Instalações Elétricas - NBR 14039(2005) - Instalações Elétricas De Média Tensão De 1 0 kV A 36 2 kV - Comentada
241 pág.

Instalações Elétricas - NBR 14039(2005) - Instalações Elétricas De Média Tensão De 1 0 kV A 36 2 kV - Comentada

Disciplina:Instalações Elétricas1.314 materiais13.591 seguidores
Pré-visualização50 páginas
perigoso para as pessoas (ver IEC/TR 60479-1). Esta tensão de contato pode aparecer na massa dos
equipamentos ou nos elementos condutores estranhos à instalação, devido a um defeito de
isolamento.

Voltar para a Norma

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

Voltar para a Norma

ITEM DA NORMA

5.1.2.1.1 Aterramento
As massas devem ser ligadas a condutores de proteção nas condições especificadas em 4.2.3 para
cada esquema de aterramento. Massas simultaneamente acessíveis devem ser ligadas à mesma
rede de aterramento individualmente, por grupos ou coletivamente.

COMENTÁRIO 5.1.2.1.1.C

Veja “Eletrodo de aterramento”, item 6.4.2.2.C.

Voltar para a Norma

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

Voltar para a Norma

ITEM DA NORMA

5.1.2.2 Seccionamento automático da alimentação
O seccionamento automático da alimentação destina-se a evitar que uma corrente se mantenha por
um tempo que possa resultar em sobreaquecimento na instalação. Esta medida de proteção requer a
coordenação entre o esquema de aterramento adotado e as características dos condutores de
proteção e dos dispositivos de proteção. Os princípios básicos desta medida são aqueles
apresentados em 5.1.2.2.1. Os meios convencionais para satisfazer estes princípios estão descritos
em 5.1.2.2.4 e 5.1.2.2.5, conforme o esquema de aterramento.

COMENTÁRIO 5.1.2.2.C

Em instalações elétricas de média tensão, a proteção contra choque elétrico por contato indireto não
se faz pelo seccionamento automático da alimentação. Neste tipo de instalação, o que garante a
eficácia da proteção é a tensão de contato máxima do eletrodo de aterramento.

A prescrição fundamental para a proteção contra choque elétrico por contato indireto é que a tensão
de contato, em qualquer ponto da instalação, não deve ser superior à tensão admissível, que é dada
pela curva da figura 7 C, localizada no anexo da norma.

Para satisfazer a esta regra, as massas devem ser ligadas ao eletrodo de aterramento da instalação
através de condutores de proteção nas condições especificadas para cada esquema de aterramento.
A proteção contra choque elétrico por contato indireto em média tensão somente é assegurada pela
realização de uma ligação equipotencial, que deve compreender todos os elementos condutores
simultaneamente acessíveis, sejam massas de equipamentos ou elementos condutores estranhos à
instalação. Além disso, ela deve incluir, sempre que possível, as armaduras principais de concreto
armado utilizadas na construção da edificação.

Como pode ser visto na figura 7 C, a máxima tensão de contato a que uma pessoa pode ser
submetida indefinidamente (para tempos da ordem de 10 s) é 25 V em instalações externas e 50 V
em instalações internas. Um eletrodo de aterramento que garanta uma tensão de contato inferior a
estes valores pode ser anti-econômico, e, em algumas situações, impossível de se construir.

 No caso de utilização dos esquemas de aterramentos onde um ponto da alimentação é aterrado -
normalmente o neutro -, o circuito deve ser seccionado automaticamente da alimentação, quando
uma falha de isolação aparece neste circuito ou nos equipamentos alimentados por este circuito. O
objetivo deste seccionamento é permitir ao eletrodo de aterramento (malha de terra) uma maior
tensão de contato devido a um menor tempo de exposição a este potencial. Este critério, que é
admitido em normas de vários países, permite ao projetista do eletrodo de aterramento obter um
projeto seguro a um custo razoável.

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

 O tempo total de eliminação do defeito deve ser compatível também com a suportabilidade térmica
dos componentes submetidos à corrente de defeito. Para o cálculo do tempo total de eliminação de
um defeito, é necessário verificar a seguinte soma:
? o tempo de funcionamento do dispositivo de detecção (relé de proteção), aumentado da

temporização que lhe é associada para assegurar a seletividade ou evitar os disparos
intempestivos durante os regimes transitórios;

? o tempo de funcionamento do dispositivo de interrupção (disjuntor).

Figura 8 C – Duração máxima da tensão de contato presumida
(L para a situação 1 e Lp para a situação 2)

Voltar para a Norma

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

Voltar para a Norma

ITEM DA NORMA

5.1.2.2.3 Esquema TNx
Em um esquema TNx todo defeito de isolamento é um curto-circuito fase/neutro. Quando a proteção é
assegurada por dispositivos de proteção contra sobreintensidade, a avaliação da corrente de curto-
circuito mínima é necessária, a fim de verificar as condições de funcionamento destes dispositivos.

COMENTÁRIO 5.1.2.2.3.C

Em um esquema TN, todo defeito de isolamento é um curto-circuito fase neutro, sendo pois permitido
que a detecção dos defeitos sejam efetuadas por dispositivos de proteção contra as sobrecorrentes
instaladas em todos os condutores de fase.

Como o dispositivo tem que atuar para qualquer curto-circuito fase neutro, neste caso, é obrigatória a
verificação da atuação dos dispositivos para a corrente de curto-circuito mínima.

O cálculo da corrente de curto-circuito mínima deve considerar a impedância do percurso da corrente
de falta, incluindo a fonte, os condutores de fase em defeito e o condutor de proteção. Para permitir
este cálculo, o condutor de proteção deve, em princípio, caminhar ao lado dos condutores de fase
sem interposição de elementos ferromagnéticos (armaduras, telas), ou fazer parte do mesmo
eletroduto.

Voltar para a Norma

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

Voltar para a Norma

ITEM DA NORMA

5.1.2.2.4 Esquemas TTx

Nos esquemas TTx a corrente de defeito é limitada por:

a) as resistências de tomadas de terra e do neutro, esta última aumentada ao valor da
resistência de limitação podendo ser inserida entre o ponto neutro e o terra;

b) a resistência das ligações eventuais, utilizadas por interconexão das massas e das tomadas
de terra. Mesmo que a corrente do primeiro defeito seja importante, não é permitido que sua
detecção seja assegurada por dispositivos de proteção contra sobrecorrentes; com efeito, seu
funcionamento é dificilmente verificável. Por outro lado a detecção de pequenas correntes de
fuga resultante de uma degradação lenta da isolação não é possível com esses dispositivos cujo
limiar de funcionamento é muito elevado (muitas vezes
Edilson Toshio Ito fez um comentário
  • Não amigo está correto. É a de 2005. Veja Emenda 1 e prefácio. pág.239 ao final do pdf.
    1 aprovações
    boateng fez um comentário
  • ta errado essa porra, nao é de 2005 e sim de 2003
    0 aprovações
    Carregar mais