Exercicios de Fisica
97 pág.

Exercicios de Fisica

Disciplina:Física Teórica I1.404 materiais25.187 seguidores
Pré-visualização35 páginas
duas ondas circulares que se

propagam com velocidade de 18 cm/s.

b) interferência entre duas ondas circulares que se

propagam com velocidade de 9,0 cm/s.

c) interferência entre duas ondas circulares que se

propagam com velocidade de 2,0 cm/s.

d) difração de ondas circulares que se propagam

com velocidade de 18 cm/s.

e) difração de ondas circulares que se propagam

com velocidade de 2,0 cm/s.

11. (UNESP 2009) Os valores nominais de uma

lâmpada incandescente, usada em uma lanterna, são:

6,0 V; 20 mA. Isso significa que a resistência elétri-

ca do seu filamento é de

a) 150 Ω, sempre, com a lâmpada acesa ou apagada.

b) 300 Ω, sempre, com a lâmpada acesa ou apagada.

c) 300 Ω com a lâmpada acesa e tem um valor bem

maior quando apagada.

d) 300 Ω com a lâmpada acesa e tem um valor bem

menor quando apagada.

e) 600 Ω com a lâmpada acesa e tem um valor bem

maior quando apagada.

12. (UNESP 2009) Na figura, as setas com as legen-

das p e e representam a direção e o sentido da velo-

cidade de um próton e de um elétron, respectiva-

mente, ao penetrarem numa região de campo mag-

nético constante e uniforme B, em diferentes instan-

tes e com diferentes velocidades.

Considerando que cada uma dessas partículas esteve

sujeita apenas à ação do campo magnético, pode-se

afirmar que, das setas 1, 2, 3 e 4 representadas na

figura,

a) somente a seta 3 pode representar a saída do pró-

ton e a 1 a do elétron.

b) a seta 1 pode representar a saída do próton, mas

não há seta que possa representar a saída do elétron.

c) a seta 3 pode representar a saída do elétron, mas

não há seta que possa representar a saída do próton.

d) as setas 1 e 3 podem representar a saída do próton

e do elétron, respectivamente.

e) as setas 4 e 2 podem representar a saída do próton

e do elétron, respectivamente.

Respostas 1. a 2. b 3. b 4. e 5. c 6. e 7.

c 8. c 9. a 10. a 11. d 12. d

1. (UNICAMP 2009) A tração animal pode ter sido

a primeira fonte externa de energia usada pelo ho-

mem e representa um aspecto marcante da sua rela-

ção com os animais.

a) O gráfico ao lado mostra a força de tração exerci-

da por um cavalo como função do deslocamento de

uma carroça. O trabalho realizado pela força é dado

pela área sob a curva F × d. Calcule o trabalho reali-

zado pela força de tração do cavalo na região em

que ela é constante.

b) No sistema internacional, a unidade de potência é

o watt (W) = 1 J/s. O uso de tração animal era tão

difundido no passado que James Watt, aprimorador

da máquina a vapor, definiu uma unidade de potên-

cia tomando os cavalos como referência. O cavalo-

vapor (CV), definido a partir da idéia de Watt, vale

aproximadamente 740 W. Suponha que um cavalo,

transportando uma pessoa ao longo do dia, realize

um trabalho total de 444000 J. Sabendo que o motor

de uma moto, operando na potência máxima, execu-

ta esse mesmo trabalho em 40 s, calcule a potência

máxima do motor da moto em CV.

2. (UNICAMP 2009) Os pombos-correio foram usa-

dos como mensageiros pelo homem no passado re-

moto e até mesmo mais recentemente, durante a

Segunda Guerra Mundial. Experimentos mostraram

que seu mecanismo de orientação envolve vários

fatores, entre eles a orientação pelo campo magnéti-

co da Terra.

a) Num experimento, um ímã fixo na cabeça de um

pombo foi usado para criar um campo magnético

adicional ao da Terra. A figura abaixo mostra a dire-

ção dos vetores dos campos magnéticos éticos do

ímã BI e da Terra BT. O diagrama quadriculado re-

presenta o espaço em duas dimensões em que se dá

o deslocamento do pombo. Partindo do ponto O, o

pombo voa em linha reta na direção e no sentido do

campo magnético total e atinge um dos pontos da

figura marcados por círculos cheios. Desenhe o ve-

tor deslocamento total do pombo na figura e calcule

o seu módulo.

b) Quando em vôo, o pombo sofre a ação da força

de resistência do ar. O módulo da força de resistên-

cia do ar depende da velocidade v do pombo segun-

do a expressão Fres = bv
2
, onde b = 5,0×10

−3
 kg/m.

Sabendo que o pombo voa horizontalmente com

velocidade constante quando o módulo da compo-

nente horizontal da força exercida por suas asas é

Fasas = 0,72 N, calcule a velocidade do pombo.

Respostas 1. a) 3200 J; b) P = 11100 W = 15 CV

2. a) 10 m; b) V = 12 m/s

1. (UNIFESP 2009) Um avião a jato, para transporte

de passageiros, precisa atingir a velocidade de 252

km/h para decolar em uma pista plana e reta. Para

uma decolagem segura, o avião, partindo do repou-

so, deve percorrer uma distância máxima de 1 960 m

até atingir aquela velocidade. Para tanto, os propul-

sores devem imprimir ao avião uma aceleração mí-

nima e constante de

a) 1,25 m/s
2

b) 1,40 m/s
2

c) 1,50 m/s
2

d) 1,75 m/s
2

e) 2,00 m/s
2

2. (UNIFESP 2009) De posse de uma balança e de

um dinamômetro (instrumento para medir forças),

um estudante decide investigar a ação da força mag-

nética de um ímã em forma de U sobre uma pequena

barra de ferro. Inicialmente, distantes um do outro, o

estudante coloca o ímã sobre uma balança e anota a

indicação de sua massa. Em seguida, ainda distante

do ímã, prende a barra ao dinamômetro e anota a

indicação da força medida por ele. Finalmente, mon-

ta o sistema de tal forma que a barra de ferro, presa

ao dinamômetro, interaja magneticamente com o

ímã, ainda sobre a balança, como mostra a figura.

A balança registra, agora, uma massa menor do que

a registrada na situação anterior, e o dinamômetro

registra uma força equivalente à

a) força peso da barra.

b) força magnética entre o ímã e a barra.

c) soma da força peso da barra com metade do valor

da força magnética entre o ímã e a barra.

d) soma da força peso da barra com a força magnéti-

ca entre o ímã e a barra.

e) soma das forças peso da barra e magnética entre o

ímã e a barra, menos a força elástica da mola do

dinamômetro.

3. (UNIFESP 2009) Estima-se que o planeta Urano

possua massa 14,4 vezes maior que a da Terra e que

sua aceleração gravitacional na linha do equador

seja 0,9g, em que g é a aceleração gravitacional na

linha do equador da Terra. Sendo RU e RT os raios

nas linhas do equador de Urano e da Terra, respecti-

vamente, e desprezando os efeitos da rotação dos

planetas, RU/RT é

a) 1,25 b) 2,5

c) 4 d) 9

e) 16

4. (UNIFESP 2009) Uma pessoa de 70 kg desloca-se

do andar térreo ao andar superior de uma grande loja

de departamentos, utilizando uma escada rolante. A

figura fornece a velocidade e a inclinação da escada

em relação ao piso horizontal da loja.

Considerando que a pessoa permaneça sempre sobre

o mesmo degrau da escada, e sendo g = 10 m/s2, sen

30º = 0,50 e cos 30º = 0,87, pode-se dizer que a e-

nergia transferida à pessoa por unidade de tempo

pela escada rolante durante esse percurso foi de

a) 1,4 x 10
2
 J/s b) 2,1 x 10

2
 J/s

c) 2,4 x 10
2
 J/s d) 3,7 x 10

2
 J/s

e) 5,0 x 10
2
 J/s

5. (UNIFESP 2009) No quadriculado da figura estão

representados, em seqüência, os vetores quantidade

de movimento da partícula A antes e depois de ela

colidir elasticamente com a partícula B, que se en-

contrava em repouso.

Sabe-se que a soma das energias cinéticas das partí-

culas A e B manteve-se constante, antes e depois do

choque, e que nenhuma interação ocorreu com ou-

tros corpos. O vetor quantidade de movimento da

partícula B após o choque está melhor representado

por

a) b)

c) d)

e)

6. (UNIFESP 2009) Um fluido A, de massa especí-

fica ρA, é colocado em um tubo curvo aberto, onde

já existe um fluido B, de massa específica ρB. Os

fluidos não se misturam e, quando em equilíbrio, B

preenche uma parte de altura h do tubo. Neste caso,

o desnível entre as superfícies dos fluidos, que se

encontram à pressão atmosférica, é de 0,25 h. A fi-

gura ilustra