleo

em forma de gancho, característico dos espermatócitos.

As laminas também estão envolvidas em suportar as deformações

que o núcleo sofre quando empurrado pelas outras organelas. Células

mutantes que tiveram os genes de laminas deletados não são mais

capazes de consertar deformações do núcleo, que continua deformado

até a próxima mitose.

TRANSFECTAR
UM GENE

É colocá-lo,
usando recursos
de laboratório, em
uma célula de outro
organismo, ou mesmo
em uma célula do
mesmo organismo,
com o objetivo de
forçar sua expressão.

DELETAR UM GENE

É retirá-lo do genoma
de uma célula, usando
recursos de laboratório,
substituindo-o por
outro não relacionado,
que poderá até ajudar
na seleção das células
que realmente tiveram
o gene deletado.
Já existem técnicas
de laboratório que
impedem que um gene
seja expresso sem que
seja necessário
deletá-lo. Você vai
aprender em Biologia
Molecular.

1 Pm

Camila
Highlight

Camila
Highlight

Camila
Highlight

CEDERJ 63

A
U

LA

4
M

Ó
D

U
LO

 1

Cromatina aderida \u2013 Existe uma camada de heterocromatina logo

abaixo da lâmina que permanece associada ao envoltório nuclear durante

toda a intérfase. Esse posicionamento da cromatina é importante para a

própria organização do genoma e é mantido pela associação das laminas

do tipo A com a cromatina.

Você pode perceber que o posicionamento dos componentes do

envoltório nuclear é mantido pela interação da lâmina com a membrana

interna (através das laminas tipo B) e com a cromatina aderida

(através das laminas tipo A).

Complexos do poro \u2013 O envoltório nuclear possui poros

estruturados que atravessam as duas membranas nucleares, constituindo,

assim, uma comunicação direta entre os ambientes citossólico

e nuclear (Figura 4.4).

Figura 4.4: Esquema simplificado do complexo do poro. Repare que as membranas externa

e interna são contínuas, mas se mantêm isoladas porque proteínas