Aula 2Custos de Transacao e Rede de Empresas

Disciplina:ECONOMIA INDUSTRIAL120 materiais1.176 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Redes de Empresas
José Alcides Gobbo, Jr.
 gobbo@feb.unesp.br

Aula 2 – Março de 2012

					
						

					
						

					
						
1.	Redes de Empresas

					
						

					
						

					
						
Porque surgiram as Redes de Empresas?
A competição mundial tem-se acirrado significativamente. Essa aceleração foi produzida por um conjunto de eventos, dentre os quais os mais importantes são a globalização, a desregulamentação dos mercados e a evolução tecnológica. Uma das características da Globalização é a conectividade que aumentou muito.

Hoje, o modelo burocrático está esgotado: sua rigidez, seu excesso de normas tornaram o modelo anacrônico em muitas situações. Por isso, está surgindo um grande número de outros modelos, mais flexíveis.

					
						

					
						

					
						
Porque surgiram as Redes de Empresas?

					
						

					
						

					
						
Redes de Empresas
O fenômeno de alianças inter-firmas representa uma mudança importante nas práticas organizacionais das companhias

 Segundo Ribaut et al (1995), a rede de empresas, consiste em um tipo de agrupamento de empresas cujo objetivo principal é o de fortalecer as atividades de cada um dos participantes da rede, sem que, necessariamente, tenham laços financeiros entre si.

					
						

					
						

					
						
Redes de Empresas
Stock et al. (1998) destacam a crescente importância da logística em assegurar que essas organizações em rede possam competir em uma ou mais dimensões competitivas (custo, qualidade, flexibilidade e confiabilidade), alcançando o nível desejado de desempenho necessário.

					
						

					
						

					
						
Redes de Empresas
As formas de flexibilidade organizacional citadas por Castells (1999) e Amato Neto (2000) e caracterizadas por conexões entre empresas são:
Redes Inter-firmas
O modelo de redes multidirecionais;
Modelo de Licenciamento e Sub-contratação;
Alianças Estratégicas
O modelo de alianças estratégicas entre empresas de grande porte.
Aglomeração de empresas
Distritos Industriais; Clusters; Arranjos Produtivos Locais (APLs); Redes de PME

					
						

					
						

					
						
Redes de Empresas
O modelo de redes multidirecionais é geralmente composto de pequenas empresas independentes, organizadas em um local ou região como base e pertencendo a um mesmo setor industrial.
No modelo de licenciamento e sub-contratação da produção, as pequenas e médias empresas ficam sob o controle de sistemas de sub-contratação, sob o domínio tecnológico e/ou financeiro de empresas de grande porte.

					
						

					
						

					
						
Redes de Empresas
A aliança estratégica é uma associação em que as partes atuam para seu beneficio mútuo.
As alianças servem para uma variedade de propósitos como a distribuição dos custos fixos (em produção, distribuição e P&D), evitar barreiras à entrada, acelerar a velocidade de entrada no mercado, a aquisição de fontes de materiais, etc.

					
						

					
						

					
						
Redes de Empresas
Pode-se entender cluster, como a concentração setorial e geográfica de empresas.
Existe um amplo escopo para a divisão de tarefas entre empresas, bem como para a especialização e para a inovação.
Há um espaço significativo para a ação em conjunto das empresas pertencentes a um cluster, o que não ocorre em sistemas dispersos.

					
						

					
						

					
						
2. Redes Estratégicas

					
						

					
						

					
						
Redes de Estratégicas
As redes estratégicas são compostas dos relacionamentos horizontais e verticais da firma com outras organizações – que podem ser fornecedores, consumidores, competidores, ou outras entidades – sendo esses laços duradouros, de significância estratégica para as firmas que entram neles (Gulati et al, 2000).

As redes estratégicas podem prover para empresa, acesso a informação, recursos, mercados e tecnologia; com vantagens de economias no aprendizado, escala e escopo; e permitir a empresa atingir objetivos estratégicos como o compartilhamento de riscos e a terceirização de estágios da cadeia de valor da empresa.

					
						

					
						

					
						
Redes de Estratégicas
Empresa
Processos de negócios
Atividades de valor
Organização e cultura
Pessoas
Governo e Agências
Universidades
Centros de Pesquisa
Empresas
Concorrentes
(Alianças)

Fornecedores de 2ª. Camada
Fornecedores de
1ª. Camada
Parceiros
Parceiros
Distribuidores
Consumidores
Complexidade Tecnológica e Mudança
Mercados e Interfaces Eletrônicas
Globalização
e Competição

Interdependência
e Conectividade

Fonte: MÖLLER e HALINEN, 1999.

					
						

					
						

					
						
Redes de Estratégicas
Os diferentes atores que compõem uma rede estão conectados, seja na forma de relacionamentos verticais ou como horizontais
As relações verticais da rede consideram duas direções: o lado dos suprimentos e o lado da demanda.
Os relacionamentos horizontais ocorrem entre a empresa focal e atores não comerciais da rede, como agências governamentais, universidades e instituições públicas e de pesquisa.

					
						

					
						

					
						
Rede Estratégica - Dimensões
Pil, F. K., Holweg, M – MIT Sloan Management Review, Summer 2006

					
						

					
						

					
						

Economia dos Custos de Transação (Coase, 1937).

“Uma firma crescerá até o ponto em que o custo de adicionar outra função interna seja igual ao custo de transação para coordenar essa função no mercado”.
COASE, R. The nature of the firm (1937)

“A economia ou Teoria do custo de transação estuda como os parceiros em uma transação protegem-se dos riscos associados ás relações de troca.”
Klein & Shelanski (1994)

					
						

					
						

					
						

Custos de Transação

Custos que uma organização incorre quando recorre ao mercado

Custo de se informar, negociar, contratar, fiscalizar a execução contratual, defender direitos, etc.

Esses custos ocorrem por não existir simetria de informação entre os agentes envolvidos nas transações.
Fonte: Barbieri, J.C. (2009)

					
						

					
						

					
						

Teoria dos Custos de Transação (Willianson, 1985).

A assimetria resulta dos seguintes pressupostos:
Racionalidade limitada
Oportunismo dos agentes

					
						

					
						

					
						

Teoria dos Custos de Transação (Willianson, 1985).

Willianson (1985) foi o primeiro a pesquisar em detalhes os custos de transação, e deu as razões chaves para que os custos de transação se elevem:
Nossa inabilidade de analisar tudo antecipadamente (o que ele chama de “racionalidade marginal do homem”);
O fato de que nos negócios o futuro é sempre incerto;
A presença de poucos compradores ou fornecedores para o produto em questão;
A possibilidade que alguns dos jogadores sejam “oportunistas”, ou tentem tirar vantagem dos outros.
Ser capaz de gerar confiança é, então, a chave para a redução dos custos de transação.

					
						

					
						

					
						

Teoria dos Custos de Transação (Willianson, 1985).

RACIONALIDADE LIMITADA
Os indivíduos agem racionalmente porém de modo limitado. Na impossibilidade de uma solução ótima, os indivíduos se contentam com soluções satisfatórias.
H. Simon
Diante da racionalidade ilimitada, os contratos são necessariamente incompletos, podendo gerar de negociações contratuais ex-post.
Williamson (1985)

					
						

					
						

					
						

Teoria dos Custos de Transação (Willianson, 1985).

OPORTUNISMO DOS AGENTES
manipulação de assimetria
transmissão de informação de modo seletivo
oportunismo ex-antes e ex-post

					
						

					
						

Fonte: Barbieri, J.C. (2009)

Custos de Transação

Fonte: Barbieri, J.C. (2009)

					
						

					
						

Economia dos Custos de Transação (Coase, 1937).

Quais poderiam ser os fatores motivadores para que as empresas entrassem em redes estratégicas?

Abordagem Primária: A atividade será internalizada se o custo interno (CI) de fazer ser menor do que o preço cobrado pelo fornecedor externo (PE).
O verdadeiro custo é CE = PE + CT (CE = Custo Externo; CT= Custo de Transação).
A razão do porque encontramos empresas produzindo