ok clin equi 02.05.11
19 pág.

ok clin equi 02.05.11

Disciplina:Clínica Médica Veterinária De Equídeos12 materiais173 seguidores
Pré-visualização5 páginas
aborto
	Achados de exame físico
		Febre 41,1ºC
		Paresia e ataxia de tronco e membros (agudo)
		Gravidade = 40 a 60 horas
		Membros pélvicos = + grave
		Fasciculações evidentes em membros torácicos

Achados de anamnese: quando não tem histórico de vacinação. Porque eu vacino as éguas e posso vacinar os potros. Histórico de doenças respiratórias ou aborto na propriedade.
As manifestações: febre, paresia e ataxia (tronco, então são tanto nos anteriores quanto nos posteriores), entre 40-60 horas se agente não consegue reverter esse quadro agente vai acabar perdendo esse animal, não conseguimos mais reverter.
A ataxia nos membros pélvicos, e as fasciculações nos membros torácicos
Se o quadro dela, de 24 a 48 horas o quadro não está evoluindo para cura, ela começa a se agravar, e se continuar agravando, vc perde o animal.

Diagnostico
	Presuntivo: sinais nervosos e cistite
		Leucopenia grave
		Liquor = aumento proteína
	Isolamento de partículas virais de swab de nasofaringe
	Titulação: aumento de 4x nos títulos de anticorpos neutralizantes do vírus ou fixação de complemento (amostras fase aguda e convalescença com intervalo de 7-10 dias).

	Diagnostico: presuntivo, com os sinais neurológicos e cistite. Posso ter uma leucopenia grave, posso ter aumento de proteína no liquor (se colher, dificilmente vai se colher liquor).
Isolamento de partículas virais de swab de nasofaringe, faz com que eu vá suspeitar do herpesvirus tipo I, se for mesmo, eu vou ter isolamento na nasofaringe.

	Posso fazer a titulação: deve ser feita depois com a convalescência com intervalos de 10 dias aproximadamente pra que eu tenha a certeza que o animal está zerado.
	Parece que eles ficam com uma titulação dentro de um parâmetro como se fosse normal, quando ela aumenta essa titulação ela estaria tendo um quadro de viremia. Se ela teve o contato, ela vai ter a titulação que estaria dentro da normalidade, com isso vc tem que acompanhar pra ver se tem aumento na titulação.

Tratamento
Suporte
	Dexametasona
	DMSO no soro glicosado ajuda
Controle
	Vacinação pra rinopneumonite
	Na vacinação das éguas que não tem controle é feito no 5, 7 e 9º mês de gestação

Tratamento: de suporte.
Dexametasona: uns dizem que funcionam e outros dizem que não, mas a professora acha que vale a pena fazer.
DMSO no soro glicosado dá uma ajuda.
Alem disso, não tem o que fazer. Vc faz a vacina pra rinopneumonite. Faz a vacinação daquelas éguas que não foram vacinadas, onde é feito no 5, 7 e 9º mês de gestação. E fora isso, coloca-se todo o esquema de vacinação e controle da vacinação na propriedade.

Principais problemas neurológicos nos eqüinos
Fúngicos
	Leucoencefalomalacia (LEME)
		Degeneração da substancia branca subcortical. É fatal
		Curso rápido => média de 24 horas após inicio dos sintomas
	Etiologia: ração mal conservada
		Fusarium moliniforme => toxina Fumonisina B1, que leva a degeneração

Não tem o que fazer na LEME, o cavalo vai morrer e vai morrer rápido. Agente tem degeneração da substancia branca subcortical, é fatal.
O curso é rápido, então em torno de 24 horas após o inicio dos sintomas ele morre.
	O agente que causa é o Fusarium moliniforme, ele produz varias toxinas, principalmente a fumonisina B1 como sendo a que faz o estrago maior. depois que os sintomas aparecem, a degeneração é tão grande que não adianta nem vc entrar com um antifúngico, porque já tem uma quantidade suficiente de toxinas que degenerou.
Importante a conservação da ração, conservação dos grãos (principalmente o milho) que vão fazer a ração, é onde vão ter os fungos.

Laucoencefalomalacia (LEME)
Patogenia = incerta
	Uma ou associações de toxinas levam a hepatite toxica e degeneração da substancia branca subcortical

Sinais clínicos = relacionados à encefalopatia hepática
	- liquor => aumento de CK. Glicose e proteína podem estar aumentadas
	- surgimento em media 3 meses após a ingestão (mínimo 2 semanas e máximo 6 meses).

Patogenia é incerta porque não se sabe ao certo até que ponto existe associação, o que se sabe hoje em dia é que a fumonisina é uma das toxinas.
Agente tem uma hepatite tóxica e uma degeneração da substancia branca. Então é muito rápido o processo degenerativo.

	Sinais clínicos são relacionados à encefalopatia hepática, então aqueles sinais de perda de orientação, mastigando, etc. Posso ter alteração no líquor.
Em média depois de 3 meses da ingestão de quantidade do alimento contaminado (toxina), ele vai manifestar (a literatura cita que em média 2 semanas a no máximo 6 meses).
Diz que existe um nível aceitável de toxinas nos brônquios

Diagnostico = baseados nos achados clínicos e observação da qualidade da ração
	- Milho contaminado apresenta coloração púrpura ou marrom avermelhada
	- Tolerância de contaminação = 10 ppm de toxina, mas 8 ppm já pode provocar a doença.
	- Achados de necropsia = Fígado e cérebro

Tratamento = Suporte
	- Vitamina B1
	- Glicose

Diagnostico: baseados nos achados clínicos, na observação da qualidade da ração. O milho contaminado apresenta uma coloração um pouco avermelhado (o milho normalmente é amarelo). Às vezes vc encontra uma ração avermelhado-amarronzada.
A literatura diz que ingestão de 10bbm de grão contaminado, mas estudos feitos, encontraram que cavalos com 8bbm morreram.

Achados de necropsia vou confirmar com o fígado e o cérebro.

Tratamento: de suporte, pode dar B1, glicose. Mas é fatal.