251_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006
1 pág.

251_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006


DisciplinaClimatologia1.831 materiais32.320 seguidores
Pré-visualização1 página
METEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA
Mário Adelmo Varejão-Silva
Versão digital 2 \u2013 Recife, 2006
237
com \u2206z representando a diferença de altitude. É evidente que a variação da temperatura com a
altitude na camada atmosférica que se considere não é necessariamente linear. No entanto, é
sempre possível dividi-la em sub-camadas capazes de atender a essa condição.
Diante das três relações anteriores, a equação VI.9.3 passa a ter o seguinte aspecto,
para o caso do ar não saturado e saturado, respectivamente:
dw/dt = (\u393\u2013 \u3b3a)g \u2206z / T (VI.9.4)
e
dw/dt = (\u393\u2013 \u3b3s)g \u2206z / T. (VI.9.5)
A relação VI.9.4 evidencia que a atmosfera úmida será instável, neutra ou estável, con-
forme a variação vertical de temperatura (\u393) seja maior, igual ou menor que a razão adiabática
seca (\u3b3a). Raciocínio semelhante se aplica quando a camada estiver saturada (VI.9.5), mas
levando-se em conta a razão pseudo-adiabática (\u3b3S). 
O estudo do equilíbrio da atmosfera é melhor visualizado quando feito graficamente.
Nas Figuras VI.1 e VI.2, a linha \u393 indica a variação vertical de temperatura do ar (observada) e
\u3b3a traduz a razão adiabática seca (9,8 oC/km). Na Figura VI.1; a parcela de ar úmido que se
eleva a partir da superfície, ao atingir 100 m de altura, estará mais fria que a atmosfera adja-
cente e tenderá a retornar ao nível de origem (estabilidade). Na Figura VI.2, a parcela estará
mais aquecida que a atmosfera circundante e tenderá a se afastar cada vez mais da posição
de origem.
As equações VI.9.4 e VI.9.5 evidenciam que, para conhecer a condição de equilíbrio de
uma determinada camada da atmosfera, basta confrontar a inclinação da reta que traduz seu
gradiente vertical de temperatura \u393 = \u2013 (\u2202 t/ \u2202 z ) com as linhas que representam as razões adi-
abática e pseudo-adiabática. Como a razão pseudo-adiabática é sempre menor que a adiabáti-
ca, as seguintes conclusões são evidentes:
- a camada será absolutamente estável quando a variação vertical de temperatura na
atmosfera for menor que a razão pseudo-adiabática (\u393 < \u3b3S); 
- a camada será absolutamente instável se a variação vertical de temperatura na at-
mosfera for maior que a razão adiabática (\u393 < \u3b3a); 
- quando a variação vertical de temperatura na atmosfera for superior à razão pseudo-
adiabática, porém menor que a razão adiabática seca (\u3b3S < \u393 < \u3b3a), a camada será
condicionalmente instável ou seja: será instável se o ar estiver saturado e estável no
caso contrário.
9.3 - Análise das temperaturas potenciais (\u3b8, \u3b8 V e \u3b8SE).
Uma outra maneira de testar a condição de equilíbrio de uma camada da atmosfera é
empregar a temperatura potencial (\u3b8), a temperatura potencial virtual (\u3b8V) ou a pseudotempe-
ratura potencial equivalente (\u3b8SE), conforme essa camada esteja seca, úmida ou saturada, res-
pectivamente.