ok diagnostico 26.04.11
8 pág.

ok diagnostico 26.04.11

Disciplina:Diagnóstico Patológico Por Análise De Imagem11 materiais32 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Outra coisa importante, é vomito crônico, o animal que tem uma lesão hepática, uma piometra, uma gastrenterite hemorrágica, depois que ele está bom, ele volta a regurgitar e vc não sabe o porquê. Esofagite causa regurgitação, esofagite prolongada causa estenose, agente tem que ficar ligado nisso.
	Medicamentos: doxiciclina, é um medicamento que é comum dar pra gatos, cachorros, no tratamento de erlishiose, enfim, antibiótico que agente dá com mais freqüência, ___________ também, mas doxi é mais, causa um efeito cáustico na mucosa, é como se vc pegasse o comprimido e encostasse na mucosa e queimar, faz uma lesão que é uma lesão como se fosse corpo estranho, ele fica grudado na mucosa um pouco. Então vc administra a medicação pro animal e 2 semanas depois o animal volta regurgitando, ai vc pensa, o que tem uma coisa a ver com a outra, tem porque é toxico. O que agente recomenda: dar em suspensão ou macerar o comprimido, evitar dar o comprimido inteiro.

Outro caso:
Fechamento total do esôfago. Tem uma cicatriz, vai formando colágeno e acaba fechando.
Isso é o mais grave.
O que faz: antigamente era a cirurgia, mas a cirurgia tem um grande problema ai: o que não funciona na cirurgia: a grande contra indicação pra cirurgia esofágica é a estenose. Então vc trata uma coisa que dá de novo. Outra coisa, vc não consegue romper todo o colágeno, a tendência do esôfago é sempre cicatrizar em uma vez, vc não vai fazer laparotomia no cão toda semana, então a cirurgia acabou sendo contra indicada hoje em dia.
Não tem o que fazer. No caso do fechamento total, o que agente pode fazer pra dar um tempo pra gente pensar é colocar uma sonda gástrica. O grande problema de esôfago fechado é que o animal morre de fome, por inanição porque ele não tem como ele se alimentar. Então a primeira coisa que agente faz é passar sonda gástrica.	
Tratamento: agente vai dilatar. Vou entrar na cicatriz e vou romper e estourar aquela cicatriz literalmente, vou romper as fibras de colágeno que estão entrando na mucosa. Agente tem algumas possibilidades de fazer isso, a mais correta e mais segura que é feita em gente, é através do balão, é um balão que vai ou entrar pelo canal do endoscópio ou entrar junto com o endoscópio, ele vai entrar desinflado, quando chegar dentro da cicatriz agente vai inflar esse balão, e com isso ele vai romper de maneira homogênea (de forma circular) toda a fibra de colágeno. Esse balcão tem uma seringa, tem um medidor de pressão, então é todo controlado. É um balão de dilatação esofágica
Existe outra possibilidade de vc fazer uma dilatação mecânica, um pouco mais agressiva que é através do “efeito vela”, são varias bolinhas com diâmetro que vai aumentando, é um instrumento rígido, vc pega isso e rompe aquela cicatriz, enquanto ela vai abrindo vc vai mudando o diâmetro e vai aumentando até vc romper completamente.
Dessas 2 maneiras vc nunca consegue fazer de uma vez só, vc vai romper, ela vai voltar, vc vai romper e ela vai voltar, até chegar a um momento que aquele colágeno não vai mais aparecer ali, e ai vc vai parar. Quantas vezes? Depende do animal, da localização, de uma série de fatores.
Tem outra maneira que é usada, mas que não é a melhor, é outra alternativa, é mais perigosa, que é usar o cateter de Colin, que é um cateter barato e que tem um balão, agente entra com ele desinflado, inflamos o balão e retrai o Colin, quando vc retrai vc vem arrebentado tudo. O grande problema do Colin: vc não tem aquela questão do balão que é homogêneo, como o Colin vem de qualquer maneira, às vezes ele lacera um lado e não rompe o outro, então ele fica muito irregular. Agente acaba usando muito isso porque agente não tem o balão que é super caro. Então geralmente agente vai usar ou cateter de Colin ou agente vai fazer, usar o cush do traqueotubo, uma pinça, vela, o que tiver em volta pra tentar fazer aquela dilatação.
	Se vc tiver muito tempo aquela dilatação, vai ter problema, mas geralmente vc consegue pegar a estenose no inicio, em 1 semana, 2 semanas, 1 mês no máximo vc não tem problema de motilidade.

O que agente faz aqui que é uma coisa importante, conseguiu abrir um acesso e ainda não coloquei uma sonda gástrica ainda por cirurgia, a primeira coisa que vou fazer se tenho acesso ao estomago é fixar uma sonda. É a primeira coisa que agente faz, porque estamos carecas de saber o que melhora a condição do animal é a nutrição, calorias, então agente vai fazer a melhor nutrição possível nesse paciente.
2- o que tenho que evitar aqui pra evitar mais inflamação? Refluxo, então vou fazer medicação pra diminuir refluxo, posso fazer uma ranitidina, um bloqueador de bomba ou algo assim.
Outra coisa, eu quero que esse estômago esvazie rápido, pra evitar mais uma vez o refluxo, posso associar um pró-cinético.
Alguns autores fazem e outro não, esse protocolo de medicação é particular de cada autor. Agente faz aqui que funciona muito bem: vasodilatação. Um pró-cinético como bromoprida, metoclopramida, faz um bloqueador de bomba como ranitidina ou omeprazol, e agente faz também que é o corticóide, o corticóide nesse caso é pra alem da inflamação, reduz a formação de cicatriz, então vou tentar reduzir essa formação de colágeno com corticóide, nem todo mundo faz. Mas a professora achou que fazendo corticóide que ajudou.
Outra coisa que pode ser feita, que tem muito trabalho publicado sobre isso, que acelera o processo de tratamento, é agente injetar o corticóide na mucosa, agente pega um corticóide chamado cinquinolona, e vamos usar uma agulha endoscópica e vamos injetar o corticóide nos 4 quadrantes da lesão. Isso também diminui a formação de colágeno ali e acelera o tratamento.

Grande complicação desse tratamento: o que pode acontecer de pior aqui quando agente dilata: romper, lacerar e explodir. É ruim porque às vezes lacera mais um lado do que outro e vc pode ter um problema de ruptura esofágica. Esse é o grande problema, exagerar na forca, exagerar na dose e romper, por isso tem que ser feito com cautela e com calma.
É um tratamento que vc tem que ter muito comprometimento com o proprietário, porque é um tratamento longo, demora 1, 2 meses, e o cara tem que trazer o animal toda semana, porque agente faz um protocolo de dilatação semanal, 1x por semana vai anestesiar e dilata. O cara tem que estar comprometido com o tratamento, senão não funciona.

A imagem é característica da estenose, é diferente da persistência, pq a persistência vc consegue dilatar o esôfago e a estenose não, ela faz uma cicatriz redondinha, certinha e quando vc chega ali vc não consegue passar.
	Para dilatação agente usa o balão, conseguimos fazer uma dilatação completa e homogênea.
	O animal acaba ficando com a sonda gástrica uns 2 meses, depois da 5 dilatação agente percebe que abriu um pouco, agente começa a introduzir a alimentação com liquido, pasta e sólido. Quando agente percebe que o animal já está conseguindo passar do pastoso pro solido, agente avalia, vê se está comendo 1 semana sem regurgitar e ai libera o animal. Mas isso varia muito de acordo com o paciente, tem paciente que não volta a se alimentar de sólido, porque vc não conseguiu dilatar completamente, ai vc vai ajustar cada alimentação pra cada animal.
É importante lembrar que é um tratamento longo, caro porque são 8-12 anestesias, tem que ter comprometimento.

Caso clínico:
Cão veio depois de uma castração, com salivação intensa, e estava muito magra. isso é muito característico do esôfago: emagrecimento progressivo rápido, salivação intensa, e o animal tem fome, procura alimento e não consegue engolir.
Saliva muito porque está fazendo muito refluxo.

O que vc faz quando lacera o esôfago: depois do tratamento, agente pede pra não dar nada pro animal nas primeiras 24 horas, porque aumenta a peristalse do esôfago, se der água pro animal ele vai inchar e crepitar, faz edema subcutâneo. Vc tem que esperar e deixar cicatrizar, deixa o animal restrito num canil pequeno para não se mover muito, deixa na sonda, e administra antibiótico pra ele não ter infecção secundaria ali.