Instalações Elétricas - NBR 14039(2005) - Instalações Elétricas De Média Tensão De 1 0 kV A 36 2 kV - Comentada
241 pág.

Instalações Elétricas - NBR 14039(2005) - Instalações Elétricas De Média Tensão De 1 0 kV A 36 2 kV - Comentada

Disciplina:INSTALAÇÕES ELÉTRICAS713 materiais10.402 seguidores
Pré-visualização50 páginas
ITEM DA NORMA

6.2.11.4.8 Os poços de inspeção devem ser construídos em alvenaria ou material equivalente, ter
resistência e drenagens adequadas e dispor de tampa superior resistente à carga a que pode ser
submetida.

COMENTÁRIO 6.2.11.4.8.C

Nos poços onde o cabo possa ser retirado, para que o cabo possa ser manipulado com segurança,
recomenda-se que a dimensão mínima, no sentido de passagem do cabo, seja de 4 vezes o raio de
curvatura do cabo.

Voltar para a Norma

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

Voltar para a Norma

ITEM DA NORMA

6.2.11.7.1 Definição
Os barramentos blindados devem ser utilizados exclusivamente em instalações não embutidas,
devendo ser previstas as possibilidades de impactos mecânicos e de agressividade do meio
ambiente.
O invólucro deve ser solidamente ligado à terra e ao condutor de proteção, em toda sua extensão, por
meio de condutor contínuo, acessível e instalado externamente.
Quando instalado em altura menor ou igual a 2,50 m, o invólucro não pode ter aberturas ou orifícios.
Acima desse nível, são permitidos invólucros vazados, desde que não haja a possibiidade de contato
acidental.
Quando instalado em ambiente sujeito a poeiras ou material em suspensão no ar, o invólucro deve
ser do tipo hermético.

COMENTÁRIO 6.2.11.7.1.C

Quando instalados em locais acessíveis a pessoas BA1, o barramento deve ser colocado dentro de
invólucro IP3x. Em locais acessíveis somente a pessoas BA4 e / ou BA5, deve-se seguir as regras de
5.1.1.3 ou 5.1.1.4.

Voltar para a Norma

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

Voltar para a Norma

ITEM DA NORMA

6.3.3.1 Disposições gerais
Os disjuntores e as chaves seccionadoras sob carga devem ser operados em uma única tentativa por
pessoas advertidas (BA4) e/ou qualificadas (BA5), conforme tabela 12.

COMENTÁRIO 6.3.3.1.C

Este item da norma proíbe o acionamento de disjuntores por pessoas comuns, como por exemplo, um
vigilante (a menos que este vigilante seja uma pessoa qualificada ou advertida em média tensão).

Vale a pena lembrar que entende-se por pessoa qualificada ou advertida, de acordo com tabela 12:

? Advertidas são pessoas suficientemente informadas ou supervisionadas por pessoas qualificadas,
de modo a lhes permitir evitar os perigos que a eletricidade pode apresentar. São exemplos de
pessoas advertidas: pessoal de manutenção e / ou operação, trabalhando em locais de serviço
elétrico;

? Qualificadas são pessoas que têm conhecimentos técnicos ou experiência suficiente para lhes
permitir evitar os perigos que a eletricidade pode apresentar. São exemplos de pessoas
qualificadas: engenheiros e / ou técnicos, trabalhando em locais de serviço elétrico fechados.

Voltar para a Norma

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

Voltar para a Norma

ITEM DA NORMA

6.3.3.3 Seleção dos dispositivos de proteção contra curtos-circuitos
A proteção contra curtos-circuitos deve ser assegurada por dispositivos que interrompam a corrente
quando um condutor ao menos é percorrido por uma corrente de curto-circuito, a interrupção
intervindo em um tempo suficientemente curto para que os condutores não sejam danificados.

COMENTÁRIO 6.3.3.3.C

O aquecimento de um condutor durante um curto-circuito ocorre em um tempo muito curto, e o
modelo termodinâmico usado para descrever este processo é o de um regime adiabático. No regime
adiabático não há troca de calor com o meio externo, ou seja, todo o calor gerado pela passagem da
corrente de curto-circuito no condutor, pelo efeito Joule, é destinado ao aumento da temperatura do
condutor. Neste regime, o modelo matemático mais usado para representar o fenômeno é a integral
de Joule.

Como todo o calor gerado destina-se somente ao aumento de temperatura do condutor, os
parâmetros que influenciam este modelo são somente os parâmetros dos condutores, não
influenciando em nada os parâmetros do material isolante ou de outros materiais usados no
revestimento do cabo.

No caso de condutores comerciais, as seções são padronizadas e o material condutor é definido
(cobre ou alumínio). Logo, para uma dada seção de um condutor de um dado material, a integral de
Joule para levar o cabo de uma temperatura inicial a uma temperatura final é constante. É importante
ressaltar que esta constante depende exclusivamente das características físicas do material condutor
e das temperaturas inicial e final.

Para os produtos comerciais, as temperaturas inicial e final do condutor estão vinculadas a um tipo de
material isolante, ou seja, a temperatura inicial de curto-circuito é a temperatura de regime normal, e a
temperatura final é a temperatura de curto-circuito para o isolante.

Isto ocorre pois, estando em contato intimo com o isolante após o evento do curto-circuito, o condutor
troca calor com o isolante, esfriando o condutor e aquecendo o isolante. Estas temperaturas estão
definidas nas normas do cabo, e estão relacionadas com a vida útil dos condutores. Para cada tipo de
isolação há uma temperatura de regime e uma temperatura de curto-circuito.

A integral de Joule, necessária para aquecer o condutor desde a temperatura máxima para serviço
contínuo até a temperatura limite de curto-circuito, no regime adiabático, pode ser indicada pela
seguinte expressão:

NBR 14039:2005 - Edição Comentada

Copyright 1995/2004 – Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Av. Alfredo Egidio de Souza Aranha, 75 – 2º andar – CEP: 04726-170 – São Paulo – SP - Tel.: (11) 5641-4655 – Fax: (11) 5641-4750
Site: www.target.com.br E-mail: target@itarget.com.br

∫ t0 2i k dt = k2 S2
, onde:

k = 115 para condutores de cobre com isolação de PVC;
 135 para condutores de cobre com isolação de EPR ou XLPE;
 74 para condutores de alumínio com isolação de PVC;
 160 para condutores de cobre nús;
 87 para condutores de alumínio com isolação de EPR ou XLPE;
 104 para condutores de alumínio nús;

115 para as emendas soldadas a estanho nos condutores de cobre, correspondendo a uma
 temperatura de 160oC ;

S = a seção do condutor (mm2);
iK = a corrente de curto-circuito presumido (A);
t = a duração do curto-circuito (s).

A regra geral de proteção contra sobrecorrente, e em particular para os fusíveis, pode ser indicado
pela seguinte expressão:

i2
0

t∫ dt ≤ k2 S2
Para o caso da média tensão onde os curtos-circuitos são interrompidos por disjuntores sempre na
passagem pelo zero da curva de corrente, e também no caso de disjuntores, a duração se aproxima
da faixa 0,1 s ≤ t ≤ 5 s. Pode-se escrever a regra geral pela seguinte expressão particular:

I2 . t ≤ k2 S2

ou

2. 


≥
I
Skt

ou

k
tIS .≥

, onde:

I é a corrente de curto-circuito presumida simétrica (A);
t é a duração (s).

Os cabos podem ter suas conexões executadas com solda ou por meio de conectores. No caso do
uso da solda de estanho-chumbo, as suas características mecânicas começam
Edilson Toshio Ito fez um comentário
  • Não amigo está correto. É a de 2005. Veja Emenda 1 e prefácio. pág.239 ao final do pdf.
    0 aprovações
    boateng fez um comentário
  • ta errado essa porra, nao é de 2005 e sim de 2003
    0 aprovações
    Carregar mais