ok clin peq 04.05.11
25 pág.

ok clin peq 04.05.11

Disciplina:Clínica Médica de Mamíferos de Pequeno Porte15 materiais49 seguidores
Pré-visualização7 páginas
que é esporotricose? Tanto no gato quanto no cão:
Uma úlcera, uma lesão ulcerada que não cicatriza, onde vc já usou antibiótico, já usou cicatrizante, e não fecha. Isso é uma constante.
A úlcera é o primeiro diferencial pra esporotricose no gato.
	
A esporotricose pode ter apresentação cutânea, cutânea-linfática ou disseminada:
- A apresentação cutânea, as lesões estão restritas a pele.
- A apresentação cutânea-linfática vamos ter pele e tecido linfático, no caso, vamos ter pele e linfonodos acometidos. É a apresentação mais comum no humano.
- Disseminada: vamos ter pele, tecido linfático e vísceras acometidas. Nesse caso o prognostico é totalmente desfavorável.
Principais locais de surgimento das lesões iniciais:
Cabeça e membro, por causa dessa situação, porque como é um agente de terra e de briga, é o local que o animal vai brigar e vai fazer a lesão.

Lesão inicial:
É um nódulo subcutâneo e fístula. Porque o nódulo se forma na derme e ele fistula, no que ele fistula, ele exsuda uma secreção sanguino-purulenta e ai vai formar a crosta. Por baixo dessa crosta todo o tecido está sendo destruído. Quando vc tira essa crosta vc tem uma grande úlcera. Essas úlceras vão se confluindo e as vezes vc tem aquelas lesões totalmente deformadas da pele, da região anatômica do animal que está sendo acometida.
	Nódulos, nódulos que fistulam, secreção sanguino-purulenta, vc tem a crosta formada em cima e por baixo grandes úlceras, as úlceras vão se confluindo e vc tem a destruição total desse tecido.

Diagnóstico
	1ª coisa: gato, chegou gato com uma ulcera, o primeiro diagnostico que eu vou pensar é a esporotricose.
	Cão: ele vai entrar também no diagnostico das lesões ulceradas.

No gato, a citologia se presta bem pro diagnostico. Citologia por imprint, citologia por escarificação, etc. porque é uma lesão aberta.
Porque no gato se presta bem pro diagnostico: porque o gato trás uma quantidade muito grande de esporos na lesão, diferente das outras espécies. Então vc faz um imprint e vc vê muitas leveduras na lesão. Geralmente elas estão dentro dos macrófagos, porque é um processo piogranulomatosa, uma resposta piogranulomatosa em que o esporotrix desencadeia.

No cão a citologia pode ser um primeiro exame, mas não descarta. No gato descarta às vezes sim e às vezes não. Se vc não vê, vc parte pra outro exame.

2º exame: cultura fúngica. Como coleto o material: com o swab, passo na lesão e coloco no meio de transporte, é uma cultura rápida, no máximo de 10-15 dias vc tem o resultado.

3º exame: histopatológico: mas vc pode ou não ver as leveduras

O mais fidedigno é a cultura, que tem menos chances de falso negativo, quando vc não acha na citologia.

Tratamento
	Imidazoles: cetoconazol, intraconazol, são os mais usados, embora agente já tenha cepas resistentes a tudo isso. Ai temos que passar pra tratamentos alternativos.
	Iodeto de potássio: é a 1ª escolha de tratamento de ser humano, mas pra animal não. Ele pode ser usado no cão, mas pro gato ele é tóxico. Vamos deixar o iodeto pra tratamento daqueles animais que não respondem com outros. O gato é sensível ao iodo, então não pode usar.

	Tem que ter o comprometimento do proprietário com o animal. Senão o animal definha até morrer. E o animal ainda vai ficar contaminando o ambiente, contaminando outras pessoas.

	A professora recomenda que menos contato com o animal melhor, porque a literatura cita que vc pode prescrever tratamento tópico. Ela só trata com o sistêmico.
Tem que isolar o animal.

Tempo de tratamento:
1-8 meses, dando remédio, fazendo exame, fazendo hepatograma, acompanhando a resposta do animal, dá muito trabalho e é um custo alto.
Então se não for tratar, se não tem condição, é eutanásia.

É inadmissível no RJ o veterinário não ter conhecimento da esporotricose. Tem que fazer o diagnóstico direitinho e fazer uma cultura, conversar com o proprietário se trata ou não.

Desordens da queratinização
Apresentação clínica
Como as doenças bacterianas da pele, as desordens da queratinização elas também são apresentações clinicas de varias doenças. Então vc pode ter uma sarna demodécica sendo apresentada clinicamente por uma furunculose e também por uma desordem na queratinização, a única diferença é que 20% dos casos de desordens da queratinização podem ser primários, ou seja, ser uma doença por uma disfunção congênita em uma das fases do processo de queratinização da pele.

Quais são os processos de queratinização, o que é a queratinização? É a migração do queratinócito (é a célula básica da epiderme) da camada basal da epiderme até a camada córnea, e nesse processo ele vai sendo transformado, ele vai adquirindo queratina. Diferença do queratinócito da camada basal pro queratinócito da camada córnea? Ele fica mais pavimentoso, vai ficando mais achatado, vai adquirindo queratina e vai perdendo núcleo, pra que na camada superficial da epiderme ele é uma camada morta, mas é uma célula com função de proteção (porque a queratina tem essa função).

Então quais são os processos que vamos ter na queratinização? A epidermopoiese que é justamente a produção do queratinócito da camada basal e a sua migração até a camada córnea. A queratinização que é o queratinocito adquirindo queratina, perdendo o núcleo e ficando pavimentado. Nesse processo também vão estar envolvidos a função das glândulas sebáceas e apócrinas. O que as glândulas apócrinas e as glândulas sebáceas vão formar na epiderme? O filme protetor, o cimento intercelular. Então as secreções das glândulas apócrinas e sebáceas é que formam esse cimento intercelular, e no cão e no gato ele é extremamente importante porque a coesão dos queratinocitos na camada córnea não é tão perfeita quanto nas outras espécies como por exemplo no ser humano. Então esse cimento tem uma função muito grande de barreira de filme protetor, por isso que agente sempre suplementa com ácidos graxos, Omega 3 e 6, eles são fundamentais pra esse processo. Então se vc tiver alguma disfunção nessa glândula, vc vai ter alteração nesse processo, ou a pele vai descamar mais porque ela não está tendo uma boa coesão ou ela vai ser mais oleosa do que ela deveria ser, ou ocorrem as 2 coisas. Tem interferência na coesão e na descamação dessas células.

Clinicamente como se apresentam
	Pela alteração da descamação e/ou oleosidade da pele.

Como as desordens da queratinização da pele vão se apresentar:
	Pelas caspas e/ou pelo aumento ou diminuição da oleosidade com ressecamento da pele.

Isso pode ter um fundo secundário, por ex. uma sarna sarcoptica, aonde é que a sarna sarcoptica ele vive? Ele vive na epiderme, ele faz galerias nessa camada da pele, então quando ele está fazendo isso ele está desencadeando um processo inflamatório, uma agressão, com essa agressão essa pele passa a responder de uma forma mais acelerada a esse processo de epidermepoiese, então ele descama mais. Ai é uma resposta secundária.

Vc pode ter um animal que nasceu com uma disfunção na epidermepoiese, então ele normalmente troca a pele mais rápida. Esses processos estão acontecendo o tempo todo na pele dos animais e na nossa pele, na pele, a camada córnea vai sendo trocada diariamente só que é um processo invisível porque ele é lento, quando ele começa a ser visível, ai agente vê sob a forma de escama por ex: agente pega sol, se queima na praia, isso é uma alteração de queratinização, agente acelera a troca da epiderme, agente mata as células mais profundas da epiderme, então agente consegue visualizar um processo que seria normalmente invisível.

A queratinização ela leva normalmente, o processo de queratinização leva normalmente, todo esse processo de epidermepoiese e queratinização leva fisiologicamente no cão e no gato 22 dias, nos processos patológicos, nas desordens da queratinização pode chegar de 3-5 dias, por isso que vc começa a ver, e ela se apresenta na forma de escamas.
Essas escamas podem ser maiores ou menores, mais grossas ou mais finas, vai depender de qual camada está sendo afetada.

Diagnostico
É clinico, eu olho o animal e eu identifico