ok diagnostico 19.04 av2
14 pág.

ok diagnostico 19.04 av2

Disciplina:Diagnóstico Patológico Por Análise De Imagem11 materiais32 seguidores
Pré-visualização4 páginas
que convive com isso bem na infância, enquanto é filhote, e quando ele começa a entrar na fase adulta que ele começa a crescer mais, a comer mais, a ficar maior, ele começa a regurgitar.
O animal que está regurgitando, não adianta dar um antiemetico pra ele, pois vai continuar regurgitando. O antiemetico promove no transito um aumento da peristalse. Tem que tomar muito cuidado antes de medicar, sem vc saber o que é.

Inflamação
Esofagite.

Curiosidade:
Esôfago de gato e esôfago de cão.
Os 2 tem que estar com coloração rosa claro, sempre colabados, só vai abrir quando injetar ar, não pode ter alimento nem liquido.
Mas a diferença é que: no do gato tem uma diferença de mucosa no 1/3 distal, ele tem a musculatura lisa.
Já o cão não, é todo estriado.

Caso:
Pegamos um animal com doença esofágica, conseguimos identificar na clinica que era regurgitação, radiografamos e vimos que é uma obstrução porque vemos na radiografia contrastada, um contraste, uma saculação e o contraste parou de evoluir. Na radiografia isso é claro que é uma obstrução. A minha pergunta é, é congênita ou adquirida? Ai vamos por 2 frações: 1º pela localização no raio-x que vc para o contraste ali, te dá uma direção do que é. E 2º pelo histórico (filhote, adulto, passou de alimentação liquida pra pastosa e começa a regurgitar etc.). Nesse caso era um filhote que passou de alimentação liquida para alimentação pastosa.
Nesse caso que a professora deu o diagnostico era: Persistência do 4º arco aórtico: Tratamento: cirúrgico. Prognostico: bom
	Se eu não quisesse fazer endoscopia aqui eu não precisaria, porque durante anos o diagnostico foi feito pela anamnese, exame físico e exame radiográfico.
	
A imagem é clássica: vemos o esôfago normal, de repente ele abre na saculação, ai vc vê uma imagem aberta, saculada. E lá na frente vc vê um buraquinho, que é onde está passando o arco que estreita. Vc consegue passar por ali porque o esôfago tem a distensão (o esôfago não está estenosado nem cicatrizado, ele está simplesmente estrangulado), quando vc forca, vc infla, vc passa, quando passou daquilo o esôfago é normal de novo.

Outro caso:
Megaesôfago: o que caracteriza o megaesôfago é a dilatação total do esôfago (desde lá de cima até o cárdia), vemos uma dilatação homogênea do esôfago.

Outro:
Vemos uma dilatação do esôfago e de repente para, exatamente no tórax ele está parado, então o que agente pensa aqui: (o cachorro é adulto). Agente não pensa quando agente vai fazer anamnese que ele tem uma alteração congênita porque ele é adulto. Nesse caso o que ele tem é persistência do 4º arco aórtico.
Às vezes o animal tem essa persistência do 4º arco aórtico, e o animal vai crescendo e vai se adaptando. No gato é muito comum de acontecer, porque ele quebra o alimento dele e vai comendo aos poucos, já o cão não, quebra em 2 e engole.
O gato consegue se adaptar a situação até um ponto que ele começa a regurgitar. E é isso que “pega agente pelo pé”.
Tratamento: cirurgia.
Prognostico: bom.
Imagem endoscópica:
Esôfago normal, de repente agente vai cair dentro de uma “caverna” que é a dilatação. E ai reparando vai ver o batimento cardíaco que é quando estamos na base do coração, e o que passa por cima é o arco, e vemos uma aberturinha pequena, que é onde passa o pouco de contraste. Passando esse buraquinho o esôfago é normal.
Todas as persistências do 4º arco aórtico têm a mesma imagem, o que varia um pouco é o tamanho da dilatação.
Problema: se agente demorar muito pra diagnosticar isso, a musculatura fica flácida e ai não volta a ter contração, com isso o cão pode ter problema de flacidez. Vc corrige a obstrução, mas vc danifica a parte neurológica e motora do esôfago.

Adquiridos
	São comuns de acontecer.
	O corpo estranho é a única emergência que agente pode fazer endoscopia. Por que: o que acontece com corpo estranho em esôfago: o esôfago não é preparado pra receber nada, ele é preparado para passagem.
Animal entalado com alguma coisa geralmente ele tem um estimulo vagal muito forte, então ele fica super nervoso, dói muito (porque esôfago dói muito), dificuldade de respirar pela compressão às vezes, pode ficar cianótico. Tem chances de quanto mais tempo o corpo estranho ficar, maior a chance de vc perfurar esse esôfago. Então muito perigosa é a perfuração, por osso principalmente.
Corpo estranho esofágica não pode deixar muito tempo, ele vai causar uma lesão séria em esôfago, e quanto mais tempo ele ficar mais chance de causar uma perfuração ou uma laceração e depois uma estenose pela cicatrização.
Corpo estranho esofágico é um problema que agente tem sério e é freqüente. Ex. doguitos, fica preso no esôfago, o osso com bolinha na ponta, osso de vértebra, etc.

Corpo estranho
Sempre tem historia, sempre o proprietário vai te contar alguma coisa que sugira aquilo, geralmente é agudo, o animal estava ótimo e de repente ficou péssimo.

Parasito:
Também pode ser adquirido, ex. spirocercose. É uma evolução mais lenta, quanto mais tempo demora pra avaliar, pior é.

Neoplasia:
A mesma coisa, o grande problema é que a neoplasia começa devagar e silenciosa. Quando o cão começa a demonstrar, o tumor já está enorme.

Estenoses:
É um capitulo a parte, que é a formação de cicatriz depois da inflamação.
Ex. tirei o corpo estranho, ficou inflamado, cicatrizou, formou colágeno, o esôfago fechou de novo.

Qual o grande problema de cirurgia esofágica: complicação: estenose de esôfago.
Depois que vc abre o esôfago, ele cicatriza e fecha.

Na radiografia sempre fazer 2 posições quando se suspeita de corpo estranho. Dorso ventral e latero lateral.

Regras básicas pra retirada de corpo estranho com endoscópio
1º) Radiografia em 2 posições. Pra poder avaliar o tamanho disso. Se vc suspeitar de perfuração fazer radiografia contrastada com iodo, nunca com bário (porque se cai na cavidade, ocorre peritonite e o cão morre na certa). Avaliar o tamanho, localização, tudo isso pra bolar um plano de retirar.
2º) avaliar clinicamente o paciente.

Perigo: se o osso ficar ali muito tempo, o bordo vai começar a ferir o esôfago e lacerar.
Problema é quando deixa muito tempo, começa a lacerar, pode perfurar causar uma esofagite, etc.

Não se deve puxar a linha.

Geralmente o corpo estranho fica na entrada de tórax, base de coração ou cárdia, que é onde estreita.
Deve retirar o mais rápido possível, dilatar bastante o esôfago. Tem que ter calma e paciência, que ajuda muito. Tem que inspecionar pra ver se os bordos estão soltos.

Primeira coisa é tirar o corpo estranho. Depois em algumas situações o estrago é tão grande que vai ter que deixar o esôfago parado, em jejum, repousando, passar uma sonda gástrica (porque pode fazer uma lesão tão grave pra tirar o corpo estranho que pode ter que depois tratar esse esôfago). Tem que entrar de novo e ver como ficou o local ali depois que tirou o corpo estranho.

Sempre importante ver como está o esôfago, porque se cicatrizar ele fecha, e ai tem outro problema.
Quando vc não tem muito espaço pra manipular o esôfago, e vc tem um corpo estranho que não tem bordo perfurante ou cortante, vc empurra o corpo estranho pra dentro do estômago. O cárdia fica destruído mas ele se recupera. Pois é muito mais fácil vc abrir um estomago, um abdômen do que o tórax. Não só para o cirurgião como pro pós-operatório do cão.

Corpo estranho esofágico é emergência, tem que tomar cuidado.