ok diagnostico 03.05.11
12 pág.

ok diagnostico 03.05.11

Disciplina:Diagnóstico Patológico Por Análise De Imagem11 materiais32 seguidores
Pré-visualização4 páginas
do animal eu vou avaliar desde a cavidade oral pra ver se não tem esofagite (que também faz o animal engolir aquele sangue e ter melena), vou avaliar todo o tubo, uma lesão esofágica, sangramento de esôfago vai pro estomago, etc. e ai realmente minha emese está vindo de tubo, vou procurar onde está, não necessariamente é estomago, pode ser intestino, e é muito mais provável que seja intestino do que estomago.

O estomago deve ser inflado para poder avaliar as pregas. É difícil não encontrar no cão umas lesões. Geralmente vc vai encontrar num animal que não tem nada de sinal clínico essas lesões, são poucas. Vc não vai encontrar nunca uma mucosa igual a outra.

Característica do cão: às vezes ele vomita e não tem nada. É o mecanismo de defesa dele. Os animais antigamente comiam vísceras, vísceras em putrefação, então o animal de vez em quanto vomita, e vc encontra um pontinho de erosão, mas é normal não tem nada a ver com o problema do cachorro.

Endoscopia do trato gastrointestinal
- exame direto da mucosa
- técnica pouco invasiva
- obtenção de amostras

Localização do problema
	Diagnostico diferencial
- alterações metabólicas:
. doença hepática
. doença renal
. alteração hormonal
- dieta
- parasitose
- obstrução

Preparação do paciente
- protocolo anestesiologico
- anestesia geral inalatoria
- jejum de 12 horas
- jejum de 24 horas em casos de distúrbios na motilidade e esvaziamento gastrico
- após radiografia contrastada

Indicações
	Sinais de doença gástrica:
- náusea
- salivação
- emese
- hematoemese
- melena
- anorexia

Histórico e exame físico
- uso de AINES
- Hematemese
- Melena
- Anorexia
- Dor abdominal

= Diagnósticos diferenciais
= Vômito:
=- obstrução gastrintestinal
=- inflamação abdominal
=- doença extra-alimentar

Uma característica do cão: ele vomita de vez em quando, mas não tem nada, é apenas o mecanismo de defesa dele. Então no estomago do cão é comum ver um ponto ou outro de erosão.

Agente sempre vai fazer o protocolo de exame: vamos sempre avaliar fundo, pequena e grande curvatura.
Na técnica de exame agente vai avaliar sempre primeiro o delgado. Procuro a região antral e passo pelo piloro, às vezes ele está completamente fechado. Cuidado pra não forçar muito e ficar edemaciado.
Vou direto pro delgado e não fico no estomago muito tempo senão eu inflo muito o estomago e o piloro fica cada vez mais fechado. E se eu primeiro avaliar o estomago e biopsiar o estomago, vou provocar sangramento, quando eu for pro delgado pode ser que eu leve um pouco de sangramento comigo, e ai vou me confundir lá dentro.

Toda vez que eu for trabalhar com biopsia eu vou trabalhar de trás pra frente, vou pegar o órgão mais pra trás, mais caudal e vou voltando.

Região de antro é uma região mais lisa, um pouco mais chato de biopsiar.

= Hipertrofia da mucosa gástrica (edema de piloro, piloro aumentado)
=- pode ser confundida com neoplasias
=- tratamento pode ser cirúrgico
=- cuidado! Cirurgia pode ser pior para o paciente

Temos que tomar cuidado com essa lesão, porque geralmente essa lesão é conseqüência do próprio vomito crônico, onde pode jogar todo o estomago pra dentro do esôfago, faz quase que uma érnia de deslizamento.
Quando vc faz esse movimento de vai e vem da emese, a prega vai ficar edemaciada, vai ficar inflamada. Vc pode confundir com uma neoplasia.
Na ultra aparece uma parede espessada do piloro. Mas tem que tomar cuidado que isso pode ser apenas uma inflamação por conseqüência do vomito crônico.

Caso clínico:
Cão vomitando e emagrecendo há 2 meses, com anorexia, perdendo peso. Nada é relevante na parte de bioquímica e exame de sg, na ultra têm um espessamento de parede, tem alteração em piloro severa, tomou metronidazole ou um plasil, mas nada resolve.
Vejo o piloro edemaciado, inflamado, a 1ª coisa que não deve fazer é parar o exame nessa parede. Toda vez que eu vejo uma lesão mesmo que seja uma lesão horrível, eu vou entrar no delgado pra ver se tem alguma coisa associado à lesão e vou biopsiar, depois eu volto o endoscópio, faço uma biopsia nesse piloro lesionada.
O animal pode estar vomitando por outra razão e causa uma hipertrofia porque o estomago está edemaciado, pela mecânica da emese. Essa hipertrofia é inflamatória, o tratamento é clinico. Quando o animal parar de vomitar isso regride um pouco, e nesse animal geralmente eu encontro um linfoma de intestino, uma doença inflamatória intestinal severa, giárdia, etc.

= Helicobacter
- Diagnóstico
- Histopatologia
- Citologia
- Teste de uréase
- PCR

	Quando agente faz endoscopia, agente procura esse agente, e agente faz biopsia pra isso.
Volta e meia as pessoas querem associar a doença ao helicobacter, mas ele não tem o poder de destruição nos animais como tem na gente. Então tomar cuidado com isso.
Cão e gato têm o helicobacter, tem vários tipos de espécie de helicobacter, mas cão e gato tem, da mesma forma que agente tem. Mas o que agente tem que ficar atento é que nem sempre a presença dele vai sugerir doença.
Importância disso: se eu biopsiar um estomago e encontrar helicobacter, nem sempre ele vai ser o culpado da história.

O diagnostico agente faz por histopatologia (bactéria espiralada, etc.)

Pode fazer uma citologia, pode fazer um teste de urease (o helicobacter é uma bactéria uréase positiva, ou seja, no teste eu o coloco num potinho com amônia, se tiver helicobacter vai mudar de cor, quanto mais rápido mudar de cor mais helicobacter tem) e tem o PCR e imunohistoquimica pra eu ver a espécie.

O helicobacter não vai causar ulceração em cão e gato como causa no homem. Não conseguimos ver muito a relação entre a presença da bactéria e a presença de vomito em cão e gato.
Ele é inespecífico para doença gástrica, tanto pode como não causar doença.

Se vc encontrar o helicobacter, vc não abandona toda sua linha de raciocínio só nele. Porque vc pode ter outras lesões mais importantes.

No cão ele não causa ulceração gástrica.
Já no homem causa ulceração gástrica e câncer de estomago

Helicobacter pode ou não pegar de animal. Não se sabe ao certo.

O helicobacter vai ser relevante se vc encontrar um animal com alteração clinica muito severa, onde vc faz a endoscopia ele tem o estomago horrível, na biopsia vc encontra muita inflamação e tem muitas formas de helicobacter. Ai agente vai tratar.

= Helicobacter
= - Difícil estabelecer relação entre helicobacter e vômito
= - provavelmente causa doença em alguns animais
= - geralmente é um achado, continuar buscando outras causas
= - não causa úlceras

Tratamento da helicobacter:
Metronidazole, amoxicilina e omeprazol.

= Physaloptera
= - Parasito que dá em estômago
= - Pode causar vomito sem resposta a tratamento
= - Não se encontra ovos nas fezes
= - Responde a pyrantel e invermectina

Causa um vomito muito intenso, e vc não consegue encontrar nas fezes.
É importante na biopsia vc catar um parasita pra provar que ele estava ali e pra tentar descobrir qual parasita é aquele.
Não é encontrado com freqüência. Mas pode acontecer.

Hemorragias de cavidades gástricas
A hemorragia gástrica.
Animal pode ter uma doença renal, por exemplo, pode fazer um sangramento gástrico. Eu posso fazer a biopsia e encontrar apenas uma leve inflamação. Por isso que é importante associar o que agente está vendo com a relevância que isso tem pro sinal do paciente.
Ulcera gástrica causada por uso de AINE. Então tomar cuidado quando for prescrever diclofenado, banamine, etc. porque causa ulcera e causa rápido (2-3 dias pode estar ulcerado) podendo causar até perfuração.

Quando o estomago não infla é porque tem muito edema, a parede está espessada.

Doença inflamatória intestinal
Geralmente causa vômito crônico
Deixa o estomago inflamado porque a motilidade diminui, e com isso o estomago fica estagnado também, então vc tem um conteúdo ali que demora muito pra esvaziar porque está com hipomotilidade, e por conta do alimento em contato com a mucosa, deixa o estomago com lesões. É comum entrar no delgado e estar horrível, ter alimento, lesão neoplásica, linfoma, geralmente o animal