Instalações Elétricas - NBR 14039(2005) - Instalações Elétricas De Média Tensão De 1 0 kV A 36 2 kV - Comentada
241 pág.

Instalações Elétricas - NBR 14039(2005) - Instalações Elétricas De Média Tensão De 1 0 kV A 36 2 kV - Comentada

Disciplina:INSTALAÇÕES ELÉTRICAS713 materiais10.402 seguidores
Pré-visualização50 páginas
protegidas tenham conhecimento ou informação suficientes dos perigos que a eletricidade – em
média tensão – podem oferecer, ela só pode ser utilizada em locais com acesso exclusivo de pessoas
BA4 (advertidas) e BA5 (qualificadas). Considerando também a NR-10, além de BA4 e BA5, as
pessoas devem ser ainda autorizadas formalmente pela empresa.

Um aspecto muito importante, e que aliás diferencia a especificação da medida em baixa e média
tensão, é que o obstáculo tem medidas máximas de abertura de 20 mm, definidas nas tabelas 19 e 20
da norma. Normalmente, são usados como obstáculos em média tensão anteparos fabricados com
telas que devem ter abertura da malha máxima de 20 mm. As dimensões da abertura do obstáculo
são apresentadas na figura 5 C:

Figura 5 C

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

Outro aspecto importante é a dimensão mínima do obstáculo, também definida nas tabelas 19 e 20 da
norma. A mínima dimensão vertical do obstáculo é de 1400 mm, sendo instalado de tal forma que o
vão livre entre o obstáculo e o piso seja de, no máximo, 300 mm para instalações internas e 600 mm
para instalações externas – também definidos nas tabelas 19 e 20.

A dimensão horizontal do obstáculo deve impedir o acesso à parte viva. As dimensões do obstáculo e
a sua instalação são apresentadas na figura 6C:

Figura 6 C

Voltar para a Norma

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

Voltar para a Norma

ITEM DA NORMA

5.1.1.4 Proteção parcial por colocação fora de alcance

COMENTÁRIO 5.1.1.4.C

A proteção parcial por colocação fora de alcance é destinada somente ao impedimento dos contatos
involuntários com as partes vivas, não impedindo o contato direto por ação deliberada.

Dado que esta medida é parcial, ou seja, para a sua eficácia é necessário que as pessoas a serem
protegidas tenham conhecimento ou informação suficientes dos perigos que a eletricidade – em
média tensão – podem oferecer, ela só pode ser utilizada em locais com acesso exclusivo de pessoas
BA4 (advertidas) e BA5 (qualificadas). Considerando também a NR-10, além de BA4 e BA5, as
pessoas devem ser ainda autorizadas formalmente pela empresa.

A proteção por colocação fora de alcance pode ser aplicada como medida de proteção total no
exterior de edificações, como linhas aéreas utilizando condutores nus ou protegidos. Nesta situação,
ela pode ser aplicada em locais de acesso de pessoas comuns BA1.

Especificações de linhas aéreas não estão na NBR 14039, mas na NBR 5433 - Redes de distribuição
aérea rural de energia elétrica, e NBR 5434 - Redes de distribuição aérea urbana de energia elétrica.
Portanto, no caso de utilização das linhas aéreas, estas devem estar em conformidade com a
NBR 5433 ou NBR 5434, conforme o local de aplicação.

As linhas aéreas realizadas no interior dos edifícios que não são reservados aos eletricistas devem
ser realizadas com cabos isolados ou linhas pré-fabricadas (condutores nus sob proteção metálica –
busway).

No caso da proteção por colocação fora de alcance aplicada na parte da instalação acessível
exclusivamente às pessoas BA4 ou BA5, ela só pode ser aplicada isoladamente no sentido vertical.
As tabelas 19 e 20 definem a altura mínima que devem ter as partes vivas nos locais de circulação de
pessoas. Esta altura, que está representada pela letra B das figuras 7b e 8, deve ser de, no mínimo,
2700 mm para as instalações interiores, e 4000 mm para as instalações exteriores. Quando a altura
não for suficiente, devem ser colocados obstáculos abaixo dos condutores nus, como mostram as
figuras 7a e 8. No sentido horizontal, o uso da medida parcial por colocação fora de alcance deve ser
complementada pela interposição de obstáculos, como mostram as figuras 7 e 8. No sentido
horizontal, é necessário sempre prever a interposição de obstáculos entre as pessoas e as partes
vivas.

Voltar para a Norma

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

Voltar para a Norma

ITEM DA NORMA

Figura 7 - Espaçamento para instalações internas
 a) Circulação por um lado

 b) Circulação por mais de um lado

Figura 8 - Espaçamento para instalações externas ao nível do piso

COMENTÁRIO F.7.C E F.8.C

Estas figuras fornecem as diretrizes para o projeto e execução das instalações de média tensão onde
o acesso é exclusivo a pessoas BA4 e BA5. São também conhecidas como cabines primárias.

Interpretação das figuras:

Nas figuras 7 e 8, os traços cheios indicam uma parte viva, que é definida na NBRIEC60050-826
como condutor ou parte condutora destinada a ser energizada em condições de uso normal, incluindo
o condutor neutro, mas, por convenção, não incluindo o condutor PEN.

A tabela 22 apresenta os valores máximos de tensão de contato limite, que são em corrente alternada
60 Hz 25 V para instalações externas e 50 V para instalações internas. Logo, é considerada parte viva
toda parte condutora que puder atingir, em condição normal de operação, sem defeito, um potencial
superior a estes.

São exemplos de partes vivas:

? cabos, barramentos ou acessórios (partes vivas) expostas;
? partes de instalações em que aterramentos ou malhas tenham sido removidas;
? terminações capas de cabos (se puderem levar a potenciais perigosos);
? enrolamentos de máquinas elétricas e transformadores;
? terminais de chaves seccionadoras, disjuntores e outros dispositivos de manobras.

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

Figura 7 C

Voltar para a Norma

parte viva

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

Voltar para a Norma

ITEM DA NORMA

5.1.2 Proteção contra contatos indiretos

COMENTÁRIO 5.1.2.C

As partes condutoras expostas dos componentes da instalação elétrica, acessados sem que seja
necessário desmontar o componente, e que não fazem parte do circuito elétrico deste componente,
são separadas das partes vivas pela "isolação básica". Falhas nesta isolação tornarão vivas as partes
condutoras expostas do componente.

Denomina-se contato indireto o toque de uma parte metálica, normalmente não energizada de um
aparelho elétrico, que foi tornada viva por uma falha da isolação. Devem ser adotadas medidas para
proteção contra esse risco.

A proteção contra choque elétrico por contato indireto é o conjunto de prescrição que visa impedir que
apareça na instalação uma tensão de contato que possa resultar em risco de efeito fisiológico
Edilson Toshio Ito fez um comentário
  • Não amigo está correto. É a de 2005. Veja Emenda 1 e prefácio. pág.239 ao final do pdf.
    0 aprovações
    boateng fez um comentário
  • ta errado essa porra, nao é de 2005 e sim de 2003
    0 aprovações
    Carregar mais