Instalações Elétricas - SENAI -  SC
118 pág.

Instalações Elétricas - SENAI - SC


DisciplinaInstalações Elétricas4.181 materiais34.845 seguidores
Pré-visualização25 páginas
sinalização e cir-
cuitos de controle 
0,5 Cu 
Circuitos de força 10 Cu 
10 Al 
 
 
 
Instalações 
fixas em geral 
 
Condutores 
nus Circuitos de sinalização e cir-
cuitos de controle 
4 Cu 
Para um equipamento específi-
co 
Como especificado na 
norma do equipamento 
Para qualquer outra aplicação 0,75 Cu 
 
Ligações flexíveis feitas com 
cabos isolados 
Circuitos a extrabaixa tensão 0,75 Cu 
 
Notas 
 
a) Em circuitos de sinalização e controle destinados a equipamentos eletrônicos são admitidas seções de até 
0,1mm². 
b) Em cabos multipolares flexíveis contendo sete ou mais veias são admitidas de até 0,1mm². 
c) Os circuitos de tomadas de corrente são considerados como circuitos de força. 
 
Em circuitos trifásicos, quando for prevista presença de harmônicos qualquer que 
seja a seção. 
 
Tabela 3 - Seção do condutor neutro, em relação ao condutor fase 
 
Seções de condutores fase 
(mm²) 
Seção mínima do condutor neutro 
(mm²) 
De 1,5 a 25mm² 
35 
50 
70 
95 
120 
150 
185 
240 
300 
400 
Mesma seção do condutor fase 
25 
25 
35 
50 
70 
70 
95 
120 
150 
185 
 
Notas 
 
a) Os valores acima são aplicáveis quando os condutores fase e o condutor neutro forem constituídos pelo 
mesmo metal. 
b) Em nenhuma circunstância o condutor neutro pode ser comum a vários circuitos. 
SENAI/SC 
Instalações Elétricas 
18 
55..33 TTiippooss DDee CCoonndduuttoorreess 
 
Trataremos neste capítulo dos condutores para baixa tensão (0,6kV \u2013 0,75kV \u2013 
1kV). 
 
Em geral, os fios e cabos são designados em termos de seu comportamento 
quando submetidos à ação do fogo, isto é, em função do material de sua isolação e 
cobertura. Assim, os cabos elétricos podem ser: 
 
\u2022 Propagadores da chama 
 
São aqueles que entram em combustão sob a ação direta da chama e a mantêm 
mesmo após a retirada da chama. Pertencem a esta categoria o etilonopropileno (E-
PR) e o polietileno reticulado (XLPE). 
 
\u2022 Não-propagadores de chama 
 
Removida a chama ativadora, a combustão do material cessa. Considera-se o 
cloreto de polivinila (PVC) e o neoprene como não-propagadores de chama. 
 
\u2022 Resistentes à chama 
 
Mesmo em caso de exposição prolongada, a chama não se propaga ao longo do 
material isolante do cabo. É o caso dos cabos Sintemax antiflam, da Pirelli, e o Noflam 
BWF 750V, da Ficap. 
 
\u2022 Resistentes ao fogo 
 
São materiais especiais incombustíveis, que permitem o funcionamento do cir-
cuito elétrico mesmo em presença de um incêndio. São usados em circuitos de segu-
rança e sinalizações de emergência. 
 
No Brasil, fabrica-se uma linha de cabos que tem as características anteriormen-
te descritas. 
 
A Pirelli chamou-os de cabos Afumex e a Ficap, Afitox. 
 
No caso dos cabos de potencia, a temperatura de exercício no condutor é de 
90ºC, a temperatura de sobrecarga é de 130ºC e de curto-circuito, de 250ºC. 
 
Vejamos as características principais dos fios e cabos mais comumente usados 
e que são apresentados de forma resumida em tabelas. 
 
Da Pirelli 
 
A tabela 4 apresenta as características principais dos fios para baixa tensão e a 
tabela 5, as recomendações do fabricante quanto às modalidades de instalação acon-
selháveis para os vários tipos de cabos. 
 
 
 
 
 
 
Tabela 4 - Fios e cabos Pirelli 
SENAI/SC 
Instalações Elétricas 
19 
 
Te
m
p.
 
cu
rto
-c
irc
. 
16
0 
16
0 
16
0 
25
0 
25
0 
25
0 
25
0 
16
0 
25
0 
16
0 
16
0 
Te
m
p.
 s
o-
br
ec
ar
ga
 
10
0 
10
0 
10
0 
13
0 
13
0 
13
0 
13
0 
10
0 
13
0 
10
0 
10
0 
C
la
ss
e 
té
rm
ic
a 
(º
C
) 
Te
m
p.
 u
so
 
co
nt
ín
uo
 
70
 
70
 
70
 
90
 
90
 
90
 
90
 
70
 
90
 
70
 
70
 
Te
ns
ão
 
no
m
in
al
 
45
0/
75
0V
 
45
0/
75
0V
 
0,
6/
1k
V
 
0,
6/
1k
V
 
0,
6/
1k
V
 
0,
6/
1k
V
 
0,
6/
1k
V
 
45
0/
75
0V
 
45
0/
75
0V
 
30
0/
30
0V
 
45
0/
75
0V
 
C
ob
er
tu
ra
 
- - 
P
V
C
 
- 
P
V
C
 
P
V
C
 
P
ire
pr
en
e 
P
V
C
 
C
om
po
st
o 
el
as
-
to
pl
ás
tic
o 
ex
tra
fle
xí
ve
l 
B
as
e 
de
 b
or
ra
-
h - 
P
V
C
 
\u201cP
ire
vi
ni
l\u201d 
Is
ol
aç
ão
 
P
V
C
 
P
V
C
 
P
V
C
 
X
LP
E
 
P
ol
ie
til
en
o 
R
et
ic
ua
ld
o 
te
rm
of
ix
o 
X
LP
E
 
(\u201c
vo
lta
le
ne
\u201d)
 
E
P
R
 
E
til
en
o 
P
ro
pi
le
no
E
P
R
 
E
til
en
o 
P
ro
pi
le
no
 
P
V
C
 \u201cP
ire
vi
-
ni
l\u201d 
Fl
ex
ív
el
 
P
V
C
 
Fl
ex
ív
el
 
P
V
C
 
P
V
C
 \u201cP
ire
vi
-
ni
l\u201d 
Ti
po
 
C
on
du
to
r 
Is
ol
ad
o 
C
on
du
to
r 
Is
ol
ad
o 
C
ab
o 
un
ip
ol
ar
 
C
ab
o 
m
ul
tip
ol
ar
 
C
ab
o 
un
ip
ol
ar
 
C
ab
o 
un
ip
ol
ar
 
C
ab
o 
m
ul
tip
ol
ar
 
C
ab
o 
un
ip
ol
ar
 
C
ab
o 
m
ul
tip
ol
ar
 
C
ab
o 
un
ip
ol
ar
 
C
ab
o 
m
ul
tip
ol
ar
 
C
ab
o 
m
ul
tip
ol
ar
 
C
ab
o 
m
ul
tip
ol
ar
 
C
or
dã
o 
C
ab
o 
m
ul
tip
ol
ar
 
B
ito
la
 
Fi
os
 a
té
 1
6m
m
² 
C
ab
os
 a
té
 5
00
m
m
² 
A
té
 7
00
m
m
² 
A
té
 1
 x
 1
00
0m
m
² 
ou
 4
 x
 3
00
m
m
² 
A
té
 1
 x
 1
00
0m
m
² 
A
té
 1
 x
 1
00
0m
m
² 
ou
 4
 x
 3
00
m
m
² 
A
té
 1
 x
 1
00
0m
m
² 
ou
 4
 x
 3
00
m
m
² 
A
té
 1
 x
 1
00
0m
m
² 
ou
 4
 x
 3
00
m
m
² 
A
té
 4
 x
 1
0m
m
² 
A
té
 4
 x
 1
0m
m
² 
A
té
 2
 x
 4
m
m
² 
A
té
 2
 x
 6
m
m
² 
A
té
 3
 x
 6
m
m
² 
N
om
e 
P
ira
st
ic
 s
up
er
 
Ti
po
 B
W
F 
A
nt
ifl
am
 
P
ira
st
ic
-
su
pe
rfl
ex
 
Ti
po
 B
W
F 
A
nt
ifl
am
 
S
in
te
m
ax
 
A
nt
ifl
am
 
V
ol
ta
le
ne
 
V
ol
te
m
ax
 
E
pr
ot
en
ax
 
E
pr
op
en
e 
C
or
dp
la
st
 
P
B
-T
er
m
oc
or
d 
P
la
st
ifl
ex
 
D
up
la
st
/T
rip
la
st
 
 
Fi
os
 e
 c
ab
os
 
C
ab
os
 
C
ab
os
 
C
ab
os
 
C
ab
os
 
C
ab
os
 
C
ab
os
 
C
ab
os
 
C
ab
os
 
C
ab
os
 
C
or
dõ
es
 
C
ab
os
 
 
SENAI/SC 
Instalações Elétricas 
20 
Tabela 5 - Instalação de cabos da Pirelli para baixa tensão 
 
C
ab
os
 P
ire
lli
 
P
ira
st
ic
 a
nt
ifl
am
 
P
ira
st
ic
-fl
ex
 
an
tif
la
m
 
V
ol
ta
le
ne
 
S
in
te
m
ax
 
an
ti-
fla
m
 
V
ol
te
na
x 
E
pr
ot
en
ax
 
E
pr
op
en
e 
P
ira
st
ic
 a
nt
ifl
am
 
P
ira
st
ic
-fl
ex
 
an
tif
la
m
 
V
ol
ta
le
ne
 
S
in
te
m
ax
 
an
ti-
fla
m
 
V
ol
te
na
x 
E
pr
ot
en
ax
 
E
pr
op
en
e 
V
ol
ta
le
ne
* 
S
in
te
m
ax
 
an
ti-
fla
m
 
V
ol
te
na
x 
E
pr
ot
en
ax
 
E
pr