ok clin equi 21.03.11
11 pág.

ok clin equi 21.03.11

Disciplina:Clínica Médica Veterinária de Equídeos18 materiais219 seguidores
Pré-visualização4 páginas
o potro nasceu e agente não tem como atender da forma que agente precisa.
Descompressão gástrica
Correção dos déficits
Restabelecimento da função intestinal normal
Combate a endotoxemias. Combater as infecções em si, e ai eu vou ter que entrar daquela maneira com antibiótico. Ai tem que ser na dosagem correta pra não predispor a resistência bacteriana

Descompressão gástrica
-Sondagem nasogástrica
-Cirurgias para remoção de segmentos intestinais inflamados.
Mas às vezes não dá tempo. Colocar na mesa pra retirar os pedaços que estão inflamados, é complicado a partir do momento que não tenho uma condição estável desse potro/cavalo Agora, pra que eu vou fazer a cirurgia para fazer essa remoção de segmentos intestinais inflamados? Porque nos segmentos inflamados eu vou ter um aporte maior de liquido fazendo com que haja maior quantidade de refluxo e ai eu vou dessa forma conseguir diminuir essa distensão. Só que ai, é meio incoerente, pois se eu não tirar a causa (não descobrir essa causa) o animal vai pra cirurgia, eu retiro alguns eixos que estão inflamados e posso inflamar outros trechos.

Correção de fluidos:
- Sempre que agente tem um problema digestivo agente nunca vai fazer reposição de fluidos parenterais, sempre os fluidos são IV.
- Geralmente grandes volumes de reposição
Se eu tenho um refluxo de 8-10L e se é um potro, eu tenho que repor essa perda que ele está tendo.
Lembra que a perda da manutenção dos potros: 100ml/kg (manutenção no potro é muito maior do que no cavalo adulto) e a reposição (manutenção) pra adultos é de 50ml/kg.
Os volumes na reposição são grandes, porque o processo de desidratação é muito rápido.

Se eu tenho uma recuperação, e ai eu preciso estimular a digestão, eu posso fazer uma nutrição parenteral. Então dependendo da situação, em processos melhores, onde eu tenho o processo inflamatório controlado, onde eu tenho que estimular a volta, eu ai posso fazer uma nutrição parenteral.
OBS: não adianta querer repor fluido parenteral se ele tem um refluxo ainda, se eu tenho um processo inflamatório intenso.

Restabelecimento da função intestinal normal:
- Flumixine meglumine (banamine), ranitidina IV (protetor).

Combate a endotoxemias e infecções
- +/- Antimicrobianos
(alguns antimicrobianos que vc utiliza, que quando começam a ter efeitos sobre as bactérias, vc começa a ter o restabelecimento da função)
Ex. gentamicina (ser administrado com cuidado, não recomendado pra animais desidratados), penicilina, penicilina G-potássica (a cada 6 horas) (procaína)

Flumexin meglumine como anti-endotoxemico + gentamicina como antimicrobiano.
Então vc pode começar com meloxican, mas o meloxican não tem característica endotoxemica quanto o flumexin-meglumine.

Se eu não conseguir controlar em 24 – 48 horas, eu perco esse animal.

Tenho que avaliar o que vou fazer. A professora primeiro entraria com flumexine, poderia entrar ate com as doses de 2x ao dia, faço a metade da dose 2x ao dia que eu tenho um efeito nas endotoxinas. E vou ter um efeito no meu processo inflamatório. A ranitidina vai proteger melhor IV.
Pra antibiótico temos uma série deles.

Se o animal está desidratado, temos que repor, restabelecer. E ai vc entra com a gentamicina (tem que ter cuidados com a gentamicina! Não posso fazer a gentamicina por 3 dias só, é caro, por isso que vc tem que acompanhar toda a resposta que ele está tendo, e quando for retirar a gentamicina é fazer gradativo de preferência. Dá pra fazer mínimo de 5 dias de gentamicina, se acompanhar com a penicilina ai segue a penicilina por 7 dias), o ideal é que eu tenha um acompanhamento laboratorial de urina e sangue.

A própria penicilina G-potássica IV funciona.
Mas detalhe: a penicilina G-potássica tem que ser aplicada de 6 em 6 horas, IV. Quem vai fazer isso? É complicado.
Têm outros (quando tivermos falando da salmonela e da colite vamos ver alguns antibióticos)

- Vamos passar sonda naso-gástrica pra fazer descompressão

- Vamos administrar fluidos: em torno até no máximo 100 litros por dia (exige boa cateterização venosa). Se eu pegar um potro com 12% de desidratação, dificilmente vc consegue reverter.

Endotoxemia:
	- AINEs: pra controlar.
	- Posso fazer: polimixina B ou posso fazer a Pentoxifilina. Que são drogas que ajudam a controlar a endotoxemia. (são antimicrobianos)
Então além da flumexina glumine, eu posso utilizar mais uma dessas duas drogas (Polimixina B ou Pentoxifilina que alem de controlar a endotoxemia também tem ação antiinflamatória)

(Professora não pede dosagem. Professora pede na prova como vamos fazer o tratamento)

Se estou fazendo o flumexin meglumine, eu não preciso entrar com uma polimixina, vai depender do que eu tenho a disposição. Ex. tenho o flumexin glumine mas eu tenho a pentoxifilina, eu posso fazer a pentoxifilina e não fazer o flumexin glumine. Mas se eu tenho o flumexin glumine disponível eu vou fazer ele porque ele é o de escolha.
Posso substituir, se eu não consguir controlar esse quadro de endotoxemia, eu posso usar o flumexine glumine numa dose maior pro AINs 1x ao dia e entro com uma polimixina B, e ai eu vou ter uma associação maior de drogas que vão agir contra essa endotoxemia.
Entrar com o flumexine glumine e o pentoxifilina fica um pouco mais pesado.
Tudo vai depender: é um cavalo adulto? É um potro? Qual a idade? Potro está mamando? Etc.

Flumixine glumine posso fazer com a polimixina B, posso fazer a polimixina B associado com outro antibiótico. Vou ter uma ação dela na endotoxemia, dependendo do que ela está causando eu posso ter ou não uma ação especifica para aquele processo infeccioso que está acontecendo ali, por isso eu entro com um outro antibiótico.
Se eu sei o que está acontecendo onde eu posso entrar com um antibiótico especifico que tenha um efeito melhor pra aquela bactéria especifica ótima, se eu não tenho, vou fazer um antibiótico de amplo espectro, como uma gentamicina que vai funcionar numa boa, as penicilinas também funcionam.

Pra eu ajudar na recuperação do funcionamento, eu posso utilizar as substâncias pró-cinéticas, dentre elas agente pode usar:
- Metoclopramida
- Lidocaína
- Eritromicina (é um antibiótico, ela como antibiótico especifico é bastante utilizado pra infecções respiratórias, ex: pneumonias por rabdococcos)

	Num primeiro momento eu não vou ter uma diarréia. Eu consegui tratar, eu consegui tirar ele do quadro agudo, estou com um controle dessa alça, está desinflamado. A partir do momento que estou nesse processo, o que eu tenho de conteúdo que vou facilitar esse esvaziamento, vai sair alterado lá trás.
(Às vezes nem estão com diarréia, porque ele não está comendo pela dor, o que está saindo ali era o que já estava ali)
	Porque eu tenho a formação da diarréia nesse caso: aumento a velocidade do fluxo, então não dá tempo de formar as fezes, inclusive eu tenho um aporte maior de liquido. Nessa situação lá pra frente eu vou ter, no final desse esvaziamento uma diarréia acontecendo. A partir do momento que eu já não tenho mais processo inflamatório e que esse animal começa a se alimentar ele ai vai ter formação de fezes lá pra trás.
O que é diferente da colite, nos processos do IG obrigatoriamente vai ter a diarréia
Ex. clostridium, salmonelose, intoxicação por antibióticos, as próprias drogas não esteroidais, podem levar a quadro de diarréia por processo inflamatório nas alças do IG, no cólon.

Lidocaína: é um pró-cinético. A lidocaína tem efeitos analgésicos de alça, anestésicos, têm efeito no controle das endotoxinas.

Não vou associar a lidocaína com a metoclopramida! Ou uso uma coisa ou uso a outra.

A eritromicina é um antibiótico que funciona muito bem nos processos inflamatórios respiratórios, como numa pneumonia, tuberculose.

By-pass cirúrgico (está na literatura)
- duodenocecostomia temporária
- duodenojejunostomia
- jejunojejunostomia ou gastrojejunostomia

Tamanho do intestino do cavalo: 22 metros.

Duodenojejunite proximal
Complicação: laminite.

Na colite (IG), dificilmente vou ter uma laminite, até posso, mas num processo que ele