aula_RAV1_TIC
68 pág.

aula_RAV1_TIC


DisciplinaTecnologia da Informação e Comunicação3.124 materiais17.109 seguidores
Pré-visualização4 páginas
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - Revisão para AV1
Prof. LUIZ DI MARCELLO
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
Ao projetar, desenvolver ou implementar um novo sistema, software, processo, metodologia ou produto tecnológico é oportuno que o profissional compreenda o cenário global mundial, bem como a cultura regional e organizacional onde atua, identificando os impactos de sua atuação nesse contexto.
ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE TI: CONTEXTUALIZAÇÃO
AULA 1
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
 Conjunto organizado de conhecimentos relativos a certas categorias de fatos ou fenômenos. Toda ciência, para definir-se como tal, deve necessariamente recortar, no real, seu objeto próprio, assim como definir as bases de uma metodologia específica: ciências físicas e naturais
 A ciência é o esforço para descobrir e aumentar o conhecimento humano de como a realidade funciona (Wikipédia)
AULA 1
DEFINIÇÕES: CIÊNCIA
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
 Estudo dos instrumentos, processos e métodos empregados nos diversos ramos industriais
 Em seu sentido mais amplo, se aplica a tudo aquilo que, não existindo na natureza, o ser humano inventa para expandir seus poderes, superar suas limitações físicas, tornar o seu trabalho mais fácil e a sua vida mais agradável (www.prefeitoinovador.com.br )
AULA 1
DEFINIÇÕES: TECNOLOGIA
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
 Reunião de homens, de animais, que vivem em grupos organizados; corpo social. Conjunto de membros de uma coletividade, sujeitos às mesmas leis. Cada um dos diversos estágios da evolução do gênero humano
 Conjunto de pessoas que compartilham propósitos, gostos, preocupações e costumes, e que interagem entre si constituindo uma comunidade.
AULA 1
DEFINIÇÕES: SOCIEDADE
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
Hoje nós (a sociedade) vivemos mais e melhor por conseqüência de pesquisa científicas e inovações tecnológicas; seus aparatos significam, muitas vezes, facilidades e benefícios para o sucesso de nossa existência.
AULA 1
SOCIEDADE
(DEMANDA E
BENEFÍCIOS)
CIÊNCIA
(PESQUISA)
TECNOLOGIA
(INOVAÇÃO)
RELAÇÃO DIALÉTICA
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
Através da ciência, foram desenvolvidos os conhecimentos que suportassem a telefonia móvel e, por meio da tecnologia, foi desenvolvido o artefato do aparelho celular. Então, a sociedade demandou uma necessidade que foi atendida pela ciência e pela tecnologia, determinando a criação de um novo artefato para telefonia móvel. 
AULA 1
EXEMPLO: RELAÇÃO DIALÉTICA
O TELEFONE CELULAR
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
LIVRO VERDE: SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO NO BRASIL
DIGITALIZAÇÃO
CONVERGÊNCIA DA BASE TECNOLÓGICA
A computação (informática e suas aplicações), as comunicações (transmissão e recepção de dados, voz, imagens, etc.) e os conteúdos (livros, filmes, fotografias, música, etc.) aproxima-se vertiginosamente
O computador vira um aparelho de TV, a foto favorita sai do álbum para um pendrive e pelo telefone entra-se na Internet
SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO
AULA 1
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
O Determinismo nega a possibilidade de escolha
Para os deterministas tudo já está previamente determinado não havendo possibilidade de escolhas, não há um objetivo a atingir, pelo contrário, existe uma sucessão de fatos que o homem não pode interromper e escapar deles
Segundo seus defensores, o homem está submetido a uma série de leis naturais, sujeitas ao princípio da causalidade
Se opõe ao livre arbítrio, que sugere que o homem faz suas próprias escolhas
Características: o medo a toda mudança e a toda novidade imprevista
Mas, o que é DETERMINISMO?
AULA 2
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
No processo de evolução científica e tecnológica do homem contemporâneo, estabeleceu-se uma visão de determinismo, ora social ora tecnológico, ou seja, em um período histórico, acreditava-se que:
A sociedade determinava os rumos da Ciência e da Tecnologia (C&T), não sendo por estas afetada (determinismo social)
A ideia é que a C&T gerada para uma determinada sociedade e, portanto, gerada para que seja funcional para ela está de tal forma \u201cligada\u201d a esta sociedade que não é passível de ser utilizada por outra sociedade. Assim, outra sociedade com objetivos diferentes não terá sucesso com esta tecnologia
DETERMINISMO: Primeira abordagem
AULA 2
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
(CONTINUAÇÃO)
Devido a essa funcionalidade entre a C&T e a sociedade na qual foi gerada, tende a reproduzir as relações sociais e até mesmo a inibir a mudança social
SITUAÇÃO EXEMPLO: (a grosso modo) Um software pensado e desenvolvido para atender às necessidades de uma sociedade não serviria de nada para uma outra sociedade, não funcionando corretamente
DETERMINISMO: Primeira abordagem
AULA 2
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
No processo de evolução científica e tecnológica do homem contemporâneo, estabeleceu-se uma visão de determinismo, ora social ora tecnológico, ou seja, em um período histórico, acreditava-se que:
	
Acreditava-se que a ciência e a tecnologia (C&T) seguiam seu próprio rumo, não sendo diretamente influenciadas pela sociedade 
Neste caso a idéia é que a C&T é desenvolvida de forma linear, seguindo um caminho próprio não sendo influenciada pela sociedade de alguma maneira
Esta abordagem gerou dois conceitos: Neutralidade e Determinismo científico e tecnológico
DETERMINISMO: Segunda abordagem
AULA 2
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
É a teoria de que a ciência é imparcial e que é construída a partir da simples observação de fatos e experimentos, dos quais se tiram as conclusões científicas. É dito "Mito" pois o que de fato ocorre é que a ciência não é tão imparcial assim. O cientista não apenas observa os fatos, mas tem que interpretá-los, entrando aí todas as suas concepções políticas, religiosas e filosóficas. Isso pode ocorrer de forma inconsciente ou consciente
NEUTRALIDADE: Segunda abordagem
AULA 2
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
Ganha força a crença de que a ciência é a expressão de uma verdade absoluta, aumentando a confiança na ciência como fonte, senão única, privilegiada, do saber \u201cverdadeiro e universal\u201d
Nesta teoria a C&T não é influenciada pelo contexto social nem possui um poder de determinar a sua evolução, sendo então desprovidas de valor e dele independente
 
NEUTRALIDADE: Conceitos
AULA 2
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
Nesta teoria o desenvolvimento da C&T é considerado como uma variável independente e universal que determinaria o comportamento de todas as outras variáveis do sistema produtivo e social; são consideradas forças independentes, autocontroláveis, autodetermináveis e autoexpan síveis
DETERMINISMO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO
AULA 2
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
As tecnologias são vistas como algo fora do controle humano, mudando de acordo com seu próprio momento e moldando inconscientemente a sociedade
	ATENÇÃO PARA O DIÁLOGO:
Olá, eu estou com um problema X e gostaria de resolvê-lo o mais rápido possível...
Olá, esse problema X não poderá ser resolvido por aqui, pois não temos responsabilidade sobre ele, uma vez que foi gerado pelo sistema.  Por favor, telefone mais tarde, porque o sistema está \u201cfora do ar\u201d e não há nada que possa ser feito.
DETERMINISMO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO
AULA 2
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
EFEITO FRANKENSTEIN
Situação em que o homem cria uma máquina ou um sistema para um propósito particular e limitado. Mas assim que a máquina ou o sistema está em ação, nós temos a impressão, sempre para nossa surpresa, que ele(a) tem vida própria, não podendo ser controlado e sendo capaz de mudar nossos hábitos e formas de pensar e agir (exemplo do slide passado)
	
DETERMINISMO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO
AULA 2
Revisão para AV1 \u2013 Prof. LUIZ DI MARCELLO
*
Visão segundo a qual a tecnologia é vista como inserida numa rede de relações, para a qual concorrem