ok clin peq 18.05.11
25 pág.

ok clin peq 18.05.11

Disciplina:Clínica Médica de Mamíferos de Pequeno Porte15 materiais49 seguidores
Pré-visualização7 páginas
é doença alérgica, DAPE e vou controlar a pulga. Se não melhorou, ai agente vai pensar em outras coisas.

Dermatite miliar:
É o aspecto pápulo-crostoso que dá na pele do gato, que também é um padrão de resposta e que a DAPP pode causar.
Se atendeu um gato, passou a mão e sente o gato todo encaroçado, é dermatite miliar, os 2 principais diagnósticos diferenciais são: DAPP e dermatofitose. Tem que pensar sempre nesses 2.

Diagnóstico da DAPE
	Anamnese -> tipo de vida, ectoparasiticidas
	Exame físico: localização lesões
			Pulga, fezes pulga
			Pente pulga

O diagnóstico da DAPE vou fazer pela queixa principal que está se cocando, está fazendo lesões escoriativas, e ai vc vai ver o tipo de vida do animal, se ele tem alguma característica na vida do animal que ele possa ter contato com a pulga. Vc não pode excluir pulga. Se não faz controle de ectoparasiticida regularmente, não tem como excluir DAPE.

No exame físico:
Padrão de distribuição lesional vai ser importante.
As vezes o animal já chega com a lesão muito evoluída, e ai a pergunta que eu faço que faz parte da anamnese é como iniciou o quadro, onde iniciou a lesão (geralmente em cima do rabo e ai vai espalhando).

Ferramenta que vamos usar:
	O pente pra ver se o animal tem pulga. Agente não passa só no local da lesão, vamos passar onde a pulga costuma ficar (atrás da orelha, base da cauda, etc.) pra achar pulga ou as fezes da pulga.

Diagnostico diferencial
	- Dermatites infecciosas (complicação DA)
	- Parasitárias (escabiose)
	- Dermatofitose
	- Demodicose

- DA, HA, DAC

Como faz diagnóstico pra doença alérgica: nas doenças alérgicas agente diagnostica primeiro excluindo as outras doenças. Então primeiro passo: vou excluir as doenças não alérgicas, doenças pruriginosas que podem ser: sarnas, doenças infecciosas (bacteriana), dermatofitose e às vezes a demodicose.
Vou fazer esses exames pra ter certeza que não é. Quando excluir isso tudo, eu posso agora dizer pro proprietário que é DAPP
Pra doença alérgica não tem exame laboratorial que diagnostique que é doença alérgica e pelo o que é.
O diagnostico da doença alérgica é por exclusão e fecho clinicamente com dados da anamnese e exame físico.
	A única coisa que agente pode ter é o exame histopatológico que vai dizer: lesão compatível com doença imunomediada. (é uma doença mediada pelo sistema imunológico, mas ai pode ser alergia e pode ser doença auto-imune)
	Hemograma: às vezes a DAPE faz eosinofilia. A única que pode fazer eosinofilia, as outras nem isso faz.

	Teste alérgico: agente só faz quando agente já sabe que o animal é alérgico e quando eu já tenho suspeita do que ele possa ser alérgico.

	A conduta diagnóstica é clinico, anamnese, exame físico e exames para descartar as outras doenças.

Tratamento
	Eliminar o parasitismo: Animal (3 semanas)
				 Ambiente

	Prurido
		Anti-histamínico
		AGE (acido graxo essencial)
		Corticoterapia

Sinais secundários -> desordens seborréicas

	Depois que eu descartei as outras doenças, agora vou diferenciar dentro das outras doenças alérgicas. A DAPE é sempre a primeira doença alérgica que agente vai descartar. Quando eu suspeito de DAPE eu não preciso descartar as outras, eu já vou direto empregar a terapêutica pra DAPE: controle do ectoparasita.

Ex. quando suspeito da dermatite atópica, a primeira coisa que eu faço é descartar a DAPE, descartar a hipersensibilidade alimentar, se não são esses 2, ai eu fecho como dermatite atópico.

Na DAPE, ela é a primeira, quando ela vem mais clássica, eu já vou pra prova terapêutica que vai ser meu diagnostico.

Tratamento: eliminar o parasitismo. Se é pulga e carrapato têm que fazer o controle de parasitismo no animal e no ambiente.
No controle de parasitismo no animal: a aplicação do produto para evitar a infestação do parasita tem que ser no intervalo menor do que no animal que não é alérgico. Por que: todo parasiticida, vamos usar sempre o “parasiticida (spot on)”. Geralmente o spot on (que fica na glândula sebácea) dura 4 semanas, então entre a 3ª e a 4ª semana ocorre uma queda no nível. Num animal que não tem alergia, ele vai pegar uma pulga ou outra, um carrapato, mas não vai ter problema. Mas quem tem alergia, nessa queda no nível do medicamento, um único parasita que chega ali vai causar todo o sintoma, com isso agente prescreve a cada 3 semanas até ter um bom controle no ambiente.

O que agente usa:
Fludromil, imidaclopride, celamectina, prac-tic (defenotrina), qualquer spot on que indique controle de pulga, desde que seja feito a cada 3 semanas.

Sinais secundários:
	Prurido: se eu tenho um bom controle do parasita, eu posso usar só um anti-histamínico (só se o animal não estiver numa crise muito grave).
	No prurido grave posso passar corticóide. (obs: se eu passo corticóide eu não uso o anti-histamínico)
	Associo o acido graxo pra potencializar a ação do anti-histamínico.
Esse paciente não vai precisar usar acido graxo pra toda a vida, usar 60 dias, 90 dias, e depois que vc tem um bom controle da pulga, suspende.

Só que é aquilo, não tem cura. Toda vez que o proprietário relaxar e o animal pegar pulga ou carrapato, ele vai se coçar como um louco.

Principais sinais secundários que vamos ter na atopia da DAPE, são as desordens seborréicas. Então agente sempre prescreve o produto anti-seborréico como enxofre, acido salicílico, umectante é bom (pra melhorar o quadro do animal). Depois que ele recupera não há mais necessidade porque ele só faz a lesão quando está exposto ao ectoparasita, ele não tem disfunção genética na pele como o animal atópico tem.

Dermatite alérgica de contato
(DAC)

É uma das doenças alérgicas mais fáceis de tratar, mas que às vezes o veterinário não consegue chegar ao diagnóstico.
O que é a DAC:
É algum produto, alguma substância que em contato com a pele naquele local (a DAC não faz lesão generalizada), é no local de contato o animal começa a desenvolver uma dermatite.

Particularidade da DAC:
	Ela não faz lesão generalizada, é no local de contato.
Outra particularidade:
	Lugar de contato prolongado.

Ex. não é DAC: desinfetante, produto de obra, onde o animal aparece com a lesão 24 horas depois não é alergia, isso é produto cáustico. Num dia estava e no outro não: isso é caustico, não é DAC.

DAC é: passo pano todo dia no chão, no inicio ele não tinha nada, com o tempo, todo dia eu olho a bolsa escrotal dele e está vermelha. Então ele desenvolveu a alergia.
Ex. comecei a forrar a casinha dele com carpete, 3 semanas depois ele começou a apresentar naquele local que ele deita, uma falha de pêlo, eritrema.

- Contato prolongado alérgeno
- Diferenciar dermatite contato

CAUSAS:
Tecidos sintéticos, lã, carpete ...
Desinfetantes, cera, tintas ...
Medicamentos (neomicina, tiuran, talcos...)
Plástico
Coleitas
Gramas

Causas: tecidos sintéticos, lã, carpete, contato prolongado. Desinfetante, cera, tinta, sempre com contato prolongado, na área.

Plástico a DAC. A vasilha de plástico: o animal vai fazer lesão na boca, porque ele encosta ali e com o tempo vai fazendo esse tipo de lesão.

Coleira: qualquer uma, depende da sensibilidade, pode ser ao couro, nylon, feltro, ai a lesão vai ser só no pescoço, ele não vai ter mais nada no resto do corpo. Se ele usar uma peitoral, a peitoral vai fazer lesão na região do peito.

Grama: lesão na região ventral. O que desencadeia, o antígeno da grama é a seiva que a grama solta quando é cortada. É o animal que está sempre na grama, e essa grama é cortada semanalmente ou de 15 em 15 dias. Vc coloca o animal no canil quando for cortar e o animal melhora

Medicamento:
Ex. neomicina, é um aminoglicosídeo que faz muito DAC, mas ela é um pouco mais rápido, vc coloca e no 3-4º dia o animal começa a apresentar uma reação.
Ex. tiuran: animal que toma banho com tiuran constantemente também desenvolve a DAC.

Sinais clínicos
- Prurido discreto -> generalizado (lambedura)
- Lesões área de contato, baixa cobertura pilosa
- Eritrema, pápulas, hiperqueratose

Característica da lesão:
A DAC tem características bem particulares:
	O prurido é mais