A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Análise - Poema Presságio

Pré-visualização | Página 1 de 1

Presságio
Fernando Pessoa
 
 O AMOR, quando se revela,
 Não se sabe revelar.
 Sabe bem olhar p'ra ela,
 Mas não lhe sabe falar.
 
 Quem quer dizer o que sente
 Não sabe o que há de dizer.
 Fala: parece que mente...
 Cala: parece esquecer...
 
 Ah, mas se ela adivinhasse,
 Se pudesse ouvir o olhar, 
 E se um olhar lhe bastasse
 P'ra saber que a estão a amar!
 
 Mas quem sente muito, cala;
 Quem quer dizer quanto sente
 Fica sem alma nem fala,
 Fica só, inteiramente!
 
 Mas se isto puder contar-lhe
 O que não lhe ouso contar,
 Já não terei que falar-lhe
 Porque lhe estou a falar...
Este trabalho tem como objetivo analisar o poema Presságio do autor Fernando Pessoa, que está no livro Fernando Pessoa - Obra Poética – Inéditas, publicado no ano de 1972 pela Editora Cia José Aguilar. Analisaremos este poema quanto a sua estrutura: versos, rimas, ritmos, métrica e figuras de linguagem.
O poema em análise tem como tema o amor e, a partir das estrofes, é possível verificar como o eu lírico tem a dificuldade em expressar seus sentimentos, bem como se declarar á pessoa amada:
		O AMOR, quando se revela,
 		Não se sabe revelar.
 		Sabe bem olhar p'ra ela,
 		Mas não lhe sabe falar. (1-4).
Neste poema, Pessoa demonstra o quão perturbador pode se tornar um apaixonado por não saber agir de acordo com seus sentimentos. Na segunda quadra o sujeito poético aparenta está em total desespero, não sabe se fala ou se cala. Se o apaixonado se declara, a pessoa amada pode interpretá-lo como um exagerado, mas se os sentimentos não forem declarados, o eu poético pode ser considerado como uma pessoa sem sentimentos:
Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer... (5-8).
Na terceira quadra o sujeito poético deseja que sua amada o entenda, que perceba o quanto ele a ama sem ele precisar dizer uma palavra:
		Ah, mas se ela adivinhasse,
 		Se pudesse ouvir o olhar, 
 		E se um olhar lhe bastasse
 		P'ra saber que a estão a amar! (9-12).
Fernando Pessoa era um escritor modernista, portanto o poema Presságio é classificado como um quarteto: total de vinte versos, organizados em cinco estrofes de quatro versos. O poema também é marcado por pontuações: vírgulas, ponto parágrafo, reticências e exclamação, ditando um ritmo pausado.
É possível observar a presença de alguns recursos estilísticos presentes no poema, como a antítese, anáfora, assonância e sinestesia. O autor usa – se da antítese para evidenciar a oposição que há entre sentir o amor e declará - lo á pessoa amada: “Fala: parece que mente.../ Cala: parece esquecer...” (7-8).
Encontramos a anáfora nos versos 7, 8, 15 e 16: “Fala: parece que mente.../ Cala: parece esquecer...” (7-8). “Fica sem alma nem fala/ Fica só, inteiramente!” (15-16).
Evidenciando a confusão de sentimentos do eu poético, o autor recorreu à sinestesia no 10º verso: “Se pudesse ouvir o olhar”. Assim como a conjunção adversativa, que se fez presente em quase todas as estrofes do poema: “Mas quem sente muito, cala” (13), “Mas se isto puder contar-lhe” (17). Com a assonância podemos perceber certa musicalidade no poema, destacamos os versos 9 a 12 para exemplificar: 
		 Ah, mas se ela adivinhasse,
 		Se pudesse ouvir o olhar, 
 		E se um olhar lhe bastasse
 		P'ra saber que a estão a amar!
Ao analisar este poema, percebemos que o mesmo fala de amor, não da parte linda do sentimento, ao contrário, foi mostrado como o amor pode ter suas complicações. Embora o amor seja um sentimento puro e genuíno o eu poético se mostrou perturbado e confuso, incapaz de demonstrar seu amor à pessoa amada.