Tese de Mestrado
129 pág.

Tese de Mestrado

Disciplina:PSICOLOGIA E INSTITUIÇÕES16 materiais92 seguidores
Pré-visualização42 páginas
O silêncio dos sujeitos. In: Revista Tempo Social. São Paulo,

vol.1, 1989.

BURKE, P. A escrita da história. Novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992.

123

CALDERON, P. Foucault, par lui-même. Documentário, 2003.

CANDIOTTO, C. Foucault: uma história crítica da verdade. São Paulo: Revista

Trans/Form/Ação, 2006. Disponível em: www.scielo.br/pdf/trans/v29n2/v29n2a06.pdf.

Acesso em: 04 jun. 2011.

CARRARA, S. Crime e Loucura. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1998.

CARVALHO, S. A criminologia na alcova: diálogo com Marquês de Sade. In: Boletim

IBCCRIM. São Paulo, ano 15, nº 182, 2008.

______. O (Novo) Papel dos “Criminólogos” na Execução Penal: as alterações

estabelecidas pela Lei 10.792/03. In: Crítica à Execução Penal. CARVALHO, Salo de.

(Org.). Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

______. Penas e Garantias. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

CASTEL, R. A ordem psiquiátrica: A idade de ouro do alienismo. Rio de Janeiro:

Graal, 1978.

______. Os médicos e os juízes. In: Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe,

minha irmã e meu irmão. Rio de Janeiro: Graal, 1977.

CHARTIER R. Estratégias y Táticas. De Certeau y las Artes de hacer. In: Escribir las

práticas. Buenos Aires: Manantial, 1996.

CÓDIGO Penal Brasileiro de 1940. Decreto-Lei n.º 2.848, de 7 de dezembro de 1940.

CÓDIGO Penal Brasileiro de 1890.

CÓDIGO Penal Brasileiro de 1940. Decreto-Lei nº 7210 de 11 de Julho de 1984.

CONDÉ, M. L. L. Wittgenstein: Linguagem e Mundo. São Paulo: Annablume, 1998.

COSTA, J. F. Os interstícios da lei. In: Saúde mental e cidadania. São Paulo:

Mandacaru, 1987.

COUTINHO, A. R. Repensando a questão da subjetividade. In: Redescrições da

Psicanálise. Ensaios Pragmáticos. COSTA, Jurandir Freire. (Org.). Rio de Janeiro:

Relume Dumará, 1994.

COUTINHO, A. O que nós, psicanalistas, podemos aprender com Foucault. In: Revista

de Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, vol.13, nº 1, 2001.

COUTINHO, E. O cinema-documentário e a escuta sensível da alteridade. Projeto

História, São Paulo, nº 15, Abril/1997.

CRUZ, M. L. A inconstitucionalidade da medida de segurança face a

periculosidade criminal. Dissertação de Mestrado, UniBrasil. Curitiba, 2009.

DE CERTEAU, M. A invenção do cotidiano 1. Artes de fazer. Rio de Janeiro: Vozes,

2005.

124

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

______. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

ECHAVARREN, R. Foucault. Una introducción. Buenos Aires: Quadrata, 2011.

ENRIQUEZ, E; BLEGER, J; KAES, R. et al. A Instituição e as Instituições. Estudos

Psicanalíticos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1991.

ERIBON, D. El arte de la insumisión. In: El infrequentable Michel Foucault.

Renovación del pensamiento crítico. Buenos Aires: Letra Viva, 2004.

FERREIRA, A.B.H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova

Fronteira, 1975.

FERREIRA, M.M. História Oral e Tempo Presente. In: (Re) introduzindo a história

oral no Brasil. MEIHY, J.C.S.B. (Org.). São Paulo: Xamã, 1996.

FIÚZA, G. Meu nome não é Johnny. Rio de Janeiro: Record, 2004.

FONSECA, M. A. Michel Foucault e o Direito. São Paulo: Max Limonad, 2002.

FRAGOSO, H. Sistema do duplo-binário: vida e morte. Artigo publicado nos “Studi in

Memoria di Giacomo Delitala”, vol.III, Giùffre ed., 1984. Disponível em:

www.fragoso.com.br/eng/arq_pdf/heleno_artigos/arquivo19.pdf. Acesso em: 14 mai.

2011.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1977 a.

______. História da loucura. São Paulo: Perspectiva, 2009 a.

______. Doença Mental e Psicologia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1968.

______. Os Anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

______. A loucura, a ausência da obra (1964). In: Ditos & Escritos, vol. I. Rio de

Janeiro: Forense Universitária, 2010 a.

______. A evolução da noção de “indivíduo perigoso” na psiquiatria legal do século

XIX (1978 a). In: Ditos & Escritos, vol. V. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010

b.

______. Mesa-redonda sobre a Expertise Psiquiátrica (1974). In: Ditos & Escritos, vol.

I. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010 a.

______. Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão. Rio

de Janeiro: Graal, 1977 b.

______. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: NAU, 2005.

125

______. O sujeito e o poder. In: RABINOW, P.; DREYFUS, H. Uma Trajetória

Filosófica. Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense

Universitária, 1995 a.

______. O que são as luzes? In: Ditos & Escritos, vol. II. Rio de Janeiro: Forense

Universitária, 2010 c.

______. Poder e Saber (1977 c). In: Ditos & Escritos, vol. IV. Rio de Janeiro: Forense

Universitária, 2010 d.

______. Poder-Corpo (1975). In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

______. A vida dos homens infames (1977 d). In: Ditos & Escritos, vol. IV. Rio de

Janeiro: Forense Universitária, 2010 d.

______. Sobre a História da Sexualidade (1978 b). In: Microfísica do poder. Rio de

Janeiro: Graal, 1979.

______. Verdade e Poder. In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979 a.

______. A ética do cuidado de si como prática de liberdade (1984 a). In: Ditos &

Escritos, vol. V. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010 b.

______. O poder psiquiátrico. In: Resumo dos Cursos do Collège de France (1970-

1982). Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

______. O governo de si e dos outros. In: Resumo dos Cursos do Collège de France

(1983-1984). Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

______. Não ao sexo rei. In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979 b.

______. Precisões sobre o Poder. Respostas a certas críticas (1978 c). In: Ditos &

Escritos, vol. IV. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010 d.

______. Sobre a Prisão. In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979 c.

______. La redéfinition du judiciable par Michel Foucault. In: Vacarme. Paris: Belles

Lettres, nº 29, 2004.

______. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. Foucault (1984 b). In: Ditos & Escritos, vol. V. Rio de Janeiro: Forense

Universitária, 2010 b.

______. O Grande Internamento (1972 a). In: Ditos & Escritos, vol. I. Rio de Janeiro:

Forense Universitária, 2010 a.

______. Sobre a genealogia da ética: uma revisão do trabalho. Michel Foucault

entrevistado por Hubert L. Dreyfus e Paul Rabinow (1995). In: DREYFUS, H.;

126

RABINOW, P.. Uma Trajetória Filosófica. Para além do estruturalismo e da

hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995 b.

______. A casa dos loucos. In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979 e.

______. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

______. Os intelectuais e o poder (1972 b). In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro:

Graal, 1979 f.

______. “Omnes et Singulatim”: uma crítica da razão política (1981). In: Ditos &

Escritos, vol. IV. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010 d.

______. Prefácio (Folie et déraison – 1961). In: Ditos & Escritos, vol. I. Rio de

Janeiro: Forense Universitária, 2010 a.

______. Qu’est-ce que la critique? [Critique et Aufklãrung], Bulletin de la Société

française de philosophie, 84º año, nº2, abril-junio de 1990, p. 36-63. In: ERIBON, D..

El infrequentable Michel Foucault. Renovación del pensamiento crítico. Buenos

Aires: Letra Viva, 2004.

HOLLANDA, A. B. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro:

Nova Fronteira, 1975.

GABBAY, R.; VILHENA, J. O sujeito da loucura. In: Lat. Am. Journal of Fund.

Psychopath. Online, v. 7, n. 2, p. 40-53, nov. 2010.

GOFFMAN, E. Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Perspectiva, 1974.

GUATTARI, F.; ROLNIK. Micropolítica. Cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes,

1986.

IBRAHIM, E. Qual o novo endereço da medida de segurança? Palestra proferida na 51ª

Reunião do Fórum Permanente de Execução Penal. Rio de Janeiro: Escola da

Magistratura, 2000.

______. Previsibilidade de Comportamento do Apenado: uma missão totalmente

impossível.