ok clin equi 16.05.11
21 pág.

ok clin equi 16.05.11

Disciplina:Clínica Médica Veterinária De Equídeos12 materiais174 seguidores
Pré-visualização6 páginas
Temos um problema, porque se ele tem 30 dias.
	- TFDS = óleo de fígado de bacalhau
	- Retirar alimentos ricos em PTN e carboidratos
	- Alfafa e verde (capim) de boa qualidade
	- Casqueamento e ferrageamento (???)
	- Cirurgia: Desmotomia (ligamento carpiano); Tenotomia (TFDS).

	Até os 6-7 meses, a tetraciclina é um quelante de cálcio que não é bem explicado o porquê, mas nessa faixa etária, a tetraciclina relaxa esses tendões. Não se sabe o porquê, mas é o tratamento preconizado. Com 8 meses já não funciona mais.

	Selênio e vitamina E. Temos um problema: se ele tem 30 dias, às vezes agente fica com problema pra aplicação porque é oral. Antigamente tinha uma formulação IV, só que não conseguiram mais estabilizar a molécula, então tiraram do mercado, mas era um produto muito bom, mas alguns cavalos tiveram choque (professora nunca teve nenhum problema utilizando esse medicamento nos cavalos) e eles tiraram do mercado.

Quando eu tenho pro TFDS, pode ser feita uma massagem com óleo de fígado bacalhau ou massagem com lanolina, que ajuda a relaxar. Na verdade, dizem que agente usa o óleo de fígado de bacalhau por conta do cheiro pra saber se o pião estava passando.

	Retirar alimentos ricos em proteínas e carboidratos, principalmente naqueles animais com mais de 1 ano. Se eu tenho desequilíbrio de cálcio e fósforo ou um crescimento em excesso eu coloco esse animal numa dieta só de capim, com alfafa e capim de boa qualidade.

Casqueamento e ferrageamento (???): as interrogações é porque antigamente se tinha idéia que cortando o casco vc acertava a deformidade (o defeito), mas hoje em dia se sabe que não é assim, até porque depois de uma certa idade o que ficou ficou, e não tem mais como mudar. Ex. animal com 3 anos de idade e ele tem uma deformidade na projeção do boleto, não tem o que mudar.
Antigamente quando se via em livros de casqueamento, mais antigos, vc vê ferraduras próprias pra tirar a incidência da forca, pra forçar o boleto pra trás, mas se sabe hoje em dia que isso não adianta.

Dependendo do grau vc vai pra cirurgia:
Desmotomia: ligamento carpiano pra afrouxar, nos casos mais graves em que o boleto está totalmente pronunciado pra frente. O animal não vai ser mais funcional.

Epifisite
	- Displasia da cartilagem metafisária.
	- Alteração inflamatória da desorganização estrutural da matriz óssea e da cartilagem de conjugação da linha de crescimento ósseo.
	- Pode acometer os animais até 2 anos.

	A epifisite é uma displasia da cartilagem metaepifisária, é um processo inflamatório que aconteceu. Pode ter influencia de forças também. Só que ai eu tenho na verdade uma alteração inflamatória que pode ser conseqüência dessas influencia de forças. Ai vai ter uma desorganização nessa estrutura.

	Isso é dolorido. Agente vai observar que eles alteram o apoio e agente percebe um aumento do volume. Tem no boleto, mas principalmente nos metacarpos, ou seja, em geral agente observa na região cárpica medial, mas também metacarpofalangeanas (no joelho).
	Em geral agente observa na região medial. Pode ser uni ou bilateral.

Epifisite
Causas:
- Alterações alimentares:
	Excesso de proteínas e carboidratos e deficiente assimilação ou desequilíbrios no metabolismo Ca e P.

- Sobrecarga da placa epifisária:
	Exercício em demasia, treinamento inadequado, obesidade e defeitos de conformação dos membros.
		
Causas: problemas alimentares, sobrecarga da placa epifisária. E ai em conseqüência eu posso ter o desvio angular. Quando aparece agente vai tratar, e ai vamos tentar reverter o processo inflamatório, reverter a alteração da cartilagem pra que ele tenha o crescimento normal.
Então a própria sobrecarga, as alterações alimentares (os desequilíbrios de cálcio e fósforo que podem ser tanto porque não está recebendo equilibrado ou porque ele não consegue metabolizar ou porque ele está ingerindo muito oxalato que se liga ao cálcio e ele não consegue manter o cálcio no organismo dele) e ai ele acaba fazendo alteração.

Epifisite
- Sinais => espessamento articulação radiocarpal (principal).
- Diagnostico
	- Histórico de treinamento; desequilíbrio sérico na relação Ca:P
	- Deformidade angular dos membros; RX
- Tratamento => depende da precocidade do atendimento
	- Suplementação mineral adequada
	- Correção das alterações dos aprumos quando possível
	- Retirar o excesso de proteínas e carboidratos ou até suspender

	- Temos o espessamento, é principalmente radiocarpal medial.

Diagnostico:
	Histórico de treinamento. Uma coisa que agente costuma ver: bota potro no rodandel com areia pesada (vemos muito isso em campolina e PSI), e as pessoas se esquecem que ele ainda está em formação, então bota pra rodar e quando vc vai ver o animal nem consegue mais andar direito.
	Deformidades angulares e a radiografia fecham o seu diagnóstico

Tratamento:
 Depende da precocidade. Depois que está calcificado já era, ele fica assim pra sempre (“torto”) com o defeito angular como conseqüência.
- Suplementação mineral adequada.
- Correção de aprumo. Se eu tenho uma conformação ruim, eu posso pensar em equilibrar essa conformação pra evitar esses desequilíbrios, agora, não trato essa correção. Ou seja, com a correção eu previno e diminuo o impacto causado.
 -Retirar o excesso de proteínas e carboidratos. (Dependendo da situação) Tenho que prestar atenção no equilíbrio de cálcio e fósforo (dependendo posso até fazer a dosagem).

Osteocondrose (OCD)

- Fatores predisponentes:
	- Hereditariedade
	- Machos (massa corpórea, mais pesados)
	- Raças com alta taxa de crescimento
	- Rações com alto teor energético
	- Trauma
>Potros em crescimento ativo:
- Manifestação através de epifisite, cistos subcondrais e bordas cartilagíneas dissecantes.

Osteocondrose (OCD)	
	Temos os fatores que podem predispor como: hereditariedade, machos (porque tem uma massa corpórea mais pesada), raças com alta taxa de crescimento (ex. campolina), rações com alto teor energético e os traumatismos.

	Normalmente agente vai observar nesses potros em crescimento sinais de epifisite. Então os potros que apresentam epifisite podem ter a osteocondrose. Os potros que apresentam cistos subcondrais e os potros que apresentam bordas cartilaginosas que são dissecantes, ou seja, as alterações articulares por conta das epifisites, por conta da formação de cistos e por conta dessas bordas, são os responsáveis dessa osteocondrose. Isso vai manifestar a sintomatologia, que é uma claudicação, por conta dessas alterações.
Ocorre principalmente pelos treinamentos mal feitos, pelo desequilíbrio cálcio e fósforo (porque se não tiverem uma proteção óssea adequada eles não vão além, pois é um animal pesado e atleta).

Osteocontrose (OCD)
- Fisiopatogenia:
	- Alterações vasculares não ocorrendo diferenciação celular condroblastos – osteoblastos sendo mantida a zona cartilaginosa.
	- Calcificação irregular com cartilagens espessadas
	- Dificuldade de difusão de nutrientes – necrose das camadas basais
	- Inferioridade biomecânica – “retalhos” dissecantes.
	- Cistos subcondrais e derrame articular.

	Temos alterações vasculares que fazem com que não haja degeneração.
O que acontece: qualquer compressão que eu tenha, se eu comprimir eu comprimo vasos, com isso tem falta de nutrição, e se não está nutrindo as células eu vou ter uma alteração.
	Calcificação irregular: faz com que eu possa ter a cartilagem epifisária mais espessa, e isso pode fazer com que eu fique propenso a essas lesões por conta dessas áreas dessecantes.
	Dificuldade de difusão de nutrientes por conta dessas alterações ocorre necrose das camadas basais, porque não tem suprimento sanguíneo, acaba levando uma isquemia e necrose da região. Isso tudo é micro, está acontecendo que vai acabar gerando a predisposição a essas formações (tanto cistos, derrames articulares, etc.)
	Inferioridade biomecânica: ou seja, se eu tenho incidência de forcas irregulares, a capacidade biomecânica dele é irregular, eu posso cortar uma parte e fazer com que eu tenha uma lesão e essa lesão pode me gerar o que agente chama de “retalhos dissecantes”