ok clin peq 18.05.11
25 pág.

ok clin peq 18.05.11

Disciplina:Clínica Médica de Mamíferos de Pequeno Porte15 materiais49 seguidores
Pré-visualização7 páginas
de hipersensibilidade libera as substancias pró inflamatórias e causam dano a pele. O que vai causar o dano a pele é o prurido. A pele vai se apresentar com aspecto de inflamação e prurido. Então o animal coça e o auto-traumatismo que vai trazer a principal conseqüência dessa resposta imunológica.

Como a resposta de hipersensibilidade vai se formando no individuo:
Porque um indivíduo responde mais rápido e outro responde mais lentamente ao mesmo antígeno sendo os 2 tendo a mesma disfunção genética:
Esses indivíduos são geneticamente programados para responder de uma forma mais exacerbada a uma determinada substância que é o antígeno. O animal nasce e começa a ser exposto a aquele antígeno.
Ex. uma ninhada de 3, um nasce com hipersensibilidade a pulga, 2 não nasceram. São expostos desde filhotes a pulga (antígeno) o antígeno vai estimular o linfócito B (que é produtor de Ac) à produção de IgE especifica pra ele, essa IgE vai sendo depositada na parede do mastócito, e dentro do mastócito temos grânulos contendo as substancias pró-inflamatórias. Então são expostos a pulga, produziu IgE, que vem e se liga ao mastócito, que fica marcado na memória antigênica desse mastócito. Toda vez que ele for replicado, ele é replicado com essa memória antigênica. Ai de novo ele é exposto a pulga, mas pra cada IgE que os 2 filhotes que nasceram sem hipersensibilidade a pulga, o que nasceu produz por exemplo, 10 IgE. De novo é exposto a pulga, tem isso tudo produzido de novo, e cada vez que é exposto ele tem uma proteção, quanto mais vezes ele é exposto, mais rápido ele vai produzir essas IgEs. Ele ainda não está manifestando os sinais alérgicos, ele vai manifestar quando ele tem uma quantidade X de IgE na parede do mastócito que vai formar essas pontes e vai promover a liberação das substancias inflamatórias. No animal alérgico ocorre muito mais rápido do que nos animais não alérgicos.

O que isso quer dizer: como ele é alérgico, ele sempre teve pulga!
Resposta: o animal foi se sensibilizando.

Outra pergunta: mas os outros filhotes também têm pulga, porque só ele está apresentando essa resposta?
Resposta: porque os outros não são geneticamente programados para produzir essa carga exacerbada de Ig contra aquele antígeno.

Isso é individual. A resposta alérgica é individual, é genética.

A partir do momento que ele está sensibilizado a carga antigênica que ele precisa pra desenvolver os sinais clínicos vai ser cada vez menor.

Ex. o proprietário levou o animal na rua, nem viu que ele foi picado porque a pulga desce logo em seguida, e chega em casa se coçando desesperadamente, porque? Porque toda essa reação foi deflagrada.

Se o animal teve pulga uma vez ou outra, ele pode vir a manifestar a alergia à pulga com 4-5 anos de idade.
Agora se o filhote teve contato direto com pulga, provavelmente com 1 ano ele já vai manifestar a alergia.

- hipersensibilidade mais comum cães e gatos (40%)
- Ag saliva da pulga -> Ctenocephalides felis felis

Infestação x DAPP

- Não tem relação com quantidade de parasita
- Pode ser sazonal (depender infestação ambiente)

DAPE:
	Hoje em dia sabe-se que o carrapato desenvolve o mesmo tipo de reação que a pulga, e às vezes é até mais difícil de vc diagnosticar porque o animal começa a manifestar os sinais quando ele está infestado da larva.

	É considerada a doença alérgica mais comum do cão e principalmente dos gatos. Quando agente pensa em alergia em gato, primeira coisa que vamos pensar é alergia a ectoparasita (e no gato, especialmente a pulga).

	O antígeno está na saliva da pulga, então a pulga precisa picar o animal pra injetar saliva pra começar a desenvolver todo aquele processo e para depois desenvolver a alergia. O principal representante da doença alérgica é a Ctenocephalides felis felis que é a pulga do gato, tanto pro gato quanto pro cão. Mas as outras pulgas também fazem.

	Lembrar que não há relação com a quantidade de pulga e o desenvolvimento da doença alérgica e a apresentação dos sinais da doença alérgica.
Quanto mais exposto ele for, mais rápido ele vai se sensibilizar, numa idade mais jovem e ele vai começar a manifestar os sintomas. Os sintomas são independentes da quantidade. É aquele problema: leva pra passear, pega pulga, chega em casa coçando e o dono não vê a pulga.

	Pode ser sazonal. Uma época do ano o animal fica horrível, em outra fica bem. Aqui no RJ, temos pulga o ano inteiro, mas em locais mais frios, em época de verão vc tem mais pulga e no inverno não.
	Hoje em dia estamos enfrentado um problema também com o carrapato, com a DAPE por picada de carrapato.

DAPP (dermatite alérgica a picada de pulga)
Sinais clínicos
- localização lombo-sacral, perineal, face posterior MP, abdômen
- Dermatite papulo-crostosa
- Hipotricose, alopecia
- Descamação, escoriação
- Hiperqueratose, hiperpigmentação

DAPP
É uma doença que a localização da lesão ajuda no diagnostico. Aonde vão ser as lesões: no local onde a pulga mais fica no animal. Não precisa ter muita pulga, pois a partir do momento que ele é sensibilizado, uma pulga que aparece, eles vão fazer lesão maior ali, pois é onde vai ter mais mastócito reagindo.
Locais: região lombo-sacra, faz um triangulo com a base na base da cauda, pois a pulga gosta de ficar nessa região. Às vezes atrás da orelha, e na região posterior dos membros posteriores. São os locais que a pulga mais gosta de ficar.
É uma dermatite pápulo crostosa, vc passa a mão no animal e sente como se ela estivesse toda encaroçada, as lesões não são muito visuais, são mais táteis. Faz a pápula e uma crostinha na saída do folículo piloso. É uma dermatite bem superficial, raramente vc tem infecção secundária associada, se tiver é uma foliculite.
Tem animal que não tem perda de pêlo, mas vc percebe que onde ele lambe e coça mais, a pelagem fica mais avermelhada, tem alteração na coloração da pelagem porque o animal começa a lamber muito.

	Geralmente evolui para uma hipotricose, e pra uma alopecia na região acometida, e tem muita descamação seca. Cursa muito com uma desordem seborréica e descamação seca e escoriação.

	Nos quadros crônicos, vc pode ter uma hiperqueratose, a pele fica alopécica e hiperqueratótica chegando às vezes até a paquidermia só no local que a pulga está acometendo o animal.

Carrapato
	O carrapato: não tem muito padrão. Vc vai ter uma falha toda irregular, descamação, alopecia, todas as lesões são de forma irregular.
	O chou chou geralmente perde pêlo no tronco porque ele tem esse padrão de perda de pelagem, toda a queda de pelagem do tronco dele geralmente cursa com a queda de pêlo na região do tronco.

Sinais clínicos
	Gatos
		Dermatite miliar
		Alopecia bilateral simétrica
		Lesões CGE

	O gato geralmente com a alergia a pulga desenvolve lesões do complexo granuloma eosinofílico. Uma das principais causas do surgimento de lesões do complexo granuloma eosinofílico é a dermatite alérgica à pulga.
	Aqui não tem localização! Elas são caracterizadas pela formação de placas e úlceras, então o animal tem alergia à pulga e tem às vezes a formação de uma placa eosinofílica na face interna de membros posteriores, na barriga.
	Então no gato é o contrario, vc vai identificar que aquela lesão é uma lesão do complexo granuloma eosinofílico. A primeira coisa que vc vai ver é se ele tem pulga, e controlar a pulga.
	Existe uma lesão do complexo granuloma eosinofílico que é a ulcera indolente, que são 2 ulceras na boca, que o gato com DAPE faz, e a pulga não passa ali, mas é um padrão de resposta do gato.
	Se vc atendeu um gato com lesão ulcerada, bilateral em lábio superior, provavelmente é uma ulcera indolente. A primeira coisa que agente vai ver é se ele tem pulga ou fazer um bom controle de pulga desse animal.

Outra apresentação da DAPE no gato é a alopecia bilateral simétrica: o gato se lambe, ele tem o prurido e manifesta esse prurido se lambendo excessivamente, e ai é na área.
Atendeu alopecia bilateral simétrica no gato, é uma outra apresentação lesional do gato. Atendeu um gato com isso, a primeira coisa que vou pensar