ok diagnostico 10.05.11
7 pág.

ok diagnostico 10.05.11

Disciplina:Diagnóstico Patológico Por Análise De Imagem11 materiais32 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Diagnóstico Patológico por Análise de Imagem
Rio, 10/05/2011
Alexandra Woods

Duodeno
	Vamos focar principalmente em doença inflamatória intestinal, porque a maior causa de vomito de cão e gato. É freqüente na clinica. É uma das causas mais importantes de vomito crônico.

Lesões gástricas são muito mais conseqüência de um processo emético prolongado, muitas vezes o processo emético vem de uma doença inflamatória intestinal.
Pode ter varias causas, vários tipos de infiltrados inflamatórios, etiologias.

Em geral o mais importante é a doença intestinal.

Algumas características da doença:
(intestino delgado)
Função do delgado: absorção. Então quando agente trabalha avaliando doença em delgado, se vc tem uma inflamação na mucosa, o que vou ver rapidamente: emagrecimento. Vamos ter caso de vômito com diarréia, emagrecimento progressivo. Essa questão de mudança de apetite o animal pode começar se sentindo mal, fazendo uma anorexia, apetite voraz, lembrando que geralmente a doença intestinal pode estar associada a uma lesão muito importante em respeito a emagrecimento progressivo intenso, a apetite voraz, pele gordurosa, animais muito magro, come muito e não engorda, que cursa muito com doença intestinal: pancreatite que produz insulina e o exócrino produz enzimas digestivas, quando vc tem uma insuficiência pancreática exócrina, não vou ter enzimas, com isso não vai ter absorção, o delgado é importante porque trabalha associada com outros órgãos. Muitos casos vc têm insuficiência/síndrome pancreática exócrina (IPE) e vc vai ter uma doença inflamatória intestinal, porque não vai ter produção de enzimas e com isso tem a inflamação por conta disso. Então muitas vezes vamos atender o animal que tem além da doença inflamatória crônica, ele vai ter IPE e ai por conta disso ele vai ter uma gastrite junto porque ele está vomitando muito.
	Fundamental ver o animal como um todo.
	O animal pode ter uma esofagite associada a isso, se for um caso mais sério ele pode ter sangramento em delgado, ele pode ter inflamações mais graves em delgado, ele pode ter melena por conta disso.
	Alguns animais têm diarréia por doença intestinal, outros não têm, outros têm só o vomito.
	Delgado inflamado: motilidade baixa, hipomotilidade, etc.

	Delgado: sempre fazer a biopsia.

A biopsia aqui, é pra gente ver a resposta inflamatória que tem ali, se é muito ou pouco intensa, se tem uma doença pancreática concomitante, se tem característica de doença alérgica, se tem característica de doença viral. Essa biopsia vai te trazer informações.
O delgado inflamado fica igual em qualquer tipo de etiologia, então a biopsia vai ser importante pra esse diagnostico.
Determinar o grau de inflamação do delgado é muito importante, se é muito avançado, se não.

Se o animal está fazendo tratamento com o uso de, por exemplo, com corticóide vc espera ele terminar o tratamento e depois faz a biopsia.

Principalmente:
	A doença inflamatória intestinal é uma causa muito comum de diarréia e vômito.
	No caso da doença pancreática associada agente encontra algum tipo de situação bacteriana. Se tem muita bactéria ali vc tem estase de conteúdo no delgado. Se tem muita bactéria vc acaba tendo proliferação bacteriana grande. Vc tem varias situações causando esses sinais.
Eu vou procurar saber é: que tipo de infiltrado está ai, porque é um fator crônico e muitos casos não têm cura. O animal que tem alergia e intolerância ele vai ser assim pra sempre. Às vezes vc não acha uma forma específica pra aquilo mas vc tem que controlar.

A importância da biopsia é ver o infiltrado, ex: grande presença de eosinófilo, que é característica de alergia alimentar. Por mais que eu não consiga curar pra sempre a doença, com a biopsia eu posso manejar de forma adequada com dieta, geralmente o manejo é funcional. Agente pode dar corticóide pra diminuir a inflamação, mas se ele tiver contato com o agente alérgico ele vai desenvolver a inflamação de novo e vai desenvolver a diarréia.

Como funciona:
	Delgado tem vilosidade, é um tecido linfóide intenso.

Vamos ter situações que vamos ter uma questão inicial como bacteriana, viral, que vc vai encontrar em contato com o agente e vc vai desenvolver a diarréia. Quem nunca teve uma infecção intestinal porque comeu uma coisa qualquer. Essa diferença na integridade que vai dar o piriri inicial pode ser auto-limitado, pode ser leve e ai depois passa. Se vc perpetuar aquilo, se vc fez uma infecção bacteriana mais severa, uma coisa mais importante, isso pode se cronificar e perpetuar.
Em termos clínicos, o que agente pode fazer pra trabalhar isso. Se eu pego um cão que come ração super Premium e passou a comer uma ração comum, ou se um cão comia comida caseira e agora está comendo ração, se teve algum tipo de situação que mexeu nessa permeabilidade ele vai ter uma diarréia. Por isso vc tem que fazer a troca da alimentação de forma progressiva.
Se o seu animal roubou um pedaço de carne gordurosa ele vai ter uma diarréia.

	Vou ter uns indivíduos mais resistentes e outros menos.
	Vamos ter cada vez mais essa formação inflamação, vira um ciclo.

Quando vc começa a passar mal, vc começa a ter vomito e diarréia pela infecção bacteriana, vc muda de alimentação pra voltar ao normal e parar essa diarréia, senão vc tem uma desidratação e sepse, porque vc acaba tendo uma infecção generalizada.

Ex. parvovirose. Vc consegue com a hidratação e com a medicação parar.

Existe outra situação de alergia, fungo, aguda, crônica, mais grave, menos grave, vc tem varias situações, e quanto mais inflama mais generalizado fica e vc acaba tendo a questão de sepsemia e morre.

Quando o nosso corpo percebe que a barreira intestinal está quebrada, vc começa a desenvolver por defesa a inflamação. Quanto mais o antígeno mais vc vai brigar contra isso e mais vc perpetua isso.

Pra que eu quero o cachorro na crise pra fazer biopsia? Porque eu quero pegar a biopsia nesse momento, porque se pego momentos antes eu vou perder essa resposta inflamatória que eu quero avaliar qual é e a intensidade dela. Isso é importante, porque vou perceber que tipo de situação que está levando a formação dessa inflamação.

O delgado que é todo aveludado, ele quando está inflamado perde toda essa característica de aveludado, agente consegue perceber visualmente que ele está inflamado, mas o quanto ele está inflamado quem vai me dar isso é a biopsia que te diz o quanto está inflamado e por qual tipo de célula.
Nem sempre eu consigo determinar que tipo de inflamação eu tenho. Tenho que trabalhar com o patologista a gravidade da situação, se tem muita bactéria, se não tem.
Se o animal tem associado a isso uma IPE, ele não tem as enzimas digestivas, e ai começa uma confusão, bactéria inflama mais, etc. e ai a coisa não tem fim.

Por isso nessa hora, em termos de manejo nutricional, qualquer alimento que entrar pra esse animal nesse momento, já que ele não tem barreira, ele vai detectar como sendo um antígeno, então o organismo vai fazer Ac contra ele. Então se eu quero que o meu animal mais pra frente coma frango, eu não vou dar um frango pra ele aqui, porque ele vai certamente se tornar alérgico ao frango. Então tenho que dar aquelas carnes mais exóticas (rã, cordeiro) que o animal nunca teve contato, então ele não desenvolveu anticorpo contra aquilo. Quando o corpo começar a perceber eu já vou estar restaurando as minhas funções. Pode ser que ele não fique alérgico, mas é melhor vc dar carne de rã do que arriscar ele ficar alérgico a frango, carne moída, etc.
Vou entrar com varias situações pra não prejudicar a mucosa e promover o mais rápido possível essa função de novo e que o intestino volte a ter suas defesas.

Vou trabalhar em cima dessa inflamação.

Delgado, temos muito paciente que tratamos só com manejo alimentar, sem entrar com medicação muito pesada.
Tem gente que antes de fazer endoscopia, que agente começa com um tratamento com manejo e só parte pra antibiótico se ele não responder.

Colites: embora seja inflamação de cólon, às vezes quando vc pega um animal que