CCJ0009-WL-PA-16-T e P Narrativa Jurídica-Antigo-15857
3 pág.

CCJ0009-WL-PA-16-T e P Narrativa Jurídica-Antigo-15857


DisciplinaTeoria e Prática da Narrativa Jurídica738 materiais3.483 seguidores
Pré-visualização1 página

	 
			
			 Plano de Aula: 8 - Teoria e Prática da Narrativa Jurídica
			 TEORIA E PRÃ\ufffdTICA DA NARRATIVA JURÃ\ufffdDICA
			
		
		
			Título
			8 - Teoria e Prática da Narrativa Jurídica
			 
			Número de Aulas por Semana
			
				
			
			Número de Semana de Aula
			
				8
			
 
 Tema
		 Produção de narrativa jurídica simples: relatório.
		
		 Objetivos
		 
O aluno deverá ser capaz de:
- Produzir narrativas simples condizentes com todas as orientações dadas ao longo do semestre.
		
		 Estrutura do Conteúdo
	 
1. Produção de Relatório Jurídico
1.1. Seleção de fatos
1.2. Presença dos elementos da narrativa forense (o quê, quem, onde, quando, como, por quê, por isso...)
1.3. Organização Cronológica
1.4. Correta identificação do fato gerador
1.5. Uso adequado do tempo verbal
1.6. Adequação à norma culta
1.7. Uso de polifonias
1.8. Foco narrativo na terceira pessoa
1.9. Ausência de modalizadores
	
	 Aplicação Prática Teórica
 
O relatório é um tipo de narrativa em que os fatos importantes de uma situação de conflito devem ser cronologicamente organizados, sem interpretá-los (ausência de valoração); apenas informá-los na lide ou demanda processual.
Segundo De Plácido (2006, p.1192), relatório â\u20ac\u153designa a exposição ou a narração acerca de um fato ou de vários fatos, com a discriminação de todos os seus aspectos ou elementos relevantesâ\u20ac\ufffd.
 
QUESTÃ\u192O:
Leia atentamente o caso concreto e produza um relatório. Observe todas as orientações acumuladas ao longo do semestre.
 
Caso concreto
Miguel ajuizou, em face da menor Melina Coelho Andrade â\u20ac\u201c dois anos, nascida em 16 de dezembro de 2006, representada por sua mãe, Constança Andrade â\u20ac\u201c ação negatória de paternidade, em relação à menor, e, por consequência, a declaração/anulação de seu reconhecimento, em registro de nascimento, com a exclusão de seu nome, como pai.
Argumentou que foi induzido a erro pela mãe da menor, com quem teve um relacionamento amoroso, deixando-se conduzir, na ocasião do registro, pelas suas súplicas e apelos emocionais. Garantiu que somente registrou a menor como sua filha porque acreditou, à época do registro, ser seu verdadeiro pai biológico e que, logo após o registro, foi feito exame de DNA, anexado ao processo, por meio do qual descobriu não ser o pai da menor. 
Sustenta também que, se soubesse antes não ser o pai biológico da requerida, jamais aceitaria registrá-la como sua filha e que, assim, houve vício de seu consentimento por erro substancial, pois não existe qualquer vínculo biológico nem afetivo entre ele e a menor.
Em contestação, argumenta-se não ter havido o alegado erro e que o ato de reconhecimento espontâneo e consciente da menor como filha importou, praticamente, em sua adoção, por instrumento impróprio, razão pela qual não poderia ser rescindido unilateralmente.
Vieram aos autos, como prova, além do trazido com a inicial, outro exame pericial de DNA, determinado judicialmente, que confirmou o primeiro e negou, cientificamente, a paternidade biológica de Miguel Coelho, em relação a Melina. Em depoimentos pessoais, ambas as partes apenas reiteraram o que expuseram, respectivamente, na inicial e na contestação.
 
A fim de orientá-los na seleção dos fatos importantes do caso concreto, eis pequena coletânea de quatro julgados recentes sobre a matéria em análise.
 
NEGATÃ\u201cRIA DE PATERNIDADE. ANULAÃ\u2021Ã\u192O DE REGISTRO CIVIL. PROVA PERICIAL FRUSTRADA. LIAME SOCIOAFETIVO. 1. O ato de reconhecimento de filho é irrevogável (art. 1º da Lei nº 8.560/92 e art. 1.609 do CC). 2.A anulação do registro civil, para ser admitida, deve ser sobejamente demonstrada como decorrente de vício do ato jurídico (coação, erro, dolo, simulação ou fraude). 3. Em que pese o possível distanciamento entre a verdade real e a biológica, o acolhimento do pleito anulatório não se justifica quando evidenciada a existência do liame sócio-afetivo. 4. Inexistência de prova do vício induz à improcedência da ação. Recurso desprovido. (AC 598403632)
 
REGISTRO DE NASCIMENTO - RECONHECIMENTO ESPONTÃ\u201aNEO DA PATERNIDADE - ADOÃ\u2021Ã\u192O SIMULADA OU â\u20ac\u153Ã\u20ac BRASILEIRAâ\u20ac\ufffd. Descabe a pretensão anulatória do registro de nascimento do filho da companheira, lavrado durante a vigência da união estável, já que o ato tipifica verdadeira adoção, que é irrevogável. Apelo provido, por maioria. (EI 599277365)
 
PATERNIDADE. RECONHECIMENTO. Quem, sabendo não ser o pai biológico, registra como seu filho de companheira durante a vigência de união estável estabelece uma filiação sócioafetiva que produz os mesmos efeitos que a adoção, ato irrevogável. AÃ\u2021Ã\u192O NEGATÃ\u201cRIA DE PATERNIDADE E AÃ\u2021Ã\u192O ANULATÃ\u201cRIA DO REGISTRO DE NASCIMENTO. O pai registral não pode interpor ação negatória de paternidade e não tem legitimidade para buscar a anulação do registro de nascimento, pois inexiste vício material ou formal a ensejar sua desconstituição. Embargos rejeitados, por maioria. (EI 70001919414)
 
NEGATÃ\u201cRIA DE PATERNIDADE. ALEGAÃ\u2021Ã\u192O DE CONSENSO ENTRE AS PARTES. PATERNIDADE SOCIOAFETIVA. Não obstante a existência de exame particular de DNA realizado de comum acordo entre as partes antes do ajuizamento da ação, e que exclui a paternidade biológica, não se perquiriu acerca da existência de vínculo afetivo em relação ao pai registral. Suposto pai biológico é litisconsorte passivo necessário. Reconhecimento da paternidade que se deu de forma regular, livre e consciente, mostrando-se a revogação juridicamente impossível diante das circunstâncias dos autos. NEGADO PROVIMENTO. UNÃ\u201aNIME.
Â