Aula_02

Aula_02


DisciplinaTecnologia da Informação e Comunicação3.020 materiais16.829 seguidores
Pré-visualização4 páginas
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - AULA 2
Prof. LUIZ DI MARCELLO
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
OBJETIVOS DA AULA
 Conhecer as principais características das abordagens da neutralidade, do determinismo tecnológico e da associação em redes na evolução científica e tecnológica do homem contemporâneo
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
Definição (Wikipédia):
	
	É a teoria filosófica de que todo acontecimento é explicado pela determinação, ou seja, por relações de causalidade (causa e efeito).
Mas, o que é DETERMINISMO?
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
O Determinismo nega a possibilidade de escolha
Para os deterministas tudo já está previamente determinado não havendo possibilidade de escolhas, não há um objetivo a atingir, pelo contrário, existe uma sucessão de fatos que o homem não pode interromper e escapar deles
Segundo seus defensores, o homem está submetido a uma série de leis naturais, sujeitas ao princípio da causalidade
Se opõe ao livre arbítrio, que sugere que o homem faz suas próprias escolhas
Características: o medo a toda mudança e a toda novidade imprevista
Mas, o que é DETERMINISMO?
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
No processo de evolução científica e tecnológica do homem contemporâneo, estabeleceu-se uma visão de determinismo, ora social ora tecnológico, ou seja, em um período histórico, acreditava-se que:
A sociedade determinava os rumos da Ciência e da Tecnologia (C&T), não sendo por estas afetada (determinismo social)
A ideia é que a C&T gerada para uma determinada sociedade e, portanto, gerada para que seja funcional para ela está de tal forma \u201cligada\u201d a esta sociedade que não é passível de ser utilizada por outra sociedade. Assim, outra sociedade com objetivos diferentes não terá sucesso com esta tecnologia
DETERMINISMO: Primeira abordagem
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
(CONTINUAÇÃO)
Devido a essa funcionalidade entre a C&T e a sociedade na qual foi gerada, tende a reproduzir as relações sociais e até mesmo a inibir a mudança social
SITUAÇÃO EXEMPLO: (a grosso modo) Um software pensado e desenvolvido para atender às necessidades de uma sociedade não serviria de nada para uma outra sociedade, não funcionando corretamente
DETERMINISMO: Primeira abordagem
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
No processo de evolução científica e tecnológica do homem contemporâneo, estabeleceu-se uma visão de determinismo, ora social ora tecnológico, ou seja, em um período histórico, acreditava-se que:
	
Acreditava-se que a ciência e a tecnologia (C&T) seguiam seu próprio rumo, não sendo diretamente influenciadas pela sociedade 
Neste caso a idéia é que a C&T é desenvolvida de forma linear, seguindo um caminho próprio não sendo influenciada pela sociedade de alguma maneira
Esta abordagem gerou dois conceitos: Neutralidade e Determinismo científico e tecnológico
DETERMINISMO: Segunda abordagem
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
É a teoria de que a ciência é imparcial e que é construída a partir da simples observação de fatos e experimentos, dos quais se tiram as conclusões científicas. É dito "Mito" pois o que de fato ocorre é que a ciência não é tão imparcial assim. O cientista não apenas observa os fatos, mas tem que interpretá-los, entrando aí todas as suas concepções políticas, religiosas e filosóficas. Isso pode ocorrer de forma inconsciente ou consciente
NEUTRALIDADE: Segunda abordagem
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
ILUMINISMO
Os filósofos iluministas afirmavam que a razão guiaria o homem para a sabedoria, conduzindo-o à verdade
Assim, a razão era a fonte de todo o conhecimento 
NEUTRALIDADE: Conceitos
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
Ganha força a crença de que a ciência é a expressão de uma verdade absoluta, aumentando a confiança na ciência como fonte, senão única, privilegiada, do saber \u201cverdadeiro e universal\u201d
 
NEUTRALIDADE: Conceitos
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
Nesta teoria a C&T não é influenciada pelo contexto social nem possui um poder de determinar a sua evolução, sendo então desprovidas de valor e dele independente.
NEUTRALIDADE: Conceitos
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
Nesta teoria o desenvolvimento da C&T é considerado como uma variável independente e universal que determinaria o comportamento de todas as outras variáveis do sistema produtivo e social; são consideradas forças independentes, autocontroláveis, autodetermináveis e autoexpan síveis
DETERMINISMO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
As tecnologias são vistas como algo fora do controle humano, mudando de acordo com seu próprio momento e moldando inconscientemente a sociedade
	ATENÇÃO PARA O DIÁLOGO:
Olá, eu estou com um problema X e gostaria de resolvê-lo o mais rápido possível...
Olá, esse problema X não poderá ser resolvido por aqui, pois não temos responsabilidade sobre ele, uma vez que foi gerado pelo sistema.  Por favor, telefone mais tarde, porque o sistema está \u201cfora do ar\u201d e não há nada que possa ser feito.
DETERMINISMO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
EFEITO FRANKENSTEIN
Situação em que o homem cria uma máquina ou um sistema para um propósito particular e limitado. Mas assim que a máquina ou o sistema está em ação, nós temos a impressão, sempre para nossa surpresa, que ele(a) tem vida própria, não podendo ser controlado e sendo capaz de mudar nossos hábitos e formas de pensar e agir (exemplo do slide passado)
	
DETERMINISMO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
Em 1940, Robert Park (Universidade de Chicago) declarou que os dispositivos tecnológicos estavam modificando a estrutura e as funções da sociedade, noção que serviu de ponto de partida para uma corrente teórica em todos os aspectos, inovadora
DETERMINISMO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
Visão segundo a qual a tecnologia é vista como inserida numa rede de relações, para a qual concorrem os diferentes aspectos da vida em sociedade tendo como protagonistas diferentes atores, que se movimentam em redes, movidos por interesses específicos
ASSOCIAÇÃO EM REDE
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
 
É uma rede de relacionamento com pessoas que possuem um objetivo em comum
ASSOCIAÇÃO EM REDE: REDE SOCIAL
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
ORKUT
http://www.tecmundo.com.br/8273-o-tamanho-do-orkut-no-brasil.htm
O Orkut é um site de relacionamento filiado ao Google, criado 24/01/04, pelo engenheiro turco Orkut Büyükkokten, com o objetivo de ajudar seus membros a conhecer pessoas e manter relacionamentos
Números do Orkut no Brasil:
	- De cada 4 internautas, 3 acessam o Orkut, 1 acessa o Facebook e menos de 1 o Twitter
	- 89% dos usuários do Facebook acessam o Orkut, contra 33% dos usuários do Orkut acessam o Facebook
	- Países que mais utilizam: Brasil (50%), Índia (20%) e EUA (18%)
ASSOCIAÇÃO EM REDE: SITES DE RELACIONAMENTO
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
CLOUD COMPUTING
MAINFRAMES
REDES DEPARTAMENTAIS
INTERNET
ASSOCIAÇÃO EM REDE: EVOLUÇÃO
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
A computação em nuvem é simplesmente a migração da computação e do armazenamento, de uma empresa para dentro da Internet (nuvem). O usuário define os requisitos de recurso (como necessidades de computação e rede de longa distância, ou WAN, ou de largura de banda), e o provedor de nuvem monta virtualmente esses componentes dentro de sua infra-estrutura.
ASSOCIAÇÃO EM REDE: CLOUD COMPUTING
AULA 2 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
1) Na análise da evolução social, científica e tecnológica do homem contemporâneo podemos identificar quatro abordagens principais. Correlacione corretamente cada abordagem a sua definição, usando as opções seguintes:
 
(a) da neutralidade			(c) da dialética (b) do determinismo tecnológico	(d) da associação em rede
(  ) As tecnologias são apresentadas como autônomas, como algo fora da sociedade e são consideradas forças independentes, auto-controláveis, auto-determináveis e auto-expandíveis, vistas como algo fora do controle humano, mudando de acordo