resmat2007a
135 pág.

resmat2007a


DisciplinaResistência dos Materiais II5.091 materiais121.209 seguidores
Pré-visualização27 páginas
o perfil U na\u2dco so´ se
fletira´ para baixo como tambe´m torcera´ no sentido hora´rio como mostrado.
Para entender porque o elemento torce, e´ preciso estudar a distribuic¸a\u2dco do fluxo de
cisalhamento ao longo das abas e da alma do perfil em U (Figura 3.140). Quando a
distribuic¸a\u2dco e´ integrada nas a´reas das abas e da alma, fornece forc¸as resultantes de Faba
114
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
A
B
C D
3kN/m
20050
400
50
50
50
100
10
0
10
0
1,5 m 3 m 1,5 m
Figura 3.138: Figura do exerc´\u131cio 4
C
P
Figura 3.139: Flexa\u2dco e Torc¸a\u2dco
f
max
aba
f alma
max
f
max
aba
Figura 3.140: Distribuic¸a\u2dco do fluxo de cisalhamento
= A
P
e
O
F
F
A d
aba
aba
Q=P
CG
Figura 3.141: Momento para combater o bina´rio resultante do fluxo de cisalhamento nas
abas
em cada aba e uma forc¸a Q = P na alma (Figuras 3.141). Se somarmos os momen-
tos dessas forc¸as em torno no ponto A, veremos que o bina´rio criado pelas forc¸as das
abas e´ responsa´vel pela torc¸a\u2dco do elemento. O sentido real da torc¸a\u2dco e´ hora´rio quando
visto a partir da frente da viga, como mostra a Figura 3.139, uma vez que as forc¸as
de \u201cequil´\u131brio\u201dinterno de reac¸a\u2dco Faba provocam a torc¸a\u2dco. A fim de impedir a torc¸a\u2dco e´
115
P
Figura 3.142: Flexa\u2dco sem torc¸a\u2dco
necessa´rio aplicar P em um ponto O localizado a uma dista\u2c6ncia e da alma do perfil em
U (Figuras 3.141 ). E´ preciso que
\u2211
MA = Fabad = Pe ou:
e =
Fabad
P
(3.116)
Usando a teoria discutida no to´pico Fluxo de Cisalhamento, avalia-se Faba em termos
de P = (Q) e das dimenso\u2dces das abas e da alma. Uma vez feito isso, P sera´ cancelada apo´s
a substituic¸a\u2dco na equac¸a\u2dco 3.116 e sera´ poss´\u131vel, enta\u2dco, expressar e simplesmente em func¸a\u2dco
da geometria da sec¸a\u2dco transversal e na\u2dco em func¸a\u2dco de P ou de sua localizac¸a\u2dco ao longo
do comprimento da viga. O ponto O localizado e´ chamado centro de cisalhamento
ou centro de flexa\u2dco. Quando P e´ aplicada nesse centro de cisalhamento, a viga flete
sem torc¸a\u2dco, como mostra a figura 3.142. Os manuais de projeto relacionam a localizac¸a\u2dco
desse ponto para uma variedade de sec¸o\u2dces transversais de vigas de paredes finas, usadas
comumente na pra´tica.
Ao proceder a` ana´lise, deve-se observar que o centro de cisalhamento localiza-se
sempre em um eixo de simetria da a´rea da sec¸a\u2dco transversal do elemento. Por exem-
plo: se o perfil em U da Figura 3.139 for girado 90o e P for aplicada em A (Figura 3.139),
na\u2dco ocorrera´ torc¸a\u2dco, uma vez que o fluxo de cisalhamento na alma e nas abas e´ sime´trico
nesse caso e, portanto, as forc¸as resultantes nesses elementos criam momentos nulos em
torno de A (Figura 3.140). Obviamente, se um elemento tiver uma sec¸a\u2dco transversal com
dois eixos de simetria, como no caso de uma viga em duplo T, o centro de cisalhamento
coincidira´ com a intersec¸a\u2dco desses eixos (o centro´ide).
Exemplo:
Determinar a localizac¸a\u2dco do centro de cisalhamento da sec¸a\u2dco do perfil em U, que tem
paredes finas e as dimenso\u2dces mostradas na Figura 3.143.
\u2022 Resultantes do Fluxo de Cisalhamento
O cortante vertical para baixo Q aplicado a` sec¸a\u2dco faz o cisalhamento fluir atrave´s
das abas e da alma como mostra a Figura 3.144.
Isso provoca as forc¸as resultantes Faba e Q nas abas e na alma como mostra a Figura
3.145. Calcularemos os momentos em torno do ponto A, de modo que somente a
forc¸a Faba tenha de ser determinada.
A a´rea da sec¸a\u2dco transversal pode ser dividida em tre\u2c6s reta\u2c6ngulos componentes - uma
alma e duas abas. Como se admite que cada componente seja fino, o momento de
ine´rcia da a´rea em torno do eixo neutro e´:
116
b
ht
t
Figura 3.143: Figura do exemplo com viga U
almaf
max
abaf
max
abaf
max
Figura 3.144:
=
F
Faba
abaA
Q h
A
e
P=Q
Figura 3.145:
I =
1
12
th3 + 2
\uf8ee\uf8f0bt(h
2
)2\uf8f9\uf8fb = th2
2
(
h
6
+ b
)
(3.117)
Pela Figura 3.146, q em uma posic¸a\u2dco arbitra´ria x e´:
f =
QMs
I
=
Q(h/2)[b\u2212 x]t
(th2/2[(h/6) + b]
=
Q(b\u2212 x)
h[(h/6) + b]
(3.118)
Enta\u2dco, a forc¸a Faba e´:
Faba =
\u222b b
0
qdx =
Q
h[(h/6) + b]
\u222b b
0
(b\u2212 x)dx = Qb
2
2h[(h/6) + b]
(3.119)
Obviamente este resultado poderia ser obtido encontrado primeiro fabamax (Figura
117
h/2
b
x dx
q
N A
Figura 3.146:
3.144) e depois calculando a a´rea triangular Faba = b/2f
aba
max.
\u2022 Centro de Cisalhamento.
Somando os momentos em torno do ponto A (Figura 3.145), requer-se que:
Qe = Fabah =
Qb2h
2h[(h/6) + b]
(3.120)
Assim:
e =
b2
[(h/3) + 2b]
(3.121)
Como mencionamos anteriormente, e depende apenas da geometria da sec¸a\u2dco transver-
sal.
3.4.8 Exerc´\u131cios
1. O conjunto da figura 3.147 esta´ submetido a um cisalhamento vertical Q=31,14mm.
Determinar o fluxo de cisalhamento nos pontos A e B e o seu valor m\u131´nimo na sec¸a\u2dco
transversal.
(Resp.: fa = 34, 31 N/mm; fb = 79, 26 N/mm; fmax = 112, 47 N/mm)
2. Determinar a localizac¸a\u2dco e do centro de cisalhamento, ponto O, do elemento de
paredes finas com a sec¸a\u2dco transversal mostrada na figura 3.148. Os segmentos do
elemento te\u2c6m a mesma espessura t.
(Resp.: e = 27, 19 mm)
3. Determinar a localizac¸a\u2dco e do centro de cisalhamento, ponto O, do membro de
paredes finas com uma fenda ao longo de sua lateral mostrado na figura 3.149.
Cada elemento tem espessura constante t.
(Resp.: e = 7a/10)
118
Q
50,8mm
12,7mm
A
152,4mm
B
12,7mm 12,7mm
12,7mm
50,8mm152,4mm
Figura 3.147: Figura do exerc´\u131cio 1
45,82mm
O
e
25,4mm
25,4mm
25,4mm
25,4mm
Figura 3.148: Figura do exerc´\u131cio 2
O
e
a
a
a
t
Figura 3.149: Figura do exerc´\u131cio 3
119
Cap´\u131tulo 4
To´picos complementares
4.1 Linha ela´stica de vigas sujeitas a` flexa\u2dco
4.1.1 Definic¸a\u2dco
A linha ela´stica (LE) na flexa\u2dco e´ a curva que representa o eixo de uma viga deformada a`
flexa\u2dco pura ou simples (desprezando o efeito do cortante).
4.1.2 A\u2c6ngulo de curvatura
Para a determinac¸a\u2dco da equac¸a\u2dco da LE de vigas sujeitas a` flexa\u2dco, considere a barra de
eixo originalmente reto que, mediante a atuac¸a\u2dco de um momento fletor M, se torna curvo,
de acordo com a figura 4.1.
d\u3b8
B´A´
A B
\u3c1
eixo
M M
y
Figura 4.1: Trecho de uma barra sujeita a` flexa\u2dco pura
Na figura 4.1 tem-se:
\u2022 sec¸o\u2dces A e B: duas sec¸o\u2dces adjacentes da viga. Antes da aplicac¸a\u2dco do carregamento
estas sec¸o\u2dces estavam paralelas e distantes entre si dx.
\u2022 ds = AB: o comprimento do trecho do eixo compreendido entre A e B
\u2022 A\u2032B\u2032: um segmento de reta paralelo ao eixo e de comprimento ds+ds \u3b5x = ds(1+\u3b5x)
120
\u2022 y: A dista\u2c6ncia entre A e A\u2032, BeB\u2032
\u2022 \u3c1: o raio de curvatura do trecho AB do eixo da barra apo´s a atuac¸a\u2dco de M ;
\u2022 d\u3b8: o a\u2c6ngulo de curvatura do trecho do eixo entreAB que, por consequ¨e\u2c6ncia, tambe´m
e´ o a\u2c6ngulo de curvatura de A\u2032B\u2032
De acordo com o que foi apresentado na sec¸a\u2dco de solicitac¸a\u2dco por momento fletor (3.3)
vista anteriormente, as tenso\u2dces normais na flexa\u2dco se relacionam com o momento fletor
atuante nela da seguinte forma:
\u3c3x =
Mz
Iz
y (4.1)
e a deformac¸a\u2dco correspondente e´
²x =
\u3c3x
E
=
Mz
EIz
y (4.2)
O comprimento de AB apo´s atuac¸a\u2dco do carregamento e´ ds pode ser relacionado com
R e d\u3b8 da seguinte forma:
ds = \u3c1 d\u3b8 \u21d2 d\u3b8
ds
=
1
\u3c1
(4.3)
Como visto na sec¸a\u2dco 3.3, a curvatura \u3ba da barra e´ expressa como:
\u3ba =
1
\u3c1
=
d\u3b8
ds
=
²x
y
(4.4)
Para pequenas deformac¸o\u2dces, podemos fazer a seguinte simplificac¸a\u2dco:
ds \u2248 dx (4.5)
Logo, o a\u2c6ngulo de curvatura pode ser obtido atrave´s da seguinte equac¸a\u2dco:
d\u3b8
ds
\u2248 d\u3b8
dx
=
Mz
EIz
(4.6)
A equac¸a\u2dco 4.6 e´ aplica´vel a barras retas com pequena curvatura.
4.1.3 Equac¸a\u2dco diferencial da LE
Seja a barra de eixo originalmente reto submetida ao carregamento q(x) da figura 4.2.
Nesta figura tem-se o eixo na configurac¸a\u2dco indeformada representado pela linha cheia, a
LE representada pela linha tracejada, S e T sec¸o\u2dces adjacentes originalmente verticais na
configurac¸a\u2dco indeformada e S\u2019 e T\u2019 suas correspondentes na configurac¸a\u2dco deformada.
A figura 4.3 representa o trecho da barra nas proximidades de S e T com maior n´\u131vel
de detalhes. Nesta figura d\u3c6 e´ o incremento de inclinac¸a\u2dco correspondente