ok clin peq 18.05.11
25 pág.

ok clin peq 18.05.11

Disciplina:Clínica Médica de Mamíferos de Pequeno Porte15 materiais49 seguidores
Pré-visualização7 páginas
CLÍNICA MÉDICA DE MAMÍFEROS DE PEQUENO PORTE
Rio, 18/05/2011
Alexandra Woods

Doenças parasitárias da pele de cães e gatos
Otocaríase
	Otodectes cynotis
Prurido (hipersensibilidade), otite ceruminosa, asintomatica

Diagnostico: otoscopia, cerumen

Otocaríase
É o parasita do ouvido, é o otodectes cynotis.
É um parasita muito particular, todo o ciclo é feito dentro do conduto auditivo externo, ele não faz lesão na pele. O ouvido externo faz parte da dermatologia, porque é constituído pelo mesmo tecido que constitui o resto do corpo.
Esse parasita não faz lesão no corpo, só vai causar alteração dentro do ouvido externo. No máximo o que ele faz é passar de um ouvido pro outro no animal.
É altamente contagioso, passa de um animal pro outro.
É zoonose. Acomete cão, gato, furão, alguns animais selvagens e até humano.

É um acaro de superfície, ele fica sobre a pele, ele não penetra na epiderme, ele fica andando em cima da pele do ouvido. Quando ele está andando ele causa uma irritação, e esse é o problema, porque essa irritação que vai desencadear o prurido, que pode ser maior ou menor dependendo da resposta de sensibilidade do animal.
Tem uns que cocam muito a orelha com sarna otodécica, e têm outros que nem manifestam sinais clínicos.
Como é um ácaro muito contagioso, quando agente faz o diagnostico em 1 animal na casa, agente tem que tratar todos e olhar a orelha de todos os animais da residência. Porque o que acontece: vc trata o animal que está doente, que está manifestando sintomas, ai ele fica bom, e o outro em casa é portador assintomático. Então tratar tanto cão quanto gato.

1º sinal clínico do ácaro além do prurido: quando o ácaro está andando no conduto a primeira respostado ouvido externo a qualquer agressão e a qualquer irritação é o aumento da produção de cerume.
O ouvido do cão não tem cera visível, se tem é porque tem alguma coisa estimulando o aumento da produção.

Com a cronicidade, vc vai ter aumento do cerume e se o animal tem muita sensibilidade a esse ácaro, ele vai começar a desenvolver a otite infecciosa (vai ser falado na próxima aula teórica).

Queixa principal vai ser sempre o prurido otológico, o animal balança muito a cabeça.

Diagnostico é visual, é fácil. A técnica mais eficiente é a otoscopia, o otoscópio tem um aumento de 4x e vc consegue ver o parasita andando na superfície do ouvido externo. Existe formas menos técnicas que vc também consegue, se vc pegar o cerúmen com cotonete, com swab, um cerúmen escuro, é enegrecido, com qualquer lente de aumento vc vê pontinhos andando sobre o cerúmen escuro. Se vc esfregar esse cerúmen em cima de qualquer fundo escuro, consegue ver o parasita andando ali em cima.

Principalmente: animais com menos de 1 ano de idade. É comum no filhote quando sai da mãe, está no ambiente com vários animais, com a imunidade baixa.

Outra forma, mas vc tem que ter o microscópio:
Cerúmen, esfregaço na lamina de vidro, e leva ao microscópio aumento de 4x, vc já vê o acaro.
Não tem que mandar pro laboratório pra investigar, porque é tão simples, não tem porque deixar de fazer o diagnostico da otocariase.

Começa a acumular o excesso de cera, que parece sujeira, mas não é. O ouvido normal não acumula cera, toda vez que tem um acumulo de cera é porque tem alguma coisa irritando o ouvido, a 1ª coisa que vc tem que pensar é otodécica.

É um ácaro muito grande, fácil da gente ver.
Se tiver um canil, os filhotes que nascem tem a sarna, é porque a mãe passou pros filhotes, sendo que a mãe é portadora assintomática.

2) otocaríase

Tratamento:
Deltametrina (loção) 2 gt, por 10 dias.
Tiabendazole (loção) 2 gt, por 10 dias.
Fipronil (spray) 2 jatos/ouvido e cabeça 15 d – 2 aplicações
Diazinon 7 d (aprovado no Brasil)
Invermectina 0,2-0,4 mg/kg 15d 2 aplicações VO (cuidado!)

Tem tratamentos a base de loção com a substância que mata o parasita como:
- Loção de deltametrina, que não se sabe se vende hoje em dia.
- Tiabendazole, é uma loção anti-fúngica ou seja, usada pra micose, que também tem ação sobre o ácaro.
Como fazer a loção:
	Pingar 1-2 gotas em cada ouvido 1x ao dia por 10 dias. é um tratamento diário, e se vc tem mais animais na casa, vc tem que fazer em todos esse tratamento.

Tratamentos mais recentes:
Fipronil (spray) ou a defemoprina (que foi falado no tratamento da escabiose): esses 2 também funcionam.
Como usar:
Fazer 2 jatos na entrada de cada ouvido, são 2 aplicações com intervalos de 15 dias. Ai vc aproveita e faz um jato na cabeça também porque tem ácaros passando de um conduto pro outro. Tratar todos os animais na casa.

O diazinon é um antiparasitário que vem na base de medicamento otológico, é o natalene. É o único medicamento aprovado e liberado no Brasil pro tratamento dessa sarna (mas agente usa todos os outros). Só deve usar esse produto comercial se realmente tem o ácaro, porque ele tem antiparasitário, antiinflamatório e antibiótico. Se vc tem um animal com otite que não tem acaro, não tem porque vc usar esse remédio, senão vc acaba irritando e usa o medicamento sem necessidade. Agora, se tem o ácaro, pode usar sem problema nenhum. A bula manda usar 7 dias.
Diazinon é toxico pra gatos nem coelhos.

A ivermectina por VO ou SC (o melhor é por via oral), na dose da escabiose é de 0,2-0,4 mg/kg por via oral, 2 aplicações com intervalos de 15 dias.
Cuidados: a ivermectina não pode usar na raça collie nem similares e nem animais com menos de 2 meses de idade

A ivermectina se torna o tratamento mais viável ex. pra canil, abrigo, ou o fipronil também, porque vc compra um frasco pequeno de 100ml e vc consegue colocar em todos os animais, vc faz 2 aplicações em cada ouvido e 1 na cabeça do animal, espera 15 dias e faz de novo, pode até fazer uma 3ª aplicação pra ter certeza e resolve o problema.

Quando chega o representante, vc tem que perguntar: Qual a base, como funciona, traz trabalhos pra ver e ai vc começa a usar o produto.

Lembrar que tem que tratar todo mundo. E quando tem otite, tem que tratar a otite também.

3) Demodiciose
- Demodex canis, transmissão
- Localizada (30% corpo)
- Generalizada
- Juvenil => Def. imunológica congênita
- Adulto => doença imunossupressora
- Diagnostico
- Lesões secundárias: alopecia..... celulite!
- Prurido secundário

O demodex é um agente que faz parte da microbiota da pele do cão. A maioria dos cães traz na pele o demodex.

Não é uma sarna contagiosa, não há contagio, o animal doente não passa pra outro animal.

O ácaro vive no interior do folículo piloso. E quando a situação é favorável, ele começa a se proliferar, ai ele destrói o folículo, o pêlo cai e ai ele abre a porta pra infecção secundária.

O que favorece a proliferação desse ácaro:
Disfunção imunológica geneticamente programada, ou seja, o animal nasce com essa disfunção genética, ele nasce com a deficiência numa linhagem especifica de linfócito T pra esse ácaro, linhagem que controla a proliferação desse ácaro, com isso o problema não é o ácaro, é a disfunção que ele tem. Essa disfunção não interfere em nenhum outro problema imunológico no animal, ele não é um animal imunossuprimido ou nada disso, ele nasce, faz a disfunção e por isso consegue proliferar e ai ele desenvolve a doença. Então o individuo nasce com o sistema imunológico deficiente, especificamente de linfócito T pra esse ácaro.

Outra situação que pode fazer essa sarna proliferar: numa fase da vida que ele tem uma doença imunossupressora que abaixa o sistema imunológico dele. Ele é assintomático toda a vida dele, mas por uma doença imunossupressora, que baixa todo o sistema imunológico dele, favorece ele a desenvolver a sarna demodecica.

Qual vai ser a diferença de um pro outro:
O que tem a disfunção imunológica geneticamente programada: Desenvolve logo no 1º ano de vida ele desenvolve.
O que adquire a imunodeficiência pode desenvolver em qualquer fase da vida.
O animal que tem sarna demodécica por uma doença imunossupressora, a sarna demodécica é a ponta do iceberg.
Ex: proprietário relata que nunca teve problema de pele, nunca teve sarna e ai com 6-7 anos vc