Gabarito_Caso_2s-2011_Naturalis_sem_bonus
4 pág.

Gabarito_Caso_2s-2011_Naturalis_sem_bonus

Disciplina:Responsabilidade Social e Governança Corporativa10 materiais369 seguidores
Pré-visualização2 páginas
pode não estar sendo cumprida de forma adequada. Apesar de a Naturalis contribuir com ajuda financeira a ONGs infantis desde 2009, na situação em que as comunidades baianas reclamam dos valores pagos e da falta de investimento social da Naturalis, a empresa se defende afirmando que “não tem responsabilidade sobre o que as cooperativas fazem com o dinheiro ganho”, evidenciando que, neste caso, adotou a visão clássica de RSC. Ou seja, ela não se sente responsável sobre o aspecto social das comunidades fornecedoras de matéria–prima.

No geral, pode-se admitir, com base na análise anterior que ela age com Responsabilidade social, mas o argumento usado para se defender das acusações das comunidades baianas é, no mínimo, estranho.

4ª QUESTÃO

Recentemente a Naturalis descobriu que em uma das comunidades mais carentes com que trabalha (trata-se de um fornecedor) na Amazônia, estão sendo usadas seis crianças entre 12 e 14 anos para trabalhar na colheita de frutos. Os líderes da comum idade alegam que falta mão de obra e que sem a ajuda das crianças, as metas de produção da Naturalis não serão cumpridas e a comunidade não receberá dinheiro suficiente para se sustentar. Trata-se de um dilema ético para a Naturalis? Como a Naturalis deveria tratar da questão de acordo com os seguintes princípios éticos:

RESPOSTA:

a) do utilitarismo?
Pelo princípio do utilitarismo, que leva em conta as conseqüências que beneficiem a maioria, se
a Naturalis entender esta maioria como sendo a comunidade amazônica permitirá o uso de menores no trabalho para não prejudicar a renda da comunidade. Se ela entender a maioria como sendo a sociedade em geral, não deveria aceitar o trabalho infantil, pois este é um conceito que acaba prejudicando muitas crianças no país inteiro.

b) do direito?
Pelo conceito do direito, ela não deveria aceitar o trabalho infantil, pois é um direito das crianças, aceito pela nossa sociedade, não terem de trabalhar. Neste caso, ela poderia aumentar o valor pago à comunidade com a condição de que não se usasse trabalho infantil.
�PAGE �

�PAGE �4�