Buscar

fisiopat 20.04.11

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 6 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 6 páginas

Prévia do material em texto

Alexandra Woods
Fisiopatologia da reprodução, 20 de abril 2011
Teste: 25/05
Hormônios envolvidos na reprodução do macho
O GNRH vai ser produzido e liberado pelo hipotálamo e vai atuar da mesma maneira no macho. Esse GNRH vai agir na adenohipofise assim como na fêmea, estimulando a liberação das gonadotrofinas que são: LH e FSH. 
	Os hormônios são os mesmos, a constituição dos hormônios é a mesma, mas a ação é diferente, com sítios de ação diferente. 
O LH e o FSH vão agir no testículo do macho (gônada).
O LH vai agir nas células de leydig que são as células que ficam no tecido interticial (daí o nome hormônio das células interticiais) estimulando as células de leydig a produzir andrógenos, que é a testosterona. 
O FSH: vai estimular a produção de SPTZ nos túbulos seminíferos. Ele não produz a produção, ele estimula a produção de SPTZ. 
Alem desses hormônios protéicos, no macho temos também a ação de outros 2 hormônios protéicos: inibina e activina. 
Na fêmea, a inibina e a activina eram produzidas nas células da granulosa no ovário. Faziam a regulação do FSH. Aqui é a mesma coisa, vão regular o FSH também, só que o macho não tem célula da granulosa, então quem produz a activina e a inibina são as células de Sertoli, que estão presentes nos túbulos seminíferos e no testículo. Esses hormônios regulam o FSH e conseqüentemente regula a produção de SPTZ indiretamente. 
Esteróides do macho:
Os esteróides importantes na reprodução do macho são: andrógenos, e estrógeno. Macho não tem progestageno ativo, vc não encontra progestageno circulante com atividade no organismo do macho, mas isso não quer dizer que a forma de produção de esteróide tenha mudado. 
Parte do colesterol, vai pra progestágeno que daqui vai para andrógeno e por ultimo estrógeno. Isso não mudou, significa que eu vou ter a passagem por progestágeno, só que não vai ter uma atividade no macho.
O principal hormônio esteróide no macho é o andrógeno, que é mais conhecido como testosterona.
Fora a testosterona, temos com freqüência a diidrotestosterona que é a forma mais potente da testosterona, tem outros como androstenediona e androstenediol, todos com a mesma função, mas hora vc tem um mais presente hora vc tem outro mais freqüente.
Funções do andrógeno: caracteres sexuais secundários. 
Crescimento de pelos no humano, mudança de voz, isso são características do humano, mas que são características da testosterona, crescimento dos órgãos sexuais (crescimento do testículo, que é comum em todas as espécies), musculatura (conformação do animal, forma de deposição da gordura, crescimento muscular diferente, etc.) principalmente de anterior, com pescoço mais pesado, cabeça maior, comportamento do macho (libido é pura testosterona, a agressividade é pura testosterona também, todo macho é mais agressivo que a fêmea que está diretamente relacionado à sobrevivência, instinto). 
Fora isso, a testosterona também é importante na produção de SPTZ. Ela vai participar também no processo de produção do SPTZ. Testosterona estimula a produção de plasma seminal.
(andrógeno = testosterona)
O estrógeno do macho é produzido pelas células de Sertoli. A função sistêmica do estrógeno não é bem definida, não sabe qual a sua função sistêmica, a principio não tem função sistêmica definida, o que se sabe é que ele participa da regulação da produção de SPTZ, mas onde ele encaixa não se sabe, ele está envolvido como um hormônio esteróide, mas não se sabe como ele funciona direito. Não tem ação sistêmica definida como a testosterona. 
A presença do estrógeno presente no macho explica a síndrome de feminilização, pode ter um sertolioma (tumor nas células de Sertoli) que é produtor de estrógeno na maioria das vezes, esse macho passa a ter efeito sistêmico do estrógeno, com isso esse macho desenvolve mama, tem deposição de gordura diferente, que passa a ter caracteres sexuais do estrógeno.
A testosterona se auto-regula. 
O mecanismo da testosterona é feedback. A concentração alta de testosterona inibe o hipotálamo a liberar GNRH, LH e FSH. 
Testosterona baixa estimula a liberação de GNRH, LH e FSH e faz a retro alimentação.
O mecanismo hormonal no macho é muito simples. 
A testosterona produzida pelas células de lydig tem ação local. 
Para a testosterona agir sistemicamente ela se liga ao ABP (proteína ligadora de andrógeno) que é produzida pelas células de Sertoli, que serve pra transportar andrógeno e com isso faz todos os caracteres sexuais secundários.
Quando está aumentada, ela vai inibir a liberação de GNRH, LH e FSH pela adenohipófise. Pra regular a produção espermática temos a activina e a inibina produzida pelas células de Sertoli. Se precisa diminuir a produção espermática a inibina vai e diminui a produção de FSH, e pra aumentar a produção espermática a activina vai e aumenta a produção de FSH.
Mesmo quando não está sendo utilizado ele não para de produzir, ele produz menos, a produção é diária. Se ele usa muito ele produz muito.
Esgotar o animal: monta o animal umas 2 a 3 vezes, que vc elimina o sêmen defeituoso e estimula a produção de novo sêmen. 
Período pós nascimento
	Não produz SPTZ até a fase pré puberal. Toda a infância, período pos nascimento representa uma ausência de SPTZ e também ausência virtual de hormônios (pq vc nunca tem zero total de hormônio) a gonadotrofina e a testosterona são produzidas numa concentração muito basal. 
Passa toda essa fase de infância dele, quando chega o período pré puberal.
2- Pré puberal
	Período que antecede a puberdade. 
	É um pouco difícil de identificar isso. Mas o que vai acontecer no período pré puberal: 
Se eu tinha 0 SPTZ, pouco hormônio, no período pré puberal vai começar tudo, ou seja, hormônio sendo produzido numa concentração um pouco mais alta, testosterona vai começar a agir estimulando o crescimento testícular, e junto com a testosterona tem inicio da produção de SPTZ.
Esse início da produção de SPTZ:
O macho está produzindo pouco SPTZ e com muitos defeitos, mas isso não quer dizer que não emprenhe, pode ocorrer de emprenhar, mas vc não coloca esse animal na reprodução pq ele ainda está na fase pré puberal, e muitos deles não estão preparados pra completar uma cópula. 
3- Puberdade 
E ai ele chega à puberdade.
O que é a puberdade: é quando esse animal é capaz de realizar uma cópula produzindo SPTZ viáveis. 
Mas isso não quer dizer que ele esteja na maturidade dele, ele ainda produz uma [] baixa de SPTZ, ainda produz alguns defeitos no SPTZ.
Ex. vai produzir 1 bilhão de SPTZ, quando ele chega a 1 bilhão e se mantém constante é quando ele atingiu a maturidade dele, mas isso é num animal adulto e não no animal jovem.
No animal agente sabe que a puberdade está relacionada a 70% do peso de adulto em todas as espécies animais. Quando atingir 70% do seu peso adulto ele atinge a puberdade (importante manejo alimentar e genética)
Animal em puberdade pode ser usado na reprodução? pode, só tem que tomar cuidado, porque a puberdade não é a mesma coisa que maturidade. 
Ex. touro de 15 meses na puberdade. Se vc colocar na relação de 1:30 vacas pra ele ele vai ejacular sg pq ele não está maduro ainda, não tem concentração de sêmen suficiente pra isso. Ele tem muito libido (normal pra animal jovem), mas não tem a concentração de SPTZ suficiente pra isso, leva a um quadro de exaustão do animal, ele vai fazer a copula mas não consegue emprenhar todas. 
Vc pode usar um animal na puberdade pra inseminação só que de maneira controlada.
Capacidade de realizar a copula: ninguém aprende sabendo, eles aprendem vendo. Não pode julgar o animal, tem que ensinar ou deixar ele assistir. 
Espermatogênese:
Duração total:
- Garanhão: 57 dias.
- Touro e cão: 61 dias.
- Ovino: 47 dias.
- Suíno: 39 dias.
Leva um tempo pra ficar pronto, é um processo demorado, por isso a importância da termorregulação (ex. febre, picada de inseto) que interrompe a produção espermática leva em torno de 60 dias para retomar a produção normal.
A espermatogênese é dividida em 2 fases:
Espermatocitogenese e espermiogenese
A Espermatocitogeneseé uma fase caracterizada por muita multiplicação e pouca diferenciação. 
A espermiogenese é uma fase apenas de diferenciação, não tem multiplicação na espermiogenese.
Se agente pegar o animal, a espermatocitogenese dura em torno de 40 dias, e a espermiogenese 20 dias. é mais ou menos essa relação.
Espermatocitogenese
Os sptz vão ser produzidos nos túbulos seminíferos onde tem uma célula que nasce com o macho que é a chamada espermatogônia. Essa espermatogônia (2n) é chamada de espermatogonia mãe, que é uma célula indiferenciada que vai dar origem a todas as outras células, é representada graficamente como A1, que é a primeira. 
Essa fase é de muita multiplicação, essa espermatogonia vai se multiplicar, se proliferar, de forma de mitose. Essa A1 vai fazer a primeira mitose e vai dar origem a outras espermatogonias A1, esse é o processo de proliferação dela, essas A1 formadas podem servir para reposição (pq o macho produz todo dia a vida toda), essas espermatogonias periodicamente são repostas, renovadas periodicamente com o tempo. (diferente da fêmea que nasce com os oocitos já prontos)
Essas A1 podem tanto fazer reposição como continuar seu desenvolvimento, isso é aleatório, não sabemos quem comanda isso.
Uma então fez a reposição e a outra vai continuar. A que vai continuar (A1) (2n) vai sofrer uma nova mitose (e não serve mais pra reposição!). Como ela sofre uma leve diferenciação ela passa a se chamar espermatogônia A2.
Essa A2 sofre uma nova mitose, dando origem a espermatogonia A3, que sofreu uma leve diferenciação.
Essa A3 vai fazer nova mitose, dando origem a espermatogônia B1. É B porque é um pouco mais diferenciada. 
A espermatogonia B1 sofre nova mitose dando origem a espermatogônia B2.
Essa espermatogônia B2 sofre uma nova mitose dando origem ao espermatócito primário (ou cito primário ou cito 1 ou espermatócito 1) essa célula continua sendo 2n. É uma diferenciação maior.
Vão começar as meioses. São necessárias 2 meioses para formar o gameta. 
A Cito 1 vai sofrer a meiose I, dando origem ao espermatócito secundário (ou Cito 2) que já é uma célula n. 
O Cito 2 vai fazer a meiose II, dando origem a espermátide.
Aqui acaba a espermatocitogênese, que é influenciada pelo hormônio FSH. Toda essa fase de multiplicação é estimulada pelo FSH. Dá origem a 3 células: espermatogônia, espermatócito I e espermátide.
Espermiogenese
	Na espermiogênese, a espermatide vai se diferenciar em SPTZ, vc não tem divisão, cada espermatide vai se diferenciar em 1 SPTZ. Toda produção acontece da periferia para o centro, quanto mais especializada mais central ela está, porque se ela ficar na periferia o sistema imune vai e lisa o SPTZ.
O SPTZ vai ..........
Como a espermatide vai se diferenciar em SPTZ:
É uma célula com núcleo e vai se diferenciar em SPTZ: 
1- condensação do núcleo: o núcleo se espreme pra caber na cabeça do SPTZ. 
2-o complexo de golgi vai migrar para o ápice da cabeça do sptz formando o acrossoma (chapeuzinho na cabeça do SPTZ). O acrossoma está envolvido no processo de fecundação. 
3-a cauda vem do citoesqueleto da própria espermátide. Esse citoesqueleto se modifica, se diferencia para formar o citoesqueleto da cauda do SPTZ. 
1 par de microtubulos central ligados a 9 microtubulos periféricos. Essa ligação é como um “braço” que é uma proteína chamada dineína, então ele fica ligado por pontes de dineína. Importância disso: os microtubulos precisam deslizar, e a dineina da a sustentação pro SPTZ deslizar. 
Esse citoesqueleto se chama axonema. (esqueleto da cauda do SPTZ): 1 par de microtubulos central ligados a 9 microtubulos periféricos ligados pela dineína.
Em volta do axonema tem uma sustentação, que são chamadas fibras densas, que é como se fosse uma “amarra” ali. As fibras densas sustentam o axonema.
Em volta das fibras densas tem uma cápsula fibrosa, que funciona sustentando esse axonema. 
Só quem faz a movimentação são os microtubulos e o axonema.
Mitocôndrias:
As espermatides têm muitas mitocôndrias. Essas mitocôndrias vão se posicionar logo abaixo da cabeça do SPTZ no inicio da cauda, formando uma estrutura chamada de bainha de mitocôndria (ou bainha mitocondrial).
Função: fornecer energia. 
Isso faz com que possamos dividir a cauda em 3 porções: 
- Peça intermediária (onde está a bainha de mitocôndria)
- Peça principal (maior parte)
- Peça final (o finalzinho da cauda)
Sobrou o citoplasma não tem utilidade para o SPTZ, então o citoplasma vai ser expulso. Essa expulsão ocorre sobre forma de bolinha, uma “gota” que se posiciona em cima da bainha de mitocôndria (gota citoplasmática) que fica em cima da bainha mitocondrial que ser ve para não dispercar energia porque ele está no testículo e não tem motilidade porque a gota está em cima, mas na fêmea o SPRZ tem que ter perdido essa gota. Então na fêmea (no sêmen ejaculado não pode ter gota porque é patológico).
 
A testosterona que faz esse processo de diferenciação na espermiogênese.
Obs: A membrana plasmática do SPTZ acompanha toda essa modificação.
A cabeça do SPTZ é achatada 
A morfologia e o tamanho do SPTZ variam de espécie para espécie. 
A cabeça do SPTZ do touro: é “achatada do lado” e cauda longa.
Pequeno ruminante: igual do touro mas menor.
Cavalo: muito pequeno, parece muito com do cão.
Suíno: cauda um pouco menor que do touro, e a cabeça é redonda.
SPTZ saiu do testículo pronto
Maturação epididimária
Quando o SPTZ passa pelo epidídimo essa gota citoplasmática migra para o fim da cauda, ele vai migrando gradativamente para meio do corpo, meio final do corpo, e no final da cauda. 
Por isso que se vc puncionar o testículo, vc vai ter que pegar o SPTZ, colocar dentro do oócito e ai ele fecunda. Ou então vc vai ter que centrifugar o SPTZ pra ele perder a gota, ganhar motilidade para poder então entrar no oócito.
Se eu usar o macho muito (sobre uso do animal) acelerado a primeira coisa que acontece é a presença de gota, porque não teve tempo de maturação (no transito epididimário).