CCJ0009-WL-PA-16-T e P Narrativa Jurídica-Antigo-15857
2 pág.

CCJ0009-WL-PA-16-T e P Narrativa Jurídica-Antigo-15857

Disciplina:Teoria e Prática da Narrativa Jurídica711 materiais3.531 seguidores
Pré-visualização2 páginas
razão pela qual não poderia ser rescindido unilateralmente.

Vieram aos autos, como prova, além do trazido com a inicial, outro exame pericial de DNA, determinado judicialmente, que confirmou o primeiro e 
negou, cienƟficamente, a paternidade biológica de Miguel Coelho, em relação a Melina. Em depoimentos pessoais, ambas as partes apenas reiteraram o 
que expuseram, respecƟvamente, na inicial e na contestação.
 

A fim de orientá -los na seleção dos fatos importantes do caso concreto, eis pequena coletânea de quatro julgados recentes sobre a matéria 
em análise.
 
NEGATÓRIA DE PATERNIDADE. ANULAÇÃO DE REGISTRO CIVIL. PROVA PERICIAL FRUSTRADA. LIAME SOCIOAFETIVO. 1. O ato de reconhecimento de filho 
é irrevogável (art. 1º da Lei nº 8.560/92 e art. 1.609 do CC). 2.A anulação do registro civil, para ser admiƟda, deve ser sobejamente demonstrada como 
decorrente de vício do ato jurídico (coação, erro, dolo, simulação ou fraude). 3. Em que pese o possível distanciamento entre a verdade real e a biológica, 
o acolhimento do pleito anulatório não se jusƟfica quando evidenciada a existência do liame sócio-afeƟvo. 4. Inexistência de prova do vício induz à 
improcedência da ação. Recurso desprovido. (AC 598403632)
 
REGISTRO DE NASCIMENTO - RECONHECIMENTO ESPONTÂNEO DA PATERNIDADE  - ADOÇÃO SIMULADA OU “À BRASILEIRA”. Descabe a pretensão 
anulatória do registro de nascimento do filho da companheira, lavrado durante a vigência da união estável, já que o ato Ɵpifica verdadeira adoção, que é 
irrevogável. Apelo provido, por maioria. (EI 599277365)
 
PATERNIDADE. RECONHECIMENTO. Quem, sabendo não ser o pai biológico, registra como seu filho de companheira durante a vigência de união estável 
estabelece uma filiação sócioafeƟva que produz os mesmos efeitos que a adoção, ato irrevogável. AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE E AÇÃO 
ANULATÓRIA DO REGISTRO DE NASCIMENTO. O pai registral não pode interpor ação negatória de paternidade e não tem legiƟmidade para buscar a 
anulação do registro de nascimento, pois inexiste vício material ou formal a ensejar sua desconsƟtuição. Embargos rejeitados, por maioria. (EI 
70001919414)
 
NEGATÓRIA DE PATERNIDADE. ALEGAÇÃO DE CONSENSO ENTRE AS PARTES. PATERNIDADE SOCIOAFETIVA. Não obstante a existência de exame 
parƟcular de DNA realizado de comum acordo entre as partes antes do ajuizamento da ação, e que exclui a paternidade biológica, não se perquiriu acerca 
da existência de vínculo afeƟvo em relação ao pai registral. Suposto pai biológico é liƟsconsorte passivo necessário. Reconhecimento da paternidade que 
se deu de forma regular, livre e consciente, mostrando-se a revogação juridicamente impossível diante das circunstâncias dos autos. NEGADO 
PROVIMENTO. UNÂNIME.
 

Plano de Aula: 8 - Teoria e Prática da Narrativa Jurídica
TEORIA E PRÁTICA DA NARRATIVA JURÍDICA

Estácio de Sá Página 2 / 2