268_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006
1 pág.

268_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006

Disciplina:Climatologia1.730 materiais28.675 seguidores
Pré-visualização1 página
METEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA
Mário Adelmo Varejão-Silva

Versão digital 2 – Recife, 2006

254

de estado P(p1,T1) com a linha de igual razão de mistura saturante que contém p1,Td1 (Peixoto,
1969).

O ponto de Normand é também chamado nível de condensação por elevação (NCE) e in-
dica o nível N(p, T, Td) em que uma parcela de ar P(p1, T1, Td1), partindo da superfície e realizan-
do um movimento vertical ascendente por um processo adiabático, torna-se saturada (Fig. V.9).
Fisicamente N(p, T, Td) indica o nível da base das nuvens que seriam formadas quando o ar úmi-
do fosse obrigado a se elevar ao longo de uma encosta, por exemplo.

No caso do ar à superfície estar saturado, então p1, T1 e p1, Td1 e o ponto de Normand
coincidem.

13.8 - A pseudotemperatura do termômetro de bulbo úmido.

A pseudotemperatura do temômetro de bulbo úmido (TSW) é numericamente muito próxima
da temperatura do termômetro de bulbo úmido (T' ou TW K). Sua determinação gráfica é feita se-
guindo-se a pseudo-adiabática que passa pelo ponto de Normand até encontrar a isóbara corres-
pondente ao nível inicial (p1). A isoterma que passa nesta interseção determina o valor de TSW
(S.M.N., 1951). Analogamente, o ponto em que aquela pseudo-adiabática cruza a isóbara de 1000
mb estabelece o valor da pseudotemperatura potencial do termômetro de bulbo úmido (θSW).

13.9 - Determinação gráfica das pseudotemperaturas equivalentes.

A pseudotemperatura equivalente (TSE) pode ser facilmente determinada em um diagrama
aerológico. Para o caso da superfície, parte-se do ponto de Normand, seguindo a correspondente
pseudo-adiabática, até que essa linha se torne assíntota a uma adiabática. Retorna-se, então, por
esta adiabática, até cruzar a isóbara do nível de pressão (p1) original. 0 valor da isoterma que
contêm esse cruzamento é igual a TSE.

Para obter a pseudotemperatura potencial equivalente (θSE), procede-se de modo análogo.
Apenas deve-se seguir a adiabática, não ao nível original de pressão, mas ao de 1000 mb.

Quando o ponto selecionado P(p , T , Td) não se encontra à superfície e o ar não está sa-
turado, determina-se, inicialmente o cruzamento da adiabática seca que passa em P(p, T) com a
linha de igual razão de mistura saturante que passa em P(p, Td), procedimento idêntico ao usado
para obter o ponto de Normand. Identificado este cruzamento, segue-se o mesmo procedimento
descrito nos dois últimos parágrafos.

Finalmente, em se tratando de ar saturado, deve-se seguir a pseudo-adibática que contém
o ponto selecionado P(p , T , Td) e retornar pela adiabática assintótica correspondente. Tal como
nas situações anteriores, os valores das temperaturas TSE e θSE são os das isotermas que passam
pelo cruzamento dessa assíntota com as isóbaras p e 1000 mb, respectivamente.