Aula 4 Diversificação competencias

Disciplina:ECONOMIA INDUSTRIAL121 materiais1.175 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Diversificação, competências e coerência produtiva
José Alcides Gobbo, Jr.
 gobbo@feb.unesp.br

Capítulo 14 – Março de 2011

					
						

					
						

					
						
1.	Introdução

					
						

					
						

					
						
Introdução
O fenômeno da diversificação refere-se a expansão da empresa para novos mercados distintos de sua área original de atuação
A diversificação é uma alternativa interessante para viabilizar o crescimento da empresa, na medida que permite superar os limites de seu mercado e aumentar o potencial de acumulação.
Essa aula tem como foco analisar as possíveis direções do processo de diversificação em termos de similaridade com as atividades originais da empresa, bem como condicionantes internos e externos.

					
						

					
						

					
						
Introdução
1) Caracterização e mensuração do fenômeno diversificação;
2) Direções possíveis no processo de diversificação;
3)Diversificação e crescimento da empresa;
4) Condicionantes internos a empresa no processo de diversificação;
5)Condicionantes externos á empresa no processo de diversificação;
6) Formas de diversificação: investimentos em nova capacidade e operações de fusões/aquisições

					
						

					
						

					
						
1) Caracterização e mensuração do fenômeno diversificação;
A concorrência muitas vezes obriga as empresas a se expandirem para diferentes mercados, diversificando-se em seus campos de atuação.
A discussão do fenômeno da diversificação costuma ser analisada quanto: aos impactos da dinâmica concorrencial sobre a lógica do processo de expansão da empresa para novos mercados;
quanto a série de fenômenos que ocorrem no interior da empresa – como se estruturam competências e como isso afeta a formulação de estratégias capazes de orientar seu posicionamento frente a evolução externa; além disso o vinculo que se estabelece entre a diversificação e o compromentimento de recursos.

					
						

					
						

					
						
1) Caracterização e mensuração do fenômeno diversificação;
A caracterização e a mensuração do processo de diversificação são afetados pelos elementos utilizados para diferenciar o conjunto de atividades realizadas pelas empresas, podendo estabelecer uma distinçao relacionadas a base técnica-produtiva e a base comercial dessas atividades.
Processo de produção e as tecnologias empregadas;
Caracteristicas do processo de comercialização bem como canais de distribuição e base de clientes.

					
						

					
						

					
						
2) Direções possíveis no processo de diversificação
Na literatura de diversificação é possível identificar determinadas direções que orientam o processo. Critérios básicos:
Proximidade existente entre as atividades originais da empresa e as novas atividades para os quais ela está se expandindo (diversificação horizontal ou integração vertical)
Grau de similaridade existente entre as atividades originais da empresa e as novas atividades em termos de competencias produtivas e gerenciais.

					
						

					
						

					
						
Diversificação Horizontal
Esse tipo de diversificação consiste na introdução de produtos que de alguma forma estejam relacionados aos produtos originais da empresa em termos de mercado;
Basicamente busca explorar economias de escopo e de comercialização.
Ex: American Girl

					
						

					
						

					
						
Diversificação Horizontal
A disseminação de práticas baseadas em esforços de vendas e propaganda, paralelamente ao fortalecimento da marca comercial da empresa, facilita a entrada em novos negócios
A diversificação horizontal amplia a possibilidade de realização do potencial de acumulação da empresa, elevando sua flexibilidade operacional e diminuindo sua vulnerabilidade da demanda em seu mercado original

					
						

					
						

					
						
Diversificação Horizontal
É possível elevar a capacidade de financiamento por meio de “subsidios cruzados”, ou seja, por meio de transferencia de recursos que permita a empresa empreender práticas para ganhar mercado.

					
						

					
						

					
						
Diversificação (integração) vertical
No caso da integração vertical, a empresa assume o controle sobre diferentes estágios (ou etapas) associados a transformação de insumos em produtos finais.
Na diversificação vertical a criação do produto ou serviço requer a passagem dos materiais e informações através de uma cadeia de plantas especializadas.
Dois tipos de integração vertical: a para trás (upstream) que corresponde a entrada em estágios anteriores no processo de produção e a para frente (downstream) que envolve a entrada em estágios posteriores.

					
						

					
						

					
						
Diversificação (integração) vertical
Quando a empresa integra para trás, ela costuma entrar em negócios mais intensivos em capital. Quando integra para frente, a empresa enfrenta funções de marketingmais complexas do que as que vinha enfrentando.

					
						

					
						

					
						
Diversificação concêntrica
Nessa diversificação, o aspecto crucial refere-se a exploração do núcleo de competências essenciais da empresa, como fonte de vantagem competitiva para entrada em novas áreas de atuação.
A empresa baseia sua estratégia de diversificação no acumulo de uma capacitação genérica que pode ser utilizada em diferentes mercados.
A empresa busca explorar o núcleo de competências essenciais, o que tende a sobrepor e a se confundir com as alternativas de diversificação horizontal e vertical

					
						

					
						

					
						
Diversificação em conglomerado
A evolução de uma estratégia de diversificação concêntrica para uma estratégia de diversificação em conglomerado envolve uma progressiva redução dos níveis de sinergia entre as atividades da empresa, até atingir uma situação em que a inter-relações são tão tênues que a empresa poderia ser visualizada como um conjunto de atividades não relacionadas.

					
						

					
						

					
						
Diversificação em conglomerado
3 mudanças que ocorrem:
Surgimento de novas oportunidades atrativas para realização de investimentos;
O impacto desestabilizador de uma inovação tecnológica mais radical sobre as atividades da empresa;
Induzida por um nível especifico de especialização da empresa, que a impede de obter sinergias.

					
						

					
						

					
						
Diversificação em conglomerado
A entrada em atividades muito diferentes entre si pode acarretar:
Origem a uma estrutura organizacional confusa e a uma elevação dos níveis de risco do portfólio e o de negócios de empresas.
Grande variedade de produtos e mercados o que resulta no aumento do risco e redução da flexibilidade operacional
Falta de articulação entre atividades
Risco de falta de capacidade para desenvolvimento tecnológico

					
						

					
						

					
						
Diversificação e
crescimento da empresa
A diversificação proporciona uma série de benefícios que permitem acelerar o ritmo de acumulação da empresa:
Busca de novas áreas de atuação enquanto alternativa para acelerar o crescimento da empresa
Incremento da eficiência tecnico-produtiva , envolvendo a exploração de sinergias e melhor utilização dos recursos
Ampliação da rentabilidade

					
						

					
						

					
						
Diversificação e
crescimento da empresa
Segundo Edith Penrose a empresa é vista como um agrupamento de recursos produtivos tangíveis e intangíveis que são capazes de gerar serviços responsáveis pela viabilização do processo de produção.
Os serviços gerenciais assumem um caráter único em cada empresa e influenciam decisivamente o processo de crescimento, além dos níveis de risco e expectativas.
A complexidade do processo de expansão irá aumentar o comprometimento de serviços gerenciais com o processo de expansão. A proximidade com as atividades originais reduz a necessidade de serviços gerenciais.

					
						

					
						

					
						
Condicionantes internos
da empresa
A expansão para novos mercados é afetada pela “especialização” preexistente das empresas. O nível de especialização está relacionado a duas dimensões:
À maneira como se articulam as diversas