Fundamentos de Economia - Parte 1
112 pág.

Fundamentos de Economia - Parte 1

Disciplina:Fundamentos da Economia4.682 materiais52.657 seguidores
Pré-visualização6 páginas
sua própria procura.

Precursores da Teoria Econômica: Clássicos

Thomas Malthus (Inglaterra: 1766-1834): sistematizou uma

teoria geral sobre a população e a oferta de alimentos, a Teoria

Malthuziana – a população cresce em progressão geométrica e a

produção de alimentos em progressão aritmética.

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

45

O período neo-clássico teve início na década de 1870 e

desenvolveu-se até as primeiras décadas do século XX.

Privilegiam os aspectos microeconômicos em detrimento dos

macroeconômicos; crença na economia de mercado e no

raciocínio matemático explícito inaugurado por Ricardo.

A Teoria Neo-Clássica

Alfred Marshall (Inglaterra: 1842-1924): seu livro, Princípios

de Economia, serviu de obra básica até meados do século XX.

Base: Comportamento do Consumidor, Teoria Marginalista e

Teoria Quantitativa da Moeda.

Outros: Schumpeter, Pareto e Pigou.

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

46

A era Keynesiana iniciou-se com a publicação da Teoria Geral

do Emprego, dos Juros e da Moeda, de John Maynard Keynes

(Inglaterra: 1883-1946), em 1936.

Um dos principais fatores responsável pelo volume de emprego

é o nível de produção nacional determinado pela demanda

agregada efetiva, ou seja, contrariando a Lei de Say, a demanda

cria a oferta.

A Teoria Keynesiana

Para Keynes, numa economia em recessão, não existem forças

de auto-ajustamento (laissez-faire), por isso se torna necessária

a intervenção do Estado por meio de uma política de gastos

públicos.

Outros: Monetaristas – Friedman; Keynesianos – Samuelson.

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

47

A Teoria Econômica passou a ter um conteúdo empírico que lhe

conferiu maior aplicação prática, ao mesmo tempo em que a

análise econômica engloba quase todos os aspectos da vida

humana, e o impacto desses estudos na melhoria do padrão de

vida e do bem estar da sociedade é considerável. Três

características marcam esse período:

O período Recente

Consciência maior das limitações e possibilidades de aplicações da teoria

Avanço no conteúdo empírico da economia

Consolidação das contribuições dos períodos anteriores

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

48

Os marxistas têm como pilar a obra O Capital, de Karl Marx

(1818-1883), economista alemão que desenvolveu quase todo seu

trabalho com Friedrich Engels (Inglaterra: 1820-1895) na

Inglaterra, na segunda metade do século XIX.

Marx foi influenciado pelos movimentos socialistas utópicos,

acreditava no trabalho como determinante do valor tal como Smith

e Ricardo, mas era hostil ao capitalismo competitivo e à livre

concorrência, pois afirmava que a classe trabalhadora era

explorada pelos capitalistas.

Abordagens Alternativas: Marxistas

Mais-Valia: diferença entre o valor das mercadorias que os

trabalhadores produzem em dado período de tempo e o valor da

força de trabalho vendida aos empregadores. Pode ser considerada

como o valor extra que o trabalhador cria, além do valor pago por

sua força de trabalho.

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

49

Têm como grandes expoentes os norte-americanos Thornstein

Veblen (1857-1929) e John Kenneth Galbraith (1917-2007) e

dirigem suas críticas, principalmente, ao fato de a teoria

econômica não incorporar em sua análise as instituições sociais

– daí o nome de institucionalistas.

Abordagens Alternativas: Institucionalistas

Rejeitam o pressuposto neoclássico de que o comportamento

humano, na esfera econômica, seja racionalmente dirigido e

resulte do cálculo de ganhos e perdas marginais. Consideram

que as decisões econômicas das pessoas refletem muito mais

as influências das instituições dominantes e do

desenvolvimento tecnológico.

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

50

Introdução

O Direito e a Teoria dos Mercados: Defesa

do Consumidor e da Concorrência

Arcabouço Jurídico das Políticas

Macroeconômicas

O Estado Promovendo o Bem-Estar da

Sociedade

Capítulo 3 : Economia e Direito

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

51

Comportamento dos produtores e dos consumidores: análise

microeconômica quanto às suas decisões de produzir e de

consumir.

O Direito e a Teoria dos Mercados: Defesa do Consumidor e

da Concorrência

Agentes das Relações de Consumo: análise jurídica com foco

no consumidor e no fornecedor – sendo que, conforme o

Código Brasileiro de Defesa do Consumidor, os direitos do

consumidor colocam-se perante os deveres do fornecedor de

bens e serviços.

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

52

Mão Invisível vs. Imperfeições de Mercado:

O Direito e a Teoria dos Mercados: Defesa do Consumidor e

da Concorrência

Liberalismo Econômico

Externalidades (positivas ou negativas)

Assimetria de Informações

Poder de Monopólio

Intervencionismo Estatal

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

53

Leis de Defesa da Concorrência: regulam tanto as estruturas de

mercado, quanto a conduta das empresas.

O Direito e a Teoria dos Mercados: Defesa do Consumidor e

da Concorrência

Nos EUA: Lei Sherman (1890) – contra os trusts, proíbe a

formação de monopólios. Lei Celler-Kefauver – proíbe fusões de

empresas que reduzam a concorrência.

No Brasil: Constituição Federal (1988) – princípios básicos da

atuação do Estado na economia. SBDC (1994) – Sistema

Brasileiro de Defesa da Concorrência: atua no Controle das

Estruturas de Mercado e no Controle de Condutas.

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

54

O Direito e a Teoria dos Mercados: Arcabouço Jurídico das

Políticas Macroeconômicas

Política Monetária, de Crédito, Cambial e de Comércio Exterior

Política Fiscal

UNIÃO

Aumento da Demanda Agregada

Órgãos de RegulaçãoPrivatizações

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

55

A ordem econômica, fundamentada na valorização do trabalho

humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos

existência digna, conforme os ditames da justiça social,

observados os seguintes princípios:

O Direito e a Teoria dos Mercados: O Estado Promovendo o

Bem-Estar da Sociedade

I – Soberania Nacional;

II – Propriedade Privada;

III – Função Social da Propriedade;

IV – Livre Concorrência;

V – Defesa do Consumidor;

VI – Defesa do Meio Ambiente;

VII – Redução das Desigualdades Regionais e Sociais;

VIII – Busca do Pleno Emprego;

IX – Tratamento Favorecido para as Empresas de Pequeno Porte

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

56

O Direito e a Teoria dos Mercados: O Estado Promovendo o

Bem-Estar da Sociedade

Função Alocativa: tornar os mercados mais eficientes.

Função Distributiva: buscar melhor qualidade de vida

para a população como um todo.

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

57

Fundamentos de Microeconomia

Análise da Demanda de Mercado

Análise da Oferta de Mercado

O Equilíbrio de Mercado

Capítulo 4 : Introdução à

Microeconomia

Capítulo 5: Demanda, Oferta e

Equilíbrio de Mercado.

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

58

Fundamentos de Microeconomia

Microeconomia (Teoria de Preços) – estuda o

comportamento das

famílias e (Consumidores)

das empresas e (Firmas)

os mercados (Mercados específicos)

nos quais operam.

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

59

Fundamentos de Microeconomia

Microeconomia analisa a formação de preços no mercado.

Os preços formam-se com base em dois mercados:

mercado de

bens e serviços

Mercado dos

serviços dos fatores

de produção

preços dos bens e serviços

salários, juros, aluguéis e lucros

Remuneração

Remuneração

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

60

Fundamentos de Microeconomia

coeteris Paribus

Expressão latina traduzida como “ outras coisas

sendo iguais ”, é usada para lembrar que todas as

variáveis, que não aquela que está sendo estudada,

são mantidas constantes.

- “tudo o mais constante”.

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA

61

Fundamentos de Microeconomia

coeteris Paribus

Analisar um mercado

isoladamente

Supor todos os demais

mercados constantes
- O mercado em estudo não afeta e não é afetado pelos

demais.
Verifica o efeito de variáveis isoladas, independentemente dos

efeitos de outras variáveis.

Ex.:  Preço sobre a procura de determinado bem

Independente
Outras variáveis: renda do consumidor, gostos, preferências, etc.

FUNDAMENTOS