aRtrite psoriatica.
2 pág.

aRtrite psoriatica.


DisciplinaFisioterapia12.553 materiais47.389 seguidores
Pré-visualização1 página
Introdução
A psoríase é uma doença auto-imune cutânea crônica que acomete cerca de 2% dos caucasianos. Em gera, 5 a 8% dos pacientes com psoríase cutânea e 39% dos pacientes com psoríase cutânea grave desenvolvem artrite crônica. 
A artrite psoriática (AP) lembra, em alguns aspectos, a artrite reumatóide (AR), mas apresenta diferenças clinicas e genéticas, inclusive com patogênese diferente.
História
A associação entre psoríase e atrite foi inicialmente notada em 1818, mas, até o inicio do século XX não havia consenso se a AP seria uma entidade independente ou uma associação incidental entre a AR e a psoríase.
A distinção entre AP e AR só ficou claramente estabelecida ao se reconhecer a associação entre o fator reumatóide e AR, em 1948.
Fisiopatologia
A psoríase é uma doença cutânea inflamatória com importante componente proliferativo, levando à descamação das células epiteliais. A inflamação decorre do acúmulo de neutrófilos e de linfócitos T CD8+ na epiderme e da infiltração de linfócitos T CD4+ na derme.
Especula-se que os linfócitos T CD8+ sejam atraídos por um antígeno desconhecido, secretem várias citocinas que causam a proliferação dos queratinócitos e estimulem o infiltrado inflamatório. 
Na PA a concomitância de sinovite e entesite (inflamação nos locais onde os tensões e os ligamentos se inserem nos ossos). Na AP, esses locais tornam-se inflamados e aumentados de volume.
Quadro clinico
A AP pode ser identificada de imediato quando se encontra envolvimento aliogarticular e interfalangicas distais (IFD) e tenossinovite flexora, embora esta não seja a apresentação mais comum. 
As apresentações clinicas podem ser assim distribuídas:
	Grupo 1: envolvimento de IFD sem envolvimento de outra articulação (8 a 16% dos pacientes).
	Grupo 2: artrite mutilante - osteólise das falanges e dos metacarpos (5 % dos pacientes, frequentemente associada com sacroileíte, podendo ocorrer envolvimento dos pés)
	Grupo 3: poliartrite \u2013 simétrica semelhante à AR; a envolvimento de IFD e tendência à anquilose(IFD e interfalangicas proximais \u2013 IFP)
	Grupo 4: artrite oligoarticular \u2013 é o mais característico achado na AP. Pode ser encontrada artite assimétrica, acometendo IFD, IFP, metacarpofalangicas (MCF) e metatarsofalangicas (MTF), associada a tenossinovite flexora, que causa o \u201cdedo em salsicha\u201d, em 15 a 40% dos pacientes.
	Grupo 5: envolvimento axial, com comprometimento de sacroilíacas e da coluna vertebral \u2013 não é a queixa mais comum e costuma ocorrer muitos anos após o acometimento articular periférico; acomete mais os homens que as mulheres (6:1) e os pacientes com inicio da psoríase mais tarde. Encontram-se também sacroileíte assimétrica e sindesmofítos atípicos acometendo seguimentos aleatórios da coluna.