A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Urinálise

Pré-visualização | Página 1 de 1

1 Amaríntia Rezende – Interpretação de Exames Laboratoriais 
URINÁLISE 
COLETA E CONSERVAÇÃO DA URINA 
 Micção espontânea: descartar primeiras gotas, 
recipientes apropriados. 
 Cateterismo: realizada de maneira mais limpa 
possível, descartar primeiro jato 
 Cistocentese: sangue oculto, cuidados com 
ruptura, contaminação de peritônio, lesão de 
vasos da bexiga, intestinos. Não realizar em 
animais com trombocitopenia. 
ASPECTOS FÍSICOS 
 Coloração: avermelhada (hemorragia, exercício 
físico-mioglobinúria), amarelo escuro, ouro, 
claro, citrino, âmbar (bilirrubinúria) 
 Aspecto: límpido ou turvo (bactérias, células, 
cristalúria, espermatozóides, muco) 
 Odor: característico ou alterado (geralmente em 
infecções bacterianas). 
 Densidade: 
o baixa (muito diluída) – diabetes 
insipidus, hipoadrenocorticismo, 
hipotireoidismo, hipercalcemia, 
piometra, polidipsia psicogênica. 
o Isostenúrica (1,007-1,017) – doença 
renal intrísica. 
o Hiperestenúrica (>1,017) – condições 
normais, animal desidratado. Animais 
com glicosúria (diabetes mellitus) e 
proteinúria. 
 
ASPECTOS QUÍMICOS 
 pH: Quanto mais proteína na dieta, mais ácido é 
a urina. Pode ser relacionado a infecções 
urinárias (Proteus spp e Stafilococcus aureus). 
 Nitrito: Presença de bactérias nitrificantes (gram-
negativas), possui pouco valor diagnóstico. 
 Relação proteína:creatinina:urina – aumentada 
por urina com hematúria e inflamações como 
cistite e infecção urinária. Proteinúria pós renal. 
 Glicose: no momento da filtragem, o túbulo 
contornado proximal reabsorve toda a glicose do 
sangue. A hiperglicemia eleva a glicosúria. Um 
animal com taxa de glicose normal e ainda sim 
glicosúria é um forte indício de lesão tubular, o 
túbulo ineficiente não realiza a reabsorção de 
glicose. 
 Glicosúria com hiperglicemia – diabetes mellitus 
 Glicosúria com normoglicemia – transtorno renal 
 A glicosúria predispõe a cistite. 
 Cetona: provém do metabolismo de gordura. 
Indica que o animal está em catabolismo lipídico 
acelerado. É relacionado a diabetes mellitus ou 
inanição. 
 Bilirrubina: a bilirrubinúra precede a 
hiperbilirrubinemia. Problemas hepáticos, 
hemólise intravascular. 
 Sangue oculto: pode ter hemácias, hemoglobina 
ou mioglobina. Também pode ser devido a 
contaminação de hemácias no momento da 
coleta, seja por cistocentese ou por cateterismo. 
 Leucócitos: Pode dar falso negativo. Quando dá 
positivo é uma quantidade importante de 
leucócitos. Em felinos pode dar falso-positivo, 
não se aplica. Olhar na sedimentoscopia. 
SEDIMENTOSCOPIA 
CELULARIDADE 
 Hemácias: cistocentese, cateterismo, hematúria 
(cistite, uretrite, pielonefrite, urolitíase, 
problemas prostáticos, trombocitopenia, pólipos 
no trato urinário, neoplasias no trato urinário). 
 Leucócitos: inflamações (com ou sem agente 
etiológico) ou infecções. 
 Células: descamativas, epiteliais de transição, 
pelve renal , neoplásicas 
 Gordura: normal em felinos, animais obesos, 
aumento de triglicerídeos. 
CRISTAIS 
 Não quer dizer que tenha urólito. Nem todo 
animal que tem urólito tem cristalúria. 
 Estruvita: em urina de pH alto. Dietas ricas em 
magnésio, fósforo, proteína, pode precipitar 
estruvita. Também infecções bacterianas, com o 
cistite, pode aumentar o pH da urina e favorecer 
a precipitação de cristais de estruvita. 
 Oxalato de cálcio: em urina de pH baixo. Dietas, 
quantidade de cálcio da alimentação, . 
 
2 Amaríntia Rezende – Interpretação de Exames Laboratoriais 
 Cristal de tirosina: pH baixo, descrito em cães 
com doença hepática severa 
 Cristal de cistina: deficiência de reabsorção de 
cistina pelos túbulos, congênita. 
 Cristais de bilirrubina: bilirrubinúria. 
 Urato de amônio: pH baixo. Raças predispostas 
(dálmatas e schnauzer), animais que fazem o uso 
contínuo de alopurinol. E também descrito em 
animais com insuficiência hepática crônica (shunt 
portossistêmico). 
 
CILINDRÚRIA 
 Cilindro é uma estrutura que ficou estacionado 
um tempo nos túbulos, tomando um formato de 
cilindro. 
 Cilindro hialino em quantidades pequenas é 
fisiológico. 
 Em situações de lesão tubular tem uma 
quantidade maior de proteínas acumuladas no 
túbulo tendo maior quantidade aumentada de 
cilindros hialinos, possível lesão tubular. 
 Cilindro tubular quando há descamação 
patológica das células do túbulo e se juntam no 
cilindro hialino. 
 Cilindro granuloso, células se aglomeraram e se 
degeneraram, não conseguindo mais definir sua 
morfologia. 
 Cilindro hemático, com hemácias. Cilindro 
leucocitários, com leucócitos. Geralmente o 
cilindro granuloso é de células tubulares. Cilíndro 
céreo: passou muito tempo no túbulo. 
 Agentes etiológicos: infecções do trato urinário 
ou iatrogênica. Fungos, ovos de parasitas 
(dioctophyne renale) 
 Espermatozóides em machos;