20 - Prolapso Genital e Incontinência urinária
12 pág.

20 - Prolapso Genital e Incontinência urinária


DisciplinaFisioterapia12.640 materiais47.875 seguidores
Pré-visualização7 páginas
o detrusor se contraia, levando aos sintomas
característicos da bexiga hiperativa.
O diagnóstico de IUM será feito através da demonstra-
ção urodinâmica da perda sincrônica aos esforços e da pre-
sença de contrações não inibidas do detrusor.
TTTTTratamentoratamentoratamentoratamentoratamento
Nos casos de incontinência mista, deve ser tratado ini-
cialmente o componente de instabilidade. Caso haja melho-
ra deste, mas persista a perda aos esforços, será indicado o
procedimento cirúrgico.
A eletroestimulação e a reeducaçãao perineal tam-
bém podem ser utilizadas para o tratamento da inconti-
nência mista.
Retenção com TRetenção com TRetenção com TRetenção com TRetenção com Transborransborransborransborransbordamentodamentodamentodamentodamento
É a perda urinária que acontece quando a pressão in-
travesical excede a pressão uretral, estando associada à dis-
tensão vesical, mas em ausência de atividade do detrusor.
O transbordamento ocorre quando os limites da capa-
cidade de distensão da bexiga são atingidos. Tais limites
podem ser alcançados tanto nas bexigas espásticas, como
são aquelas acometidas por fibrose pós-radiação, como na-
quelas atônicas em conseqüência de lesão neurológica, sendo
o ponto comum a falta da capacidade da fibra muscular lisa
do detrusor de apresentar contração.
MiscelâneaMiscelâneaMiscelâneaMiscelâneaMiscelânea
Inclui lesões uretrais e vesicais como os pólipos, os di-
vertículos, a cistite intersticial crônica e os tumores.
Tais lesões podem atuar alterando os estímulos sensiti-
vos provenientes da uretra ou bexiga, bem como interferin-
do no seu mecanismo esfincteriano.
BBBBBIBLIOGRAFIAIBLIOGRAFIAIBLIOGRAFIAIBLIOGRAFIAIBLIOGRAFIA C C C C CONSULONSULONSULONSULONSULTTTTTADAADAADAADAADA
1. Abrams P, Cardozo L, Fall M, Griffiths D, Rosier P, Ulmsten U et
al. The standardisation of terminology os lower urinary tract
function: report from the standadisation sub-committee of the
International Continence Society. Neurourol Urodyn 2002; 21:
167-78.
2. Bezerra CA, Bruschini H, Cody DJ. Suburethral sling operations
for urinary incontinence in women. In: The Cochrane Library,
Issue1, 2004. Oxford: Update Software.
3. Bezerra LRPS, Feldner Jr PC, Girão MJBC, Sartori MGF, Bara-
cat EC, Lima GR. Padronização da terminologia do prolapso
pélvico feminino. Femina 2003; 31: 755-760.
4. Brubaker L, Benson JT, Bent A, Clark A, Shott S. Transvaginal
electrical stimulation for female urinary incontinence. Am J Obstet
Gynecol 1997; 177: 536-40.
5. Cervigni M, Natale F. Surgical treatment of stress urinary incon-
tinence. Eur J Obvstyet Gynecol Reprod Biol 1999; 85: 63-70.
6. Chai TC, Steers, WD. Neurophysiology os micturition and con-
tinence in women. Int Urogynecol J 1997; 8: 85-97.
7. Comissão Nacional Especializada de Uroginecologia e Cirurgia
Vaginal da FEBRASGO. Uroginecologia e Cirurgia Vaginal \u2014
Manual de Orientação. Federação Brasileira das Sociedades de
Ginecologia e Obstetrícia, 2001.
8. Faria CA, Conceição JCJ, Reis AFF. Validade do questionário de
Hodgkinson modificado para o diagnóstico diferencial da incon-
tinência urinária feminina. J Bras Ginec 1998; 108: 99-105.
9. Faria CA, Conceição JCJ, Reis AFF, Oliveira EG. Validade dos
sintomas urinários para o diagnóstico da incontinência de es-
forço genuína em mulheres com queixas mistas. J Bras Ginec
1998; 108: 315-320.
10. Faria CA, Conceição JCJ, Reis AFF, Oliveira EG. Validade dos
sintomas urinários para o diagnóstico da instabilidade vesical
em mulheres incontinentes. J Bras Ginec 1998; 108: 355-363.
11. Feldner Jr PC, Bezerra LRPS, Oliveira E, Sartori MGF, Baracat
EC, Lima GR et al. Reprodutibilidade interobservador da classi-
ficação da distopia genital proposta pela Sociedade Internacio-
nal de Continência. RBGO 2003; 25: 353-58.
12. Glazener CMA, Cooper K. Anterior vaginal repair for urinary
incontinence in women (Cochrane review). In: The Cochrane
Library, Issue1, 2004. Oxford: Update Software.
13. Guidi HGC, Petta CA; Silveira V, Matsui NM, Pinotti VER.
Epidemiologia da incontinência urinária. Rev Ginecol Obstet
1990; 1: 43-46.
14. Keane DP, O\u2019Sullivan S. Urinary incontinence: anatomy, physi-
ology and pathophysiology. Ballière\u2019s Clin Obstet Gynaecol 2000;
14: 207-226.
15. Lapitan MC, Cody DJ, Grant AM. Open retropubic colpossus-
pension for urinary incontinence in women. In: The Cochrane
Library, Issue 1, 2004. Oxford: Update Software.
16. Maher CF, Qatawneh AM, Dwyer PL, Carey MP, Cornish A,
Schluter PJ Abdominal sacral colpopexy or vaginal sacrospinous
colpopexy for vaginal vault prolapse: a prospective randomized
study. Am J Obstet Gynecol 2004; 190: 20-6.
17. Mendonça M, Reis RV; Macedo CBMS, Barbosa KSR. Prevalên-
cia da queixa de incontinência urinária de esforço em pacientes
atendidas no serviço de ginecologia do Hospital Júlia Kubits-
chek. J Bras Ginecol 1997; 107: 153-5.
18. Nichols DH, Randall CL. Vaginal surgery, 4th ed. Baltimore,
Williams & Wilkins, 1996.
19. Nilsson CG. The tensionfree vaginal tape procedure (TVT) for
treatment of female urinary incontinence. Acta Obstet Gynecol
Scand Suppl 1998; 168(77): 34-37.
20. Steele A, Kohli N, Karram M. Periurethral collagen injection for
stress incontinence with and without urethral hipermobility. Obstet
Gynecol 2000; 95:327-31.
21. Tayrac R, Deffieux X, Droupy S, Lambling AC, Bamour LC,
Fernandez H. A prospective randomized trial comparing tesion-
free vaginal tape and transobturator suburethral tape for surgical
treatment of stress urinary incontinence. Am J Obstet Gynecol
2004; 190: 602-8.
22. Thom DH, Van den Eeden SK, Brown JS. Evaluation of parturi-
tion and other reproductive variables as risk factors for urinary
incontinence in later life. Obstet Gynecol 1997; 90: 983-9.
23. Ulmsten U. Some reflections and hypotheses on the pathophysiology
of female urinary incontinence. Acta Obstet Gynecol Scand
Suppl 1997; 166(76): 3-8.