ok clin equi 02.05.11
19 pág.

ok clin equi 02.05.11

Disciplina:Clínica Médica Veterinária De Equídeos12 materiais174 seguidores
Pré-visualização5 páginas
Clínica Médica de Eqüinos
Rio, 02/05/2011
Alexandra Woods

Rickettsia
Febre do potomaque. No Rio potomaque andaram dizendo que tinha Rickettsia.
Descobriram que é uma neoricketsia.
Agente tem que conseguir identificar.

Qual a característica da febre do rio do potomaque, dessa neoricksiose:
Ela faz a tiflocolite, que é o processo inflamatório do cólon, e ela é bastante grave e hemorrágico, então eles fazem aquela diarréia escura, sanguinolenta (não é sangue vivo!) e fétida.
	Agente não tem muita descrição de caso aqui no Brasil.

Vamos ter então:
- Diarréia profusa e escura,
- Febre de 39-40ºC,
- Desconforto abdominal.
- No inicio agente tem uma leucopenia
- Laminite em 30-40% dos casos

Nas colites agente não tem a laminite como achado freqüente, mas as vezes agente encontra em torno de 30-40% de alguns casos de febre de protomaque fazendo laminite, e acaba desencadeando mais a diminuição de resistência desses animais. Mas mesmo assim também não é como nas duodenojejunites.

Clostridium
Causa a colite X. Tenho muitas vezes a morte desse animal sem o surgimento da diarréia. Então antigamente era chamado de colite X porque agente não identificava quem era o agente, então chamava-se de colite X, hoje agente sabe que é um clostridium, principalmente o clostridium dificili. Na verdade o maior problema são as toxinas, são em torno de 3 toxinas, e essas toxinas acabam fazendo um estrago muito grande, relacionado a um fator estressante muito intenso. Antigamente era relacionado a viagens longas (viagem de trem, avião, etc.) onde eles chegavam no destino e muitas vezes morria, ai se viu no achado de necropsia que tinha lesões no trato digestivo e não chegava nem a fazer a diarréia, eram mortes rápidas.

Diagnostico:
	- ELISA.
- Identifica essas toxinas nas fezes
- Pode fazer avaliação através da citotoxicidade do tecido
- PCR
	- Cultura
	- Biopsia em reto pra avaliar lesões teciduais

Tratamento
	- Metronidazole (de preferência por drogas via oral se não tiver, faz via retal)
	- Hidratação (sempre!)
	- Drogas antiinflamatórias: flumexin meglumine
	- Assistência a outros problemas como: tentar evitar estresse muito grande, tentar manter a integridade pulmonar, ir avaliando a semiologia, auscultar intestino e também tórax, e avaliando as funções.

Muitas vezes agente não consegue salvar, dependendo da história.

Outra causa de colite bastante comum é a Colite induzida por uso prolongado de antibióticos. Mas ai agente tem principalmente as eritromicinas (que costumam ser bastante agressivas), as tetraciclinas, e ai elas agem de 2 formas:
- Na forma em que há uma redução da flora bacteriana normal, então a microbiota a partir do momento em que agente começa a fazer um tratamento com antibiótico, a microbiota normal vai sofrer, qualquer alteração que eu tenha nesse ambiente, vai haver exacerbação de baterias patológicas (patogênicas). Se alterou o pH ali, principalmente a Salmonela se exacerba.
- Agente pode ter proliferação e aderência de bactérias enteropatogênicas. E alem disso agente pode ter a agressão tecidual. Por que: reduziu flora normal, exacerbou patogênicas.
- Além disso, principalmente as tetraciclinas e as eritromicinas elas causam irritação tecidual.

Outra colite é a induzida pelo uso de antiinflamatório.
Se agente usa antibiótico agente predispõe a colite. Se agente usa antiinflamatório agente predispõe a colite.

Antiinflamatório, o principal vilão é a fenilbutazona.
Ceco e cólon são os mais susceptíveis. Ela irrita bem a mucosa.

- Agente tem as cólicas intermitentes, temos hipoproteinemia (por conta da irritação da mucosa agente tem alteração na absorção, agente acaba tendo fuga das proteínas pra luz intestinal), perda de peso.
- A diarréia pode ser mais intensa ou menos intensa, vai depender da intensidade da lesão que eu tenho nessa parede intestinal. Dependendo da intensidade dessa colite vai acontecer uma diarréia mais intensa ou menos intensa.

- Reposição hidroeletrolítica.
- Isoprostol é proibido hoje em dia, tem intenção de diminuir a agressão desses antiinflamatórios na muscosa. O isoprostol era antigamente usado pra quem usa ulcera, ai descobriram que ele era abortivo, com isso proibiram o seu uso.

Tratamento: O que vc tem que fazer é retirar a causa, ou seja, tem que suspender o tratamento com a fenilbutazona por exemplo.

Colite por pequenos Strongylus
Colite por ciastotomiase
Os pequenos strongylus migram pela mucosa e pra poder mudar de estágio, então eles migram pela mucosa (diferente do grande strongylus) e vão fazer hipobiose. Vão mudar de estágio, e uma vez saindo da larva vão deixar uma cicatriz na mucosa.

Eles causam o que agente chama de colite linfoplasmacítica e granulomatosa, na verdade é uma colite granulomatosa. Todos os focos de hipobiose viram cicatrizes e isso acaba atrapalhando o funcionamento dessa área. Então acaba levando a um quadro crônico de diarréia.
Vemos a presença dessas larvas, desses pequenos strongylus.

Vamos ter o cavalo com as seguintes características:
Cólicas leves e recorrentes, perda de peso e mau desempenho.
Ele come, está sempre diarréico e não engorda nunca.

Geralmente é histórico em que não há vermifugação
São animais mais largados, agente vê pêlo fosco, animais magricelos, fezes nunca são consistentes.

Vemos nas pregas os focos de hipobiose na mucosa. Isso causa edema, incha e leva a uma alteração na capacidade de absorção nas regiões onde eu tenho esses granulomas.

Diagnostico diferencial:
Duodenojejunite e colite.
(quadro)

Tratamento das colites
Fluidoterapia: grandes volumes sempre.
Ringer com lactato ou ringer simples. Vai depender do quadro que agente tenha.

Plasmaterapia: Se eu tenho hipoproteinemia eu tenho que repor com plasmaterapia, principalmente nos potros.
Repomos proteínas e depois fazemos a fluido porque os eles desidratam muito rápido.

Suplementação nutricional.
A nutrição parenteral é feita porque se ele está com colite, ele está com dificuldade de absorção gástrica.

Glicose.
Preciso fazer glicose também porque eles precisam de kcal também. Mas lembrar que a glicose também desidrata, então tenho que hidratar pra depois repor glicose.

AINEs: meloxicam, flumexin meglumine
Posso utilizar polimixina B que tem uma ação antiendotoxemia, então posso utilizar o flumexin meglumine com uma polimixina B.

Pra neorickettsia: posso fazer tetraciclina.

Salmonela: posso usar a penicilina cristalina associada à gentamicina.
Nas salmoneloses, a gentamicina costuma ser uma indicação bem boa, tem um efeito bom, mas temos que ter cuidado porque ela é nefrotóxica.

Diminuir secreção, com anti-secreção: caolin, subsalicilato de bismuto e carvão ativado. Vão dar uma “secada” e faz uma película protetora, com isso vc diminui a absorção dessas endotoxinas porque elas dão uma proteção na mucosa.

Em geral agente utiliza isso.

O subsalicilato de bismuto é um protetor de mucosa, e ele tem algumas características: inativar toxinas bacterianas, tem ação antiinflamatória e anti-secretora, tem efeito bacteriostático (então é bom pra: e. coli, salmonella, shuguella, campylobacter).
O Subsalicilato de bismuto só pode ser utilizado por 24 a 48 horas no máximo, pois ele é tóxico pro cavalo. Então o que eu faço como clínica: uso dentro das primeiras 24 horas apenas, mas a margem na literatura é de 48 horas.
Só que ele tem ficado muito caro porque ele é uso humano, não tem uso veterinário pra usar na dose recomendada.

Carvão ativado: ele faz uma película de proteção na mucosa

Caolim + pectina :
Dentro dos produtos veterinários, temos o kaobiotic, que tem uma associação com antibióticos, mas a professora prefere dar separado, mas se só tiver associado agente usa esse. Temos que quando usamos essas soluções de kaobiotic da vida, vc já tem antibiótico na forma, então agente precisa lembrar de repor flora sempre, porque as vezes não é o antibiótico que vc elegeu pra fazer aquele tratamento, então vc vai associar o antibiótico, e de repente vc está dando uma carga antimicrobiana maior e ai vc precisa dar uma equilibrada