247_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006
1 pág.

247_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006


DisciplinaClimatologia1.934 materiais34.632 seguidores
Pré-visualização1 página
METEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA
Mário Adelmo Varejão-Silva
Versão digital 2 \u2013 Recife, 2006
233
2o - Expansão pseudo-adiabática, até ficar absolutamente isenta de umidade, assumindo
as condições p1, T1, qS = 0 (nesta etapa, todo produto de condensação abandona a
parcela);
3o - Compressão adiabática (do ar já seco), até atingir o nível de pressão de 1000 mb.
Como a desumidificação é total, admite-se que todo o calor latente liberado seja usado
para aquecer o ar seco (o que resta na parcela). Na prática, ignora-se a fração da energia que
é transferida para fora da parcela via precipitação. Em decorrência do calor latente liberado, o
ar seco terá, ao atingir o nível de 1000 mb expandindo-se adiabaticamente, uma temperatura
superior à potencial (\u3b8), que é chamada pseudotemperatura potencial equivalente (\u3b8SE). O in-
cremento que se verifica na temperatura potencial é obtido da equação V.5.13, ou seja:
ds = cpa d\u3b8/\u3b8 = \u2013 LE dqS/T. (i)
A integração desta equação não pode ser feita diretamente, por não se conhecer a rela-
ção funcional entre a temperatura potencial e a umidade específica saturante (qS). Normal-
mente, a integração é efetuada de modo aproximado, assumindo a seguinte simplificação:
dqS/T = d(qS/T). (ii)
Note-se que, sendo
d(qS/T) = dqS/T \u2013 qSdT/T 2,
ao se desprezar o último termo não está sendo cometido um erro grande. De fato, qs é peque-
no (na pior das hipóteses, da ordem de 0,04) e T 2 é relativamente grande (pois a temperatura
é dada em graus absolutos). Hess (1959) afirma que, para T da ordem de 237 K, dqS/T é cerca
de 14 vezes maior do que qSdT/T 2 e, ainda, que essa proporção se mantém elevada em toda a
atmosfera. Introduzindo a simplificação proposta (ii), na equivalência anterior (i) verifica-se
imediatamente que:
cpa d(ln\u3b8) = \u2013 LE d(qS/T).
Integrando entre os limites inicial (\u3b8, qS = qo) e final (\u3b8SE, qS = 0), encontra-se, aproximada-
mente:
ln(\u3b8SE/\u3b8) = LE qS/(cpaT )
ou seja, 
\u3b8SE = \u3b8 exp[LE qS /(cpaT)]. (VI.8.1)
Analogamente,
TSE = T exp[LE qS/ (cpaT)], (VI.8.2)
em que TSE é chamada pseudotemperatura equivalente. Fisicamente, TSE representa a tempe-
ratura que a parcela assumiria ao retornar adiabaticamente ao nível original de pressão, depois