TRANSCRICAO DE CLINICA DE PEQUENOS II DO DIA 23-02-2011
16 pág.

TRANSCRICAO DE CLINICA DE PEQUENOS II DO DIA 23-02-2011

Disciplina:Clínica Médica de Mamíferos de Pequeno Porte15 materiais49 seguidores
Pré-visualização7 páginas
metabolismo baixa também, para a gente repousar e o organismo agir mais em função da doença, então por isso todo animal doente, ele vai ter o hormônio tireoidiano um pouco mais baixo, se você suspeita que o animal tem doença tireoidiana, você primeiro tem que controlar qualquer doença crônica que esteja se manifestando, principalmente processos infecciosos de pele, a sarna dermodecica, infecção renal, para depois você dosar o hormônio tireoidiano, senão você vai ter mais um falso positivo.
Como vamos conduzir o diagnostico, passo a passo – 1º sinais e sintomas clínicos, estão presentes, não é um só, são vários, o embasamento no seu exame clinico tem grande chance desse animal ter hipotireoidismo, - 2º passo excluiu já os medicamentos e as doenças não tireoidianas, não esta tomando corticóides, tratou as infecções, agora a gente vai começar os testes, antes dos testes específicos, a gente vai fazer os testes bioquímicos e hematológicos, para buscar mais dados que podem estar alterados que vão solidificar este diagnostico, o que é difícil no hipotireoidismo é o diagnostico da doença. A gente vai encontrar na hematologia, 40% dos animais com hipotireoidismo podem apresentar anemia normocistica normocromica, quantas doenças causam anemia normocistica normocromica? Mas é mais um dado, nos testes bioquímicos tem que dosar quando se suspeita que o animal tem hipotireoidismo colesterol e triglicerídeos, 80% dos pacientes com hipotireoidismo vão apresentar hipercolesterolemia com e ou triglicerídeo aumentado, porque o hormônio tireoidiano ele interfere diretamente na produção e principalmente na excreção do colesterol, por isso que a gente tem a formação dos comedos, o ganho de peso, no metabolismo lipídico. Só o hipotireoidismo aumenta o colesterol como doença endócrina? Hiperadrenocorticismo, diabetes, tudo isso, o hipertireoidismo pode aumentar o colesterol, mas é mais um dado. Função hepática, quando você tem essa disfunção lipídica o paciente pode fazer uma lipidose, pode começar a fazer uma esteatose lipidose, acumular gordura no fígado, então 30% dos pacientes podem apresentar FA ou GGT aumentado, então são os testes básicos que a gente vai buscar, buscando alguma positividade para fortalecer o meu diagnostico, só depois disso tudo e que a gente passa para os testes específicos, então o 4º passo seria os testes endócrinos. O hipotireoidismo é uma doença hiposecretora, para as doenças hiposecretoras os testes para diagnostico básicos seriam os testes tentando estimular a produção dessa glândula, o teste mais especifico seria administrar o hormônio TSH nesse animal para ver se ele vai produzir, esse seria o teste mais especifico, dosar o hormônio tireoidiano antes, aplicar o TSH e dosar o hormônio tireoidiano depois e aí comparando a 1ª amostra com a 2ª amostra o que eu teria se ele fosse hipotireoideo? As duas amostras iguais, se ele for hipotireoideo por hipotireoidite linfocitica ele não teria aumento nenhum, só que esse teste não é disponível, o teste TSH é espécie especifico e a gente não tem TSH canino viável para isso, e aí que começa o erro, porque aí a gente precisa dosar a produção de hormônio e o hormônio tireoidiano tem uma produção muito instável, por isso que a gente vai ter tanto falso negativo, e isso faz com que a gente tenha que ter muito critério no diagnostico. T3 é um teste que a gente nunca vai fazer porque é o mais instável porque o T3 vai estar em maior quantidade dentro da célula, então ele pode estar dentro da célula e produzindo normalmente, então esquece T3, é onde a gente vai ter mais erro, mais confusão na ora do diagnostico. Como é que eu espero que o TSH esteja num animal com hipotireoidismo? Aumentado. Hipófise – tireóide –TSH vai estimular para produzir T3 e T4, a fração que estimula é T4 livre, quando está reduzido aqui ele estimula, então na doença tireoidiana os níveis de T4 livre estão baixos, se está baixo a hipófise que esta normal, na maioria dos casos ela vai estar, vai esta produzindo cada vez mais TSH, então o que eu espero na doença Tireoidiana? Encontrar sempre o TSH aumentado, isso não é regra geral, 20% dos animais normais, sem doenças tireoidianos apresentam, níveis de TSH abaixo do normal, é da fisiologia deles, então você pode encontrar, o animal ter hipotireoidismo e não aumentar o TSH, esse é o problema, a gente faz, mais ter o TSH normal não exclui esse animal de ser hipotireoideo, se você tem ele aumentado é hipotireoideo, agora estar dentro do parâmetro normal, não exclui dele ser hipotireoideo. T4Total, ele é usado como um exame de triagem, ou seja, quando ele está normal você exclui que esse animal seja hipotireoideo, agora se ele está reduzido ele pode ou não ser hipotireoideo, então o T4Total baixo, ele sozinho não significa que esse paciente seja hipotireoideo, agora se ele está normal tem quase 99% de chance de não ter hipotireoidimo. Agora, um dos mais precisos é o T4Livre pelo método de Diálise ou método Bifásico, ele é o que vai lhe trazer um pouco menos de erro quando está reduzido, estando normal está normal. O ideal é fazer sempre TSH, o T4Total e o T4Livre, e aí, um animal que você não vai ter duvida que ele seja hipotireoideo vai apresentar, TSH alto, T4Total baixo, posso até não fazer esse aqui, mais só tendo o TSH alto e o T4Total baixo já é um diagnostico um pouco mais seguro, se não faço esse e faço esse tenho mais segurança ainda. Agora, lembrando que a metodologia da dosagem dos hormônios tireoidianos ainda é o RIE – Radio Imune Ensaio, nos livros ainda falam que provavelmente vai se ter com a evolução dos métodos não isótopos, que não é o imune ensaio, você vai usar os métodos de fluorescência, Elisa para a dosagem no sangue, mas precisa padronizar, a padronização só existe pelo RIE, então é esse que a gente vai usar, não aceitem invenção de laboratórios ate que isso saia em literatura. Outro detalhe, o TSH ele é altamente espécie especifico, então não pode ser em laboratório humano, tem que ser feito em laboratório veterinário e tem que ser o TSH canino, são detalhes extremamente importantes que a gente tem que ter na ora do diagnostico para que não tenha erro, porque é um diagnostico simples mas difícil de se interpretar. Na diálise o soro passa por uma membrana de dialise, ele é filtrado, o que interfere nesses exames são as moléculas, proteínas, então essa membrana de diálise ela filtra grandes moléculas, permitido que passe somente as moléculas do hormônio, outras substancias passam mais a maioria fica presa ali e depois esse soro vai para a máquina de radio imune, o Bifasico é tratado com calor, passa por duas fases onde ele é aquecido ate uma determinada temperatura onde vai inativar determinadas proteínas, o objetivo final é o mesmo.
Atendeu um animal a clinica dele está bastante compatível com hipotireoidite, fez a bioquímica, a única coisa que deu é o colesterol e o triglicerídeo um pouquinho aumentado, fez esses exames, deu TSH normal, T4Total baixo ou fez direto T4Livre, deu um valor muito próximo ao valor mínimo, literatura recomenda, aguarde 6 meses e dose novamente, você tem que entender da doença para jogar limpo desde o primeiro momento, porque o proprietário quer resolver isso agora e prefere o veterinário que já passa o remédio sem nem os exames.
Toda formula de emagrecer tem hormônio tireoidiano, toda vez que você administra hormônio tireoidiano, mesmo no eutireóideo doente, você ativa o metabolismo, você tem uma melhora, você tem uma falsa impressão, que você acertou, em outras situações você pode errar, você tem de 10 a 20% de chance, mesmo fazendo tudo certo de diagnosticar um falso positivo, isso você fala para o proprietário, você observa que errou no seu diagnostico quando o paciente melhora nos 2 primeiros meses e depois não melhora mais, volta a apresentar todos os sintomas, o hipotireoideo mesmo, vai melhorar lentamente e progressivamente, se o quadro dele é dermatológico ele volta a apresentar, mais num intervalo maior, numa intensidade menor, mas aquele que dá aquela melhora e depois cai esses