Hisória do Direito Brasileiro - Apostila (73)
5 pág.

Hisória do Direito Brasileiro - Apostila (73)


DisciplinaHistória do Direito Brasileiro10.782 materiais255.761 seguidores
Pré-visualização1 página
PREPARATÓRIO PARA OAB
Professor: Dr. Flávio Tartuce
DISCIPLINA: DIREITO CIVIL
Capítulo 6 Aula 1
DA COMPRA E VENDA
Coordenação: Dr. Flávio Tartuce
01
Conceito e Natureza Jurídica
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
O contrato de compra e venda é aquele pelo qual um dos contratantes se obriga a transferir o domínio de 
certa coisa, e, o outro, a pagar-lhe o preço em dinheiro, conforme prevê o artigo 481 do Novo Código Civil.
Quanto à sua natureza jurídica, o contrato de compra e venda é um contrato bilateral por excelência, 
presente a "sinalagmática", proporcionalidade das prestações. Constitui um contrato oneroso, pois envolve 
sacrifício patrimonial da partes, presente uma remuneração denominada preço.
Por regra, constitui contrato comutativo, eis que as partes sabem, desde o início, quais são as prestações que 
podem ser cumpridas. Entretanto, eventualmente, pode assumir a forma aleatória, em duas formas básicas:
-Contrato Aleatório "emptio spei": quando houver riscos variáveis quanto à própria existência da coisa 
adquirida. 
-Contrato Aleatório "empito rei speratae": quando houver variação somente quanto à quantidade. 
O contrato de compra e venda é sempre consensual aperfeiçoando-se e gerando efeitos com a simples 
manifestação de vontade. Não se pode confundir que a entrega da coisa (tradição) e o registro imobiliário 
não mantém relação com o aperfeiçoamento da avença, mas com o cumprimento do negócio. Com a 
manifestação volitiva, o pacto começa a gerar efeitos. O contrato pode ser formal ou informal, dependendo 
do caso. 
2 ELEMENTOS ESSENCIAIS DA COMPRA E VENDA.
De acordo com aquilo que consta do Código Civil Brasileiro, são elementos essenciais do contrato de 
compre e venda, além daqueles comuns a todos os negócio jurídicos: a coisa, o preço e a vontade ou 
consentimento. 
a) DA COISA: constitui o objeto da compra e venda, devendo ser corpórea, eis que os bens incorpóreos 
somente podem ser objeto de contrato de cessão de direitos. A coisa, objeto da compra e venda, deve ser 
disponível, podendo ser objeto de alienação gratuita ou onerosa, uma vez que sua inalienabilidade 
impossibilitaria a sua transmissão ao comprador.
b) PREÇO: é a quantia em dinheiro que o comprador é obrigado a pagar pela coisa, constituindo o valor do 
contrato em questão. O Código Civil prevê que o preço deve sempre ser pago em dinheiro. Eventualmente, o 
preço poderá ser pago em documentos que representam pecúnia, caso do cheque e da nota promissória. O 
preço não pode ser consubstanciado em outra coisa, eis que nesse caso haverá troca, permuta ou escambo 
contratual. 
c) CONSENTIMENTO: dos contratantes sobre a coisa, preço e demais condições do negócio jurídico em 
questão. 
Aula 1
02
3. REGRAS e efeitos PRINCIPAIS do contrato de compra e venda.
-Prevê o artigo 490 do Novo Código Civil que, regra geral, as despesas de escritura e registro ficarão a cargo 
do comprador. 
- Havendo compra e venda instantânea, o vendedor não é obrigado a entregar a coisa antes de receber o 
preço (artigo 491), preceito sintonizado com a "exceção de contrato não cumprido". 
-O vendedor deve garantir a qualidade e bom funcionamento da coisa alienada, tanto em relação aos vícios 
redibitórios concebidos à luz dos artigos 441 a 446 do Novo Código Civil -, quanto aos vícios do produtos 
conforme artigos 18 e 26 da Lei nº 8.078/90. 
- Conforme consta do artigo 492 do nCC, os riscos da coisa correm por conta do dono (vendedor). Os riscos 
relacionados com o preço, por conta do credor, que tem a obrigação de pagá-lo. 
-Quanto às despesas de transporte, correm por conta do vendedor, conforme Segunda parte do artigo 490 
do nCC. Eventualmente, essas despesas podem ser divididas entre as partes, conforme prevê esse comando 
legal. 
4. Proibição de venda
A lei civil proíbe que os ascendentes vendam aos descendentes quaisquer bens, sem que haja o 
consentimento dos outros descendentes e o cônjuge do alienante, salvo se casado sob o regime de 
separação obrigatória (art. 496 do nCC), sob pena de anulação do negócio jurídico celebrado. Essa venda 
poderia simular uma doação em prejuízo dos demais herdeiros.
A pessoa casada (exceto no regime de separação absoluta de bens) não poderá alienar ou gravar de ônus os 
bens imóveis do seu domínio sem a autorização do outro cônjuge (art. 1.647 do nCC).
Os consortes não poderão fazer contrato entre si com relação aos bens incluídos na comunhão, sob pena de 
ser declarada a sua nulidade absoluta, por incompatibilidade do objeto. Se a compra e venda tem por objeto 
bem excluído da comunhão, como no caso de serem os consortes casados pelo regime da separação total 
de bens, haverá a possibilidade da compra e venda ser efetivada. 
5. Proibição da compra
Não podem ser comprados, ainda que em hasta pública (art. 497 do nCC):
Pelos tutores, curadores, testamenteiros e administradores, os bens confiados à sua guarda ou 
administração. A lei receia que estas pessoas se façam prevalecer de sua posição especial para lograrem 
vantagem em detrimento dos titulares dos bens que guardam ou administram.
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
03
Pelos servidores públicos, os bens da união, dos Estados e dos Municípios, que estiverem sob sua 
administração direta ou indireta, aplicando-se a mesma disposição aos juízes, arbitradores, ou peritos que, 
de qualquer modo, possam influir no ato ou no preço da venda.
Pelos juízes, empregados da Fazenda, secretários de tribunais, escrivães e outros oficiais da Justiça, os bens 
ou direitos, sobre que se litigam em tribunal, juízo, ou conselho, no lugar onde esses funcionários servirem ou 
a que se estender sua autoridade.
Pelos leiloeiros e seus prepostos quanto aos bens de cuja venda estejam encarregados e corretores das 
Bolsas quanto aos bens a eles confiados.
O proprietário de coisa alugada, para vendê-la deverá dar conhecimento do fato ao inquilino, que terá 
direito de preferência para adquiri-la em igualdade de condições com terceiros.
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br