246_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006
1 pág.

246_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006

Disciplina:CLIMATOLOGIA1.213 materiais17.054 seguidores
Pré-visualização1 página
METEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA
Mário Adelmo Varejão-Silva

Versão digital 2 – Recife, 2006

232

Esta é outra forma da conhecida equação psicrométrica, onde γ* = pcpa/0,622 LE é o
parâmetro psicrométrico o qual, geometricamente falando, traduz a inclinação da linha que re-
presenta o processo de umidificação isobárica em um diagrama de coordenadas T, e (Fig.
IV.1). Desenvolvendo VI.7.2, encontra-se:

T + e/γ* = T ' + eS'/γ* = TE, (VI.7.3)
revelando que a temperatura equivalente isobárica (TE) é um invariante e, como tal, serve para
caracterizar uma parcela de ar úmido.

Para que se faça uma idéia clara da utilidade da temperatura equivalente isobárica,
basta verificar que a variação do calor total do sistema, também chamado de entalpia (H), é
dada pela soma das variações observadas no calor sensível (∆C) e no calor latente (∆L) que
nele ocorrem. Evidentemente, por unidade de volume

∆C = ρcpa(T – T ') (VI.7.4)
∆L = ρ (qS '– q) LE = (ρ cpa/γ*)(eS' – e). (VI.7.5)

Então, a variação de entalpia (∆H) corresponde a:
∆H = ρ cpa (T – T ') + (ρ cpa/γ*)(eS' – e)
ou

∆H = ρ cpa (T + e/γ*) – ρ cpa(T ' + eS'/γ*).

Tendo em vista a relação VI.7.3, vê-se que:

∆H = ρ cpa(TE – TE'). (VI.7.6)

Comparando as expressões VI.7.6 e VI.7.4 infere-se que a temperatura equivalente iso-
bárica (TE) está relacionada à variação de entalpia (calor sensível e latente) do mesmo modo
que a temperatura (T) está relacionada à variação de calor sensível (Monteith, 1975).

Ao contrário da temperatura real (T), a temperatura equivalente isobárica (TE) não pode
ser determinada com termômetros. Trata-se de uma temperatura fictícia: um parâmetro que
tem dimensões de temperatura (K).

8. Desumidificação pseudo-adiabática.

Imagine-se a seguinte seqüência de processos à qual é submetida uma parcela de ar
úmido, cujas condições iniciais sejam po, To, qo (eqüivalentes a θ, qo):

1o - expansão adiabática até que se torne saturada, passando às condições p, T, qS = qo
(equivalentes a θ, qS = qo). Note-se que qS = qo porque a saturação ocorre sem
acréscimo de vapor d'água; apenas por resfriamento;